Executivos blogando…

set 15, 2007   //   por Blog Corporativo   //   Blogs específicos  //  2 Comentários

dilbert2007458220426.gif

Independentemente do que o quadrinho acima tem a dizer, é importante considerar que blogs corporativos devem:

  • ser transparentes;
  • ser sinceros;
  • ser informais;
  • ter um rosto;
  • passar a idéia de que é pessoal;
  • ser responsivos;

E o mais importante:

  • SER ESCRITOS PELO PRÓPRIO PRESIDENTE (quando um CEO Blog);

2 Comentários

  • Barreiras de Comunicação e Gestores Despreparados

    As tirinhas diárias do Dilbert são engraçadas (ao lermos) e trágicas (ao percebermos o quanto são reais). São lições do que não fazer nas empresas. Todo CEO, diretor ou gerente deveria ler.

    Esta nota do Fábio me fez lembrar o Manifesto Clue Train (o “Trem das Evidências”, lá de 1999) que destacava o grande salto da Internet como a quebra dos “firewalls corporativos”, ou seja, aquelas barreiras intermináveis entre o emissor (empresa) e o receptor (mercado), aquelas mensagens filtradas (por profissionais de marketing, assessores, publicitários etc.) e aquele bloqueio estratégico do que se pode falar, o que se deve esconder etc.

    Colocar o “pessoal do marketing” ou o “pessoal de Web” ou a “assessoria” para escrever algo que deveria sair naturalmente das mãos do CEO (ou da pessoa detentora da informação) é fazer na nova Internet a mesma velha comunicação truncada, pouco produtiva e burocrática de sempre.

    Chega de líderes (gestores) que não sabem escrever, não sabem falar, e muito menos sabem usar um computador (nem um PowerPoint… imagine um blog). Ofertas de cursos redação, oratória e microinformática não faltam. E chega de empresas que não sabem se expressar abertamente. Parece que não percebem que… perderam o trem.

    Charles A. Müller
    Analista de Marketing.

    • Charles,

      Acho que na maioria dos casos não é o gestor que não sabe escrever ou falar. No caso de CEOs ou presidentes de empresas, sua posição, seu cargo pode demandar uma dedicação extremamente pesada.

      Então o problema passa a ser tempo, ou melhor, gestão do tempo, para que a dedicação a essas novas e revolucionárias ferramentas de marketing possam ser estudadas e exploradas efetivamente dentro da empresa.

      Obrigado pelo comentário.

Leave a comment to Fábio Cipriani