Visualizando posts em "Marketing / Negócios"

Bônus do dia.

fev 13, 2007   //   por Serendipidade   //   Marketing / Negócios  //  1 Comentário

Bônus não, uma simples repassada.

Vc deve no seu ingrêis e quer ficar por dentro dos temas de marketing que estão na “crista da onda*

Leia a super compilação do Guy:

  1. Seth Godin
  2. Robert Scoble
  3. Peter Rojas
  4. Phillip Bodzenta
  5. Sharon Wienbar
  6. Pete Blackshaw
  7. Steve Rubel
  8. Dick Costello
  9. Bill Kircos
  10. Kelly Wagman
  11. Ross Mayfield

* – todo consultor de negócios deve se manter na crista da onda.

Web 2.0 – Uma apresentação

fev 13, 2007   //   por Serendipidade   //   Marketing / Negócios  //  Nenhum comentário

Você já está de SACO CHEIO de ouvir falar de web 2.0. Já sabe o que é e o que faz. Já leu mais de 20 vezes o conceito da bagaça na página da O’Reilly (tida como a autora do termo). MAS

… ainda não sabe sua aplicabilidade e suas principais implicações em temas como streaming, messenger, VOIP, publicidade, marketing, entre outras áreas… não sabe que BLOGS são o ápice desse movimento…

Não arranque seus cabelos.

Leia a pesquisa da Universal McCann e depois fala comigo. Eu te escuto, porque isso aqui é web 2.0.

p.s. desculpe. Não sou 2.0, sou 1.98 porque estou afogado em trampo e, sinceramente, devo demorar a responder seus comentários sempre pertinentes.

p.s.2 desculpas sux.

Campanhas vs. Movimentos

jan 23, 2007   //   por Serendipidade   //   Marketing / Negócios  //  Nenhum comentário

Quem disse que blogs corporativos não podem ser fonte de informações inspiradas e inquietantes? No blog da Brains on Fire, uma empresa americana que promove a identidade corporativa, tirei este post.

Campanha vs. Movimento

Férias e Banco da Serendipidade

jan 4, 2007   //   por Serendipidade   //   Marketing / Negócios  //  1 Comentário

Banco do Brasil na TechnoratiEstou de férias. Esta semana estou em transição entre uma viagem e outra, e deu tempo de ver uma propaganda do Banco do Brasil na TV.

Nela, o Banco do Brasil falava que a partir desta virada de ano o Banco passaria a se chamar Banco do Manoel, Banco da Maria, Banco do João, etc. Isso tudo afim de tentar tornar seus clientes mais próximos da instituição financeira.

Achei a abordagem um pouco abusada porque o banco estava arriscando seus próprios intrumentos de branding: sua logomarca e nome, em prol de uma campanha “investimos em CRM”.

Fui procurar a respeito e serendipitosamente descobri que realmente coisa errada aconteceu… Ri demais. Saiu na Info, no IDG Now, e em vários blogs (veja gráfico neste post).

“Ao acessar a página de internet do banco, os usuários observam o logotipo do Banco do Brasil alterado para “Banco do Bruno”. Essa alteração faz o usuário do serviço supor que a página foi atacada por hackers.” {IDG Now}

Página fora do ar, Call Center congestionado… foi tudo pro espaço.

Já era. A era-da-sua-reputação-em-jogo-relâmpago está no ar. Titubeou para o bem ou para o mau, você se “you-tubou”. Se eles tivessem um blog há alguns dias, essa “crise” teria sido gerenciada com o pé nas costas.

Titubeou? YouTubou! Não que o banco ou sua campanha tenha virado um vídeo online (ao menos até agora), mas rimou. Google, pode mudar o lema da sua última aquisição.

Sabedoria popular (2.0)

dez 19, 2006   //   por Serendipidade   //   Marketing / Negócios  //  2 Comentários

CrowdSpiritO termo acima já foi transformado para sua versão 2.0: “Inteligência das Multidões”

E é nessa semana, a qual fomos brindados e nomeados como os personagens do ano pela revista Times (exaustivamente propagado em todos veículos de notícia e outros blogs), que trago parte do post do blog da CrowdSpirit.

A CrowdSpirit é uma dessas novas ventures da nova maneira de se navegar e desfrutar a Internet. A empresa abre espaço para que seus clientes enviem idéias para novos equipamentos eletrônicos, essas idéias são votadas pela comunidade e as melhores escolhidas podem virar um eletrônico de verdade, fabricado pela própria CrowdSpirit, e ser consumido pela própria comunidade envolvida. É veramente uma revolução (veja a complexa figura).

Fechando o post, a lista abaixo foi levantada pela empresa, e, além dela mesma, essas outras são iniciativas que fazem uso da nossa “sabedoria popular 2.0″.

Porque o Papai Noel é o mestre em inovação?

dez 19, 2006   //   por Serendipidade   //   Marketing / Negócios  //  1 Comentário

Final de ano, natal, promessas, e muito daquele blá-blá-blá chatíssimo por toda parte, todo mundo querendo vender seus produtos ou convencê-lo a gastar mais.

O fato é que Jim Carroll, ao contrário de ficar blasfemando o fim de ano como eu, sentou-se e escreveu um interessante artigo demonstrando porque o nosso querido Papai Noel, antes verde (?), agora vermelho, é o expert quando falamos de inovação.

Vejam o que podemos aprender com ele – o Papai Noel (vejam mais detalhes no post):

- Ele é orientado para o futuro
- Seu insight operacional é genial
- Ele é fanático por inovação orientada ao cliente
- Ele supera as expectativas no serviço ao cliente
- Ele tem completo domínio da logística de sua organização
- Ele inspira seus funcionários com uma missão singular
- Ele não tem medo de contratar aqueles que são diferentes
- Ele é cuidadoso com o equilíbrio entre o trabalho e a vida pessoal
- Ele manteve a essência de sua marca apesar de tantas mudanças
- Ele se adapta facilmente com as constantes mudanças nas demandas dos clientes
- Ele tem a integridade como sua virtude principal
- Ele sempre transfere sua marca para a próxima geração
- Ele é um mago em gestão de recursos
- Ele é confiável

Valeu Elton!

Telemarketing, o Marketing nas Coxas

dez 14, 2006   //   por Serendipidade   //   Marketing / Negócios  //  2 Comentários

Cenário 2:
Toca o meu telefone celular.
Do lado de lá alguma pessoa se apresenta como sendo do Banco Real.
Eu me coloquei à inteira disposição, pois o Banco Real me liga quando existem potenciais problemas na minha conta.
A pessoa me pergunta se eu já conhecia o título de capitalização Real Mega Sonhos.
Eu disse que ela deveria saber que eu JÁ POSSUIA determinado serviço
Ela me perguntou então se era o de 15, 30 ou 60 reais.
Eu devolvi a pergunta perguntando que diferença isso faz.
Ela me ofereceu então a possibilidade de contratar um segundo plano.
Eu disse que se não fosse por outros motivos, eu cancelaria o meu Mega Sonhos e pensaria em fechar minha conta.

Resultado do Cenário 2:
O Telemarketing ativo continuou ineficiente. O passivo muitas vezes também. As empresas de call center sofrem com altos índices de turnover e não preparam seus operadores corretamente. O Banco Real além de quase perder um cliente, deixou o mesmo muito chateado por incomodar, via telefone celular (um instrumento particular e privativo), um de seus clientes mais fiéis (são quase 10 anos de conta).

Já passou da hora de as empresas redesenharem seus instrumentos de marketing e passar a integrar melhor suas bases de dados. É preciso parar de fazer marketing nas coxas. Alias, este é um bom tema de anti-heroismo, o Marketing nas Coxas – além de barato é ruim, faça já o seu…

A história acima é verídica
Veja também o Cenário 1

Telemarketing Ativo funciona?

dez 14, 2006   //   por Serendipidade   //   Marketing / Negócios  //  Nenhum comentário

Cenário 1:
Toca o telefone de casa.
Do lado de lá uma voz feminina me afirma que eu já fui assinante da revista Viagem & Turismo da Editora Abril.
Eu disse que recebi 3 exemplares em caráter promocional, e que não fui efetivamente assinante.
Aí ela me disse que receber em casa é ser assinante, e me perguntou se eu não me interessava voltar a assinar a revista.
Eu disse que não.
Ela me perguntou se eu conhecia outras revistas da editora.
Eu disse que ela deveria saber que eu já assinei a Veja e a Info Exame um dia.
Então ela me perguntou se eu não gostaria de voltar a assiná-las.
Eu disse que em casa já havia outra pessoa que assinava a Veja, e que eu não precisava assinar nada.

Resultado do Cenário 1:
Telemarketing ativo é ineficiente no Brasil (só?), onde a maioria das empresas não possuem dados centralizados sobre sua base de clientes e ex-clientes, os dados ficam em silos separados e dificilmente se combinam. Ter uma plataforma CRM é crucial para melhorar o poder de “adivinhar” o que o cliente pode estar precisando.

A Editora acabava de gastar cerca de 3 minutos de telefone e serviços de telemarketing. Além, é claro, do esforço em disponibilizar uma pequena base de dados imperfeita. Em uma realidade onde as empresas estão buscando cada vez mais a otimização de custos, ao invés de demitir pessoal competente dentro da organização, experimente tornar seu telemarketing mais lucrativo ao invés de dar tiros no escuro.

Atualmente o cliente tem uma necessidade de se sentir íntimo de uma empresa. Isso explica o sucesso dos blogs. Uma empresa que me liga, finge que me conhece mas não me conhece, não merece minha atenção.

A história acima é verídica

Preocupações das empresas e desejos do consumidor

dez 10, 2006   //   por Serendipidade   //   Marketing / Negócios  //  Nenhum comentário

Achei num post da Cris as Preocupações Do Consumidor Global x Preocupações Das Empresas Globais.

Se fizessemos uma lista das preocupações das empresas nos últimos séculos, jamais apareceria como preocupação tratar bem e cordialmente os seus clientes (vide lista abaixo). O mesmo podería ser dito a respeito dos clientes: quem algum dia pensou em, sendo um consumidor, ajudar o próximo de forma a tentar fazer a cadeia do consumo crescer e voltar como benefícios para si mesmo? São idéias/preocupações válidas? Funcionam?

Preocupações do Consumidor
1. Capacidade de pagar pelo cuidado da saúde meu e da minha família;
2. Roubo de identidade;
3. Custo da alimentação;
4. Fontes alternativas de combustível para casas e carros;
5. Capacidade dos hackers entrarem em computadores pessoais;
6. Identificação de novas tecnologias automotivas para reduzir a dependência no petróleo estrangeiro e preservação do meio ambiente;
7. Capacidade do governo ou do empregador oferecer benefícios de saúde adequados;
8. Acesso ao cuidado médico e tecnologias avançadas;
9. Capacidade de fornecimento de água limpa por parte do governo;
10. Estilo de vida saudável.

Preocupações das Empresas
1. Custo da tecnologia;
2. Custo da mais avançada tecnologia como forma de se manter a frente da concorrência;
3. Capacidade dos hackers entrarem nos sistemas de computadores das companhias;
4. Custo da energia e o impacto no lucro;
5. Uso da tecnologia para atingir os clientes de forma produtiva;
6. Melhores soluções de backup e de armazenagem dos dados de companhias;
7. Aproveitamento eficaz da tecnologia para um ambiente de trabalho mais produtivo e satisfatório para os funcionários;
8. Aproveitamento tecnologia para aumentar a reputação e a inovação;
9. Garantia de um comportamento adequado por parte do funcionário;
10. Aumento do cuidado da saúde, exigindo que o governo ou empregadores passem uma maior parte do custo para os funcionários.

Fiquei com uma sensação de que a economia cresceria muito mais rápida e melhor se as empresas e o consumidor trabalhassem juntos (equipe). Que tal um blog?

12 regras para uma reunião sustentável

nov 30, 2006   //   por Serendipidade   //   Marketing / Negócios  //  1 Comentário

Depois vou tirar algum trechinho do “Odeio Reuniões” para contrapor essa listinha útil.

1. TO MEET OR NOT TO MEET? – Tenha certeza de que a reunião é extremamente necessária. Veja se pode ser trocada por um e-mail quando não é necessária uma decisão coletiva, quando não existem tarefas a serem divididas ou validações para fazer.

2. DEFINA O OBJETIVO – Defina o escopo da reunião, selecione os participantes em função do objetivo, mande antes o material considerado leitura necessária.

3. PREPARE A AGENDA – Estabelecer os argumentos e o tempo que será assignado para cada ponto. Envie uma agenda antes da reunião aos participantes com a pauta da mesma.

4. USE O OUTLOOK – Com ele você pode acessar a agenda de todos afim de escolher um horário apropriado.

5. ARRUME O AMBIENTE – Garanta que tudo está ok bem antes de começar, canetas, folhas, projetor, etc.

6. CONFIRME OS PARTICIPANTES – No dia anterior ou horas antes mande uma nota relembrando a reunião.

7. DEFINA O LÍDER – É importante a figura de um facilitador para controlar a amplitude da discussão e introduzir a agenda, tirar as conclusões, distribuir tarefas,

8. COMECE NO HORÁRIO – 5 minutos de atraso no máximo para reler algo, conhecer alguém. Celulares desligados.

9. MANTENHA A LINHA DE RACIOCÍNIO – Não fuja do escopo da reunião e controle o tempo. Se algo muito importante estiver em pauta e que deve ser continuado, reordene as prioridades.

10. PROVOQUE – Encoraje os participantes a ter um papel ativo. Frases como “Me ajude entender melhor” ou “Me explique um pouco mais”.

11. TRANSFORME PALAVRAS EM AÇÕES – Os últimos 10 minutos são dedicados para a definição dos próximos passos. De preferência não deixando o próximo passo ser uma próxima reunião para discutir pontos pendentes.

12. MANDE UM SUMÁRIO – Designe uma pessoa que faça um resumo da reunião e envie a todos os participantes uma recaptulação dos assuntos mais importantes que foram discutidos em até 24 horas depois da reunião.

Fonte: Blog da Edelman Itália.