Clipping :: Nós da Comunicação – Blogs corporativos em alta & Os blogs no gerenciamento de crises

Blogs corporativos em alta

02/09/2008

As empresas brasileiras estão descobrindo uma ferramenta importante de comunicação: os blogs. Há, pelo menos, 240 diários corporativos contabilizados por Fábio Cipriani, autor do livro ‘Blog Corporativo’. “Estamos vivendo uma nova era em que o mercado e as pessoas querem interagir, opinar e participar”, explica Fábio. Existem blogs de todos os tipos, desde os que visam a melhorar a comunicação interna aos que procuram fortalecer o relacionamento entre empresa e clientes.

“Ter um blog pode ser válido para a empresa criar uma conversa horizontal com seus públicos, encorajar a participação dos consumidores nas decisões de marca, compartilhar idéias, engajar funcionários, abrir espaços para as discussões de mercado e ser mais transparente com todos os seus públicos”, enumera Thiane Loureiro, gerente Corporativa e Digital da agência de relações públicas Edelman. Especialista em novas mídias, Thiane é uma das autoras do blog da Edelman, cujo objetivo é falar com o mercado de Relações Públicas sobre o papel do profissional no relacionamento com os stakeholders de uma corporação.

Segundo Thiane, um diário digital que pretenda estabelecer um veículo de comunicação eficiente entre empresa e clientes deve apresentar determinadas características. “Deve ser uma conversação, uma forma de comunicação horizontal. Para isso, é preciso saber ouvir e postar conteúdo de relevância. Se não há o que dizer, é melhor ficar calado”, adverte. Para a especialista, o desenvolvimento de um blog corporativo demanda outros cuidados. “A empresa deve ter certeza de que o autor do blog é seu melhor porta-voz e orientá-lo sobre o quê e como dizer, seguindo as diretrizes de comunicação da companhia.”

Mas como as empresas devem lidar com os comentários críticos dos internautas? Para Fábio Cipriani, o risco de receber reclamações pelo blog existe e pode ser minimizado quando estabelecido um código de conduta com os leitores. “A companhia deve oferecer um espaço para sugestões construtivas e sem palavras de baixo calão”, orienta.

GRANDES EMPRESAS INVESTEM NA BLOGOSFERA

Em julho, a Claro lançou um blog que, de acordo com a operadora, tem o objetivo de estabelecer um relacionamento mais participativo e transparente com os clientes. “Vivemos um momento em que os consumidores querem interagir e dialogar com as empresas, e a Claro está pronta para isso”, garante Miguel Cui, diretor de Clientes da companhia.

A proposta do blog da Claro – o primeiro no setor de telefonia móvel do país – é trazer para o leitor tendências de comportamento e tecnologia, dicas sobre o uso de produtos e serviços, além de informações sobre a operadora. O blog tem recebido posts dos principais executivos e até do presidente da companhia. No primeiro mês de funcionamento, o diário recebeu mais de 200 comentários, entre críticas, sugestões e elogios.

Outra empresa de grande porte com atuação na blogosfera é a Tecnisa, que criou o primeiro blog corporativo do mercado imobiliário do país. O diário, direcionado a todos os stakeholders da construtora, ganhou força com o passar do tempo. “O blog tornou-se um relevante veículo de comunicação com o mercado, um canal de ouvidoria para nossos clientes e uma eficiente ferramenta de governança corporativa”, destaca Roberto Loureiro, analista de e-business da Tecnisa.

Atualmente, o blog da Tecnisa recebe uma média de mil visitas por dia. Segundo Roberto, os principais benefícios oferecidos pela ferramenta são a transparência, a comunicação e a governança corporativa. “Por meio dos posts, podemos repensar alguns processos, tornando-os mais eficientes e menos conflitantes com a percepção de nossos clientes.”

Os blogs no gerenciamento de crises

03/09/2008

A Tecnisa é uma empresa de grande porte que apostou na blogosfera para estreitar seu relacionamento com os stakeholders, sendo a primeira do mercado imobiliário do país a ter um diário eletrônico. Em abril deste ano, o blog da Tecnisa foi utilizado para o gerenciamento de uma crise, como relata o analista de e-business da construtora, Roberto Loureiro. “Em 30 anos de história, a empresa atrasou apenas duas obras. Um desses casos foi amplamente debatido e gerenciado no blog, inclusive com um post explicativo sobre o atraso. Não foi uma situação fácil, mas acreditamos que deixamos um residual positivo, demonstrando transparência e motivação na solução de problemas.”

O uso de blogs com a finalidade de gerenciar crises ainda é raro no Brasil. “No exterior, já vi isso acontecer algumas vezes”, observa Fábio Cipriani, autor do livro ‘Blog corporativo’. Um caso ilustrativo, relatado por Fábio em sua obra, aconteceu em 2004, nos Estados Unidos, quando alguém descobriu que era possível abrir o cadeado de bicicleta da marca americana Kryptonite com uma caneta BIC. A informação se espalhou pelos blogs e ganhou até vídeo no YouTube. A crise, deflagrada na rede, levou a principal executiva da empresa a começar a ‘blogar’ em defesa da marca. “Depois, a companhia criou um blog oficial para melhor lidar com a blogosfera”, conta Fábio.

As corporações brasileiras estão preparadas para utilizar blogs no gerenciamento de crises? Para Thiane Loureiro, gerente Corporativa e Digital da agência de relações públicas Edelman e uma das autoras do blog da Edelman, a grande maioria não. “O fato de o blog permitir maior interatividade pode deixar empresas de ‘cabelo em pé’ e trazer muitas inquietações: ‘Como responder a todos os comentários?’ ‘O que fazer com as críticas?’”. Segundo a especialista, em momentos delicados, as corporações precisam estar prontas para monitorar a internet e dialogar com blogs e comunidades como parte de uma comunicação eficiente e transparente com todos os públicos. “Se a empresa já tem um blog, deve incluir o gerenciamento de crise em seu plano. ‘Matar’ o blog em casos assim é dar um tiro em sua reputação”, ressalta.

MICROEMPRESA CONQUISTOU FAMA POR CAUSA DO BLOG

As pequenas e médias empresas também estão demarcando seus espaços na blogosfera. No levantamento realizado por Fábio, há 160 organizações desses portes desenvolvendo diários digitais. Caso exemplar é o da DoceShop, uma pequena distribuidora de doces em Ribeirão Preto (SP) que alavancou os negócios graças a seu blog. Antes dele, o site da microempresa tinha uma média de 40 page views. Hoje, são registrados mais de 80 mil acessos.

“Temos configurado uma oportunidade de nicho na internet e, por causa disso, estamos adaptando a empresa para suprir demandas antes consideradas impossíveis, como vender em escala nacional”, explica o dono da empresa, Roberto Machado. O sucesso do blog da DoceShop, criado há dois anos, foi uma surpresa para o próprio empresário. “No início, aumentamos em 30% o faturamento devido às entregas que fizemos para novos clientes de Minas Gerais, que nos encontraram por meio do blog”, conta.

É o próprio Roberto quem atualiza o diário com o objetivo de manter um canal de comunicação mais pessoal com o internauta. E faz isso de forma estratégica. “Como nossa empresa também vende no atacado, os principais assuntos são relacionados ao tema ‘empreendedorismo’. Dessa forma, atraio um perfil de visitante que possivelmente tem um negócio ou está pensando em abrir uma empresa”, explica.

Autor: Isabela de Assis
Fonte: Nós da Comunicação

< Voltar para ‘Imprensa’