Visualizando posts com a tag " criatividade"

Jogos blogosféricos – o umbigo pop

dez 23, 2008   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  Nenhum comentário

Blogopoly @ http://littleoslo.com/eng/diary/index.htmBlogpoly @ http://littleoslo.com/eng/diary/index.htmBlogstar @ blogstargame.com
As pessoas e a sociedade desenvolvem a tecnologia para atender suas demandas. Ao mesmo tempo, a tecnologia, fruto do esforço do homem, molda a sociedade provocando novas atitudes, mudanças de comportamento e cultura. É a simbiose que constitui o nosso zeitgeist.

A introdução do post pode parecer séria, mas o conteúdo não é. O tema da vez é entretenimento. Mais especificamente jogos e passatempos baseados na blogosfera, uma modalidade de divertimento que é impulsionada pelos próprios blogueiros – principalmente entre os escolhidos para estrelar o seleto grupo de participantes. Um exercício pretencioso e saudável de navel-gazing que combina estrelato, reputação e polêmica.

Começo com alguns exemplos brasileiros. Em 2007, talvez estreando a modalidade no Brasil, o blog Treta divulgou suas cartas que constituíam parte do novíssimo SupeTrunfo Blogs de blogs brasileiros. Quase ao mesmo tempo o carioca Fabio Lopez lançava o War in Rio, parte de outra modalidade que chamaremos aqui de um ‘espelho da realidade‘, o choque da realidade com a sociedade nos moldes que apresentei logo no primeiro parágrafo, e que certamente foi referência para a criação do Blog War no início de 2008. Por último consegui encontrar referências a dois ou três diferentes tipos de Caça-Palavras da blogosfera como esse do blog Karynemlira.

Fora do Brasil temos exemplos na espanha representado pelo Juego de la Blogosfera de 2007, visivelmente baseado no “Quantas bandas você consegue encontrar?” divulgado pela Virgin Digital em 2005 e que virou febre gerando muitas outras versões criadas por outras marcas como M&M’s e Vodka Absolut. Uma variação do clássico “Onde está Wally?“, criado em 1987. Já o cosmopolita chinês littleoslo “plagiou” o Blogopoly, criado em 2004, ao criar o Blogpoly em 2005, o banco imobiliário dos blogs que explodiu quando foi linkado pelo BoingBoing ainda em 2005. Existe uma versão espanhola também.

Para completar a história, deixo o link para o mais recente e completo trabalho no universo do entretenimento blogosférico: o BlogStar Game. Mais um “banco imobiliário” dos blogs criado por dois italianos (via Catepol 3.0). O jogo é comercializado de verdade (acho que até a Hasbro descobrir) e pode ser obtido em PDF para impressão gratuitamente. Haja criatividade…

Um pequeno update: Você pode jogar Blogpoly online aqui.

Case Ócio – Microsoft e usuário final conectados

out 1, 2008   //   por Blog Corporativo   //   Blogs específicos  //  3 Comentários

Quando foi iniciado há pouco mais de ano atrás, o Ócio tinha o objetivo de aproximar as pessoas do Office (e da Microsoft), destacar a riqueza de soluções oferecida pelo pacote de softwares e sua capacidade de customização de acordo com a criatividade do usuário, e falar com formadores de opinião. No próprio site da Microsoft tem uma página que conta um pouco sobre o conteúdo e faz o link entre o portal corporativo e o blog.

Interessado em saber o retorno que o blog deu ao longo desse primeiro ano, e para saber se a meta foi cumprida, perguntei ao pessoal da Espalhe, que mantém o blog (obrigado Ariel e Patrícia), quais métricas são usadas para mensurar os resultados. A resposta obtida foi:

O retorno é medido de duas formas: quantitativamente e qualitativamente.

Na parte quantitativa, acompanhamos visitas, downloads, PR, backlinks. Alguns números interessantes:

  • Um milhão de visitas únicas de junho de 2007 a setembro de 2008,
  • 400 mil downloads no mesmo período,
  • 4.500 visitas únicas diárias em média na semana de 24 a 30 de agosto de 2008,
  • PR 4,
  • 1º lugar na busca por ócio + download,
  • 1º lugar na busca por ócio + microsoft,
  • 1º lugar na busca por ócio + office,
  • 3º lugar na busca por ócio,
  • Vários aplicativos destacados nas homes do Superdownloads e do Baixaqui.

Na parte qualitativa, acompanhamos, avaliamos e registramos posts em blogs e no Twitter, e inserções na imprensa. No final de agosto 2008, o Ócio 2007 tinha sido mencionado, de forma totalmente espontânea, em:

  • 218 posts (positivos ou neutros),
  • 138 reportagens e notas (positivas e neutras),
  • Inserções negativas não são registradas.

Saímos nos maiores e mais influentes blogs do país, como:

  • Meio Bit,
  • Tiago Dória,
  • HiTech Live,
  • Boombust,
  • Magaiver.

É bacana notar também que o Ócio consegue penetrar em blogs de assuntos variados, como o Ligado em Série e o Petiscos.

Em relação à imprensa, já estivemos em todos os principais veículos do país – nas versões impressas e online. E estamos sempre voltando, tanto em cadernos de tecnologia como em editorias “civis”.

Fica registrado o sucesso da iniciativa e as boas dicas de métricas aos leitores. Puxando sardinha para meu livro, se o leitor quiser transformar os números acima em $$$ e encontrar o retorno sobre investimento do blog, eu sugiro a leitura do capítulo 4 da 2a edição do Blog Corporativo.

Parabéns a todos, Microsoft, Espalhe e equipe envolvida na iniciativa.

Cisnes coloridos, sagacidade e ciência

ago 5, 2008   //   por Serendipidade   //   Serendipidade  //  4 Comentários

http://www.susetic.com/fotos/AlexOD/?C=M;O=DO Rodolfo Araújo da Adrenax Capital me escreveu contando sobre seu interesse pela palavra que dá nome a este blog. Ele leu recentemente ‘The Black Swan‘ e desde então sua vida parece ter mudado. Não li esse livro ainda, mas sobre o tema é isso que eu penso a respeito do fator descoberta:

- nós crescemos e paramos de nos impressionar com as pequenas coisas da vida, então quando olhamos as coisas com uma certa dose de mente aberta podemos nos impressionar

- o mundo, apesar de pequeno na distância entre as pessoas, tem uma infinidade de temas e conhecimento que podem ser, quando revelados, um grande achado para os nossos valores e opiniões. Só que se você exagerar você pode ficar burro.

Ele escreveu muito bem a respeito de Serendipidade (enriqueci com links):

[...]

Diversas listas de descobertas acidentais freqüentemente incluem a anestesia, o celofane, dinamite, nylon (que por sinal são as iniciais das capitais da moda quando da sua descoberta: NY e Londres), PVC, vacina de sarampo, aço inoxidável, Teflon, raios-X, forno de microondas e outros. Mas como tantos acidentes assim acontecem dentro dos ambientes que deveriam primar pela organização, precisão e previsibilidade?

A verdade é que a lista é, provavelmente, muito maior do que os próprios cientistas querem que acreditemos. No provocante ensaio Accidental Innovation (Harvard Business School working paper 06-206, 2006), Austin, Devin e Sullivan argumentam que muitos pesquisadores preferem omitir o papel desempenhado pela sorte em seus trabalhos, temendo que isso possa diminuir ou desmerecer seus resultados.

Os autores foram mais além e pesquisam as histórias por trás das descobertas que levaram aos Prêmios Nobel de Medicina e Fisiologia, no período entre 1980 e 2005. Nada menos do que 13 em 27 (48%) incluem algum tipo de sorte em suas narrativas.

Mas se serendipity é algo assim tão bom – por contribuir para a inovação – por que temos a impressão que nossos assépticos laboratórios tentam negá-la, baní-la, em vez de fomentá-la? A primeira parte da pergunta foi mencionada uns parágrafos atrás, especulando em torno do receio de que o público leigo atribua o trabalho de uma vida à mera sorte. O Dr. Stoskopf responde com outra pergunta: “Será que o peso cada vez maior dos controles externos na experimentação e exploração científicas não diminuem o benefício potencial da ciência, ao limitar as oportunidades para as descobertas ao acaso?” (Observation and Cogitation: How serendipity provides the building blocks of scientific discovery – ILAR Journal, Vol 46, Núm 4, 2005).

Mas a segunda parte… bem, como se precipita a sorte? De que forma se alimenta o acaso? É possível favorecer um acidente? Como se subverte tão descaradamente o método científico? Como os três príncipes testariam a hipótese de que a mula era manca?

A pasteurização do raciocínio – não só no ambiente científico, mas também no acadêmico e empresarial – pode limitar nossas chances de criar coisas realmente novas. Indução e dedução contribuem para expandir o conhecimento existente, mas não constroem conceitos verdadeiramente inéditos. Novas idéias precisam de um quê de irracionalidade, acaso, criatividade e – especialmente – uma apuradíssima capacidade de observação. Envolve, freqüentemente, ver o que todos vêem, mas pensar o que ninguém pensa.

Estimula-se serendipity, pois, quando se desprende a mente do pesquisador – ou do administrador, empreendedor – das convenções, das regras e das idéias pré-estabelecidas. Para criar e inovar é preciso um observador neutro, treinado para apreciar eventos inéditos sem viéses pré-concebidos sobre o que deveria acontecer. É preciso ver as coisas com a mesma curiosidade como se fosse a primeira vez.

Todos conhecemos a sensação de déjà vu, um forte sentimento de que já experimentamos algo anteriormente, mesmo que isso não tenha acontecido. Vuja de é exatamente o oposto: a sensação de ver algo pela primeira vez, mesmo que já tenhamos visto inúmeras vezes. E com esses novos olhos devemos buscar o que não se encaixa ou o que se encaixa bem demais, o que se parece com outras coisas ou o que não se parece com nada.

Desse olhar descompromissado, dessa curiosidade aleatória, da capacidade de unir o que parece incompatível e da criatividade incomum surgem os avanços mais surpreendentes, as inovações mais improváveis. Desses hábitos, mais eficazes que os outros sete – ou oito – constrói-se serendipity, a sagacidade acidental.

Está prestando atenção?

WWW = World Wide Wisdom

jun 19, 2008   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  1 Comentário

http://www.vlib.us/web/opte.org.jpgEstava no meu carro vindo para o trabalho hoje de manhã e, pensando sobre a vida, vi um endereço web em um outdoor. Na hora me ocorreu que a World Wide Web (rede de alcance mundial) é na realidade um World Wide Wisdom (inteligência em escala mundial).

Fiquei tão feliz… Aí pensei, certamente já pensaram nisso…

Pesquisei no Google: “World Wide Wisdom“. Tem até livro. Mas não cobrindo a – atualmente chamada – inteligência ou sabedoria das multidões (Wisdom of Crowds), nem o Crowdsourcing. Nem relacionado com o Gustave Le Bon e seu livro de 1895…

No final fiquei com a sensação de novidade. Vou usar o termo num capítulo do meu novo livro, só que relacionado com a sabedoria das multidões / uso das multidões para resolver problemas.

O velho conceito de criatividade usando dois conceitos diferentes combinados para criar um terceiro. Só um pouco atrasado… mas ao menos minha cabeça está funcionando…

O que a produtividade tem haver com o cafezinho?

jun 16, 2008   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  5 Comentários

Alguns meses antes de me mudar para a Holanda um gerente me disse que tinha lido em algum lugar que os Holandeses eram muito produtivos. Procurei na rede evidências dessa afirmação e, além de confirmar ser verdadeira (página 35 tem um gráfico onde a Holanda só perde para os Estados Unidos), acabei encontrando, em uma apresentação sobre Inovação Tecnológica na Indústria Brasileira a seguinte frase:

Em 2002, já eram necessários cerca de 4 brasileiros para produzir o mesmo que um norte-americano.

Um número intrigante.

Para aqueles que estão buscando evidências empíricas ou discussão séria na comparação Brasil e Holanda parem por aqui, pois minha observação ignora diferentes indústrias e ramos de atuação. Mais ainda, minha opinião ruma para o lado do cafezinho (que tanto desestimula a criatividade)…
Bandeja para copos

  • No Brasil temos a cultura do “vamos tomar um cafezinho”. A máquina de café é o ponto que mais recebe visitas durante o dia. Nas minhas andanças por diversas empresas noto que existem pessoas que, literalmente, ficam mais tempo no café que na baia. Nunca sozinhos.
  • Na Holanda eles bebem mais café em quantidade (só que aguado), mas toda hora um membro da equipe levanta e pergunta a todos o que querem beber. A bandeja com furos para colocar os copos (foto) está presente em todos lugares. Niguém vai junto e fica de papo furado perto da máquina.

Eu não bebo café. Portanto às vezes eu ia à máquina para papear porque ir até ela é fazer um social.

Ir à máquina é networking.

Mas afeta a produtividade.

Para os bebedores de café é difícil ficar sem cafeína, entendo. Mas bater um papo furado é evitável. Se você não consegue evitar, tente outros approachs, como o do Get Things Done – foque seus esforços se livrando de trabalhos mentais.

Rede social para o lado de lá – encontre alguém na sua próxima vida

jun 4, 2008   //   por Serendipidade   //   Criatividade / Inovação  //  1 Comentário

A Holanda é famosa por ser liberal. Entre um baseado e outro o pessoal vem com algumas idéias geniais, especialmente quando se trata de web 2.0, fatia do mercado on-line que demanda muita criatividade…

Assim é o Next Life Meeting, uma rede social (também em inglês) para que você marque encontros com outras pessoas na sua próxima vida. Se você acredita em reencarnação e quer reencontrar pessoas que compartilham da mesma opinião num futuro remoto, você não vai querer ficar fora dessa. Você pode criar seu perfil atual e perfis das suas vidas anteriores.

Como saber sobre suas vidas anteriores? Você pode tentar aqui, aqui e aqui. Agora, se você esquecer sua senha para acessar quando mudar de vida, você vai ter que se lembrar pelo menos do seu e-mail. O site não oferece outra solução. Por enquanto.

No final da história descobri que essa ‘start-up’ foi apresentada no Dragon’s Den, um programa da TV holandesa onde empresários iniciantes vão ao ar para tentar vender a idéia para 5 empresários bem sucedidos. Esse é um tipo de programa que poderia existir no Brasil. Melhor que Aprendiz

Fonte: Next Web.

Aprendendo a viver e deixando de se impressionar

jun 3, 2008   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  2 Comentários

Estava atualizando o Blog Corporativo Wiki fazendo algumas pesquisas na rede e vi algumas notícias sobre uso de blogs para diferentes objetivos. Daí percebi que não dava mais importância para isso como antes. Já vi tanto sobre o assunto que simplesmente não estou reagindo mais a esses “estímulos”.

Na mesma hora lembrei de uma música do cantor/compositor italiano Giuseppe Povia chamada “Quando as crianças fazem oh“. A música é sobre a pureza das crianças e de como esquecemos de nos impressionar com as coisas simples da vida como a chuva.

Imagino um ciclo de aprendizagem do seguinte modo: Descobrir – Entender – Absorver – Ignorar – Esquecer.

Se manter aberto a novidades é importante para evoluírmos com criatividade, mas ao mesmo tempo considero importante saber e sempre se lembrar do caminho que nosso conhecimento tomou até aqui. Ignorar algo que possa parecer batido é prepotente. Além disso, é o primeiro passo para perder novas oportunidades.

É super piegas dizer isso, mas oportunidade, assim como a flecha lançada e a palavra pronunciada, não volta.

Geração C ou geração V?

nov 21, 2007   //   por Serendipidade   //   Marketing / Negócios  //  2 Comentários

U.S. Department of DefenseA Gartner lançou uma pesquisa na semana passada que dizia que a Geração Virtual ou Geração V vai incutir uma mudança profunda no mercado e na maneira de se relacionar com os consumidores. A Gen.V é composta pelas Gen.Y e Gen.X só que no mundo virtual onde, de certa forma, não existe gênero, classe, nem informação de renda ou mesmo da idade dos clientes, ficando aparente somente as competências, motivações e esforços. Isso faz com que a Geração V possa ser segmentada em termos gerais ou mais amplos, e não 1-a-1.

A história é mais ou menos assim: Como blogs, comunidades, navegação e troca de informações correm de forma anônima em diversos graus de anonimato (do mais explícito ao menos explícito), restam às empresas somente a avaliação de seus hábitos de consumo, a forma com que comentam sobre esse ou aquele produto, e assim por diante. Sempre de maneira generalista e dificilmente no individualista.

De volta a 2005, quando escrevi sobre Geração C (Conteúdo e Criatividade), a referência ao fato de que os consumidores estavam adquirindo poder no momento de influenciar uma empresa e seus produtos está ligada ao que prega o conceito explicado pela Gartner do que é a Gen.V. Independentemente do termo utilizado é importante entender que o crescimento da internet só irá reforçar a necessidade de as empresas se adaptarem a essa nova maneira de divulgar sua marca e seus produtos de forma eficiente e alcançando maiores faturamentos.

Claro, estamos no escuro para inovar…

out 11, 2007   //   por Serendipidade   //   Criatividade / Inovação  //  Nenhum comentário

vision.jpgA Claro escorregou. Uma notícia da Folha de S.Paulo publicou o serviço “Claro me liga” que passa trotes em telefones de terceiros e é ativado via SMS pelo custo de 95 centavos. A reportagem pegou pesado sem dó e deu destaque aos atributos preconceituosos da brincadeira. Depois o ministério público anunciou que vai investigar, e depois veio uma nota da Claro (que tirou a página do serviço do ar).

A idéia não é ruim (e lógico que não é brasileira), no entanto, em pesquisa, não consegui encontrar nenhuma operadora (dentre as grandes mundiais) que presta serviço semelhante. O máximo que encontrei são empresas independentes de operadoras que prestam esses serviços. Detalhe, só encontrei no Reino Unido (pode ser proibido em outros lugares?).

Até que ponto a falta de criatividade e inovação vão levar empresas e empreendedores a continuar simplesmente imitando cegamente cases que deram certo ou investir em idéias tolas?

Não que o serviço de trotes seja um sucesso absoluto, mas certamente é fonte de receita para aumentar o ARPU. Sabemos que toda empresa ou empreendedor tem um DNA para farejar dinheiro e direcionar seus esforços para a suposta mina de ouro, mas cada vez mais essa atitude vai continuar inibindo a inovação e contribuir para a falência geral da já defasada “intelectualidade inovativa” que temos no Brasil.

Repetição é o antônimo de inovação. Inovação é uma palavra derivada do latim e que também significa renovação. O trote pode ser tolo ou ótimo, mas foi imitação.

Os probloggers vão morrer de inveja…

out 6, 2007   //   por Serendipidade   //   Criatividade / Inovação  //  Nenhum comentário

Eu vi isso na Folha de S.Paulo hoje:

“Menina de 17 anos ganha US$ 1 milhão na rede”

De volta a 2005, fui um dos primeiros no Brasil a acusar a Homepage de 1 milhão de dólares. Alex Tew teve méritos pela criatividade, mas ele criou um conceito.

Enquanto todo mundo fica sonhando com dinheiro na rede, mas é preguiçoso ou não possui idéias geniais, a Ashley Qualls veio sorrateira e, oferecendo um serviço gratuito de criação de desenhos para perfis do MySpace, ela atingiu uma marca monstro de visitas mensais no site. Conseqüentemente ganhou zilhões de clicks nos anúncios.

Não é que a internet é um belo e promissor oceano azul, cavar oportunidades na rede é complicado (nos Estados Unidos um dx menos complicado). Se fosse fácil teríamos certamente muitos mais casos de gente que jorra dinheiro por meio de websites.

Mega-Sena é mais fácil.

Páginas:12345»