A pirâmide inversa da criminalidade

mar 21, 2006   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  3 Comentários

(c) Apresentação do General Alberto CardosoA pirâmide ao lado foi obtida na apresentação do General Alberto Cardoso na 3a. Conferência Nacional de Ciência e Tecnologia, promovida pelo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos.

A criminalidade na comunidade permeia uma fatia maior da população, e portanto consiste a base da pirâmide. Os níveis de criminalidade vão aumentando e o número de envolvidos na população diminuindo, até o Crime Organizado no topo, que são comandados por pessoas de maior nível intelectual e de maior poder através de organizações criminosas ou cargos importantes.

Portanto temos:

Mais larga a pirâmide = Maior número da pessoas envolvidas
Mais no alto da pirâmide = Maior o crime

(c) Serendipidade.comA criminalidade pode ser combatida e ter seus devidos procedimentos penais e jurídicos, afim de se evitar a impunidade. No Brasil poderíamos representar a impunidade com a inversão da pirâmide. Crimes hediondos, crimes de alto valor envolvido, crimes políticos, e outros se situam ainda no topo, porém com a largura da pirâmide maior, pois estamos falando de grandes somas de dinheiro envolvido.

Concluindo:

Mais larga a pirâmide = Maior soma de dinheiro envolvido
Mais no alto da pirâmide = Maior a impunidade

O Brasil perde muito dinheiro para o seu crescimento porque estamos prendendo e mantendo presas as pessoas erradas.

3 Comentários

  • Demorou! Antigamente quilombos, hoje periferia.

  • Sem dúvida perde-se muito dinheiro, mas generalizar que estamos prendendo e mantendo presas as pessoas erradas, isso já é um insulto à inteligência.

    Certo seria: deixamos de prender mais pessoas que merecem ser mantidas presas.

    Bjsss!

  • Concordo com vc, muitas das pessoas que estao presas merecem ser presas, nao quiz expressar tudo ao pé da letra, mas o insulto chama a atenção, não chama? O que importa para mim é o fato como ignição de uma análise apurada.

    E quando eu falo prender, não digo somente no sentido binário da coisa (preso / não preso), eu falo na duração também. A Suzane von Richthofen matou os pais e está solta pq tem dinheiro. O Joãozinho das batatas que roubou comida na feira continua preso por mais 5 anos.

    Essa é a disparidade. Esse é o recado a nossa prezada inteligência jurídica.

Escreva um comentário