O gene é realmente egoísta?

nov 28, 2008   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  1 Comentário

Trabalhando no primeiro capítulo do meu novo livro me lembrei de uma história sobre pingüins que li no livro ‘The Social Atom‘ e que provavelmente foi originada no livro ‘O Gene Egoísta‘ do Richard Dawkins:

{…} Eles [os pingüins] são freqüentemente vistos na beira da água, hesitando mergulhar, por causa do perigo de serem comidos pelas focas. Se um deles mergulhar primeiro, o resto saberá se alí existe uma foca à espreita ou não. Lógico que ninguém quer ser o cobaia, então eles esperam e, às vezes, até empurram uns aos outros[...]

Já tinha até escrito o parágrafo quando então decidi pesquisar mais a fundo. Encontrei diversas fontes contrárias à afirmação de Dawkins na rede. Uma delas vem do livro ‘The Emperor’s Embrace: Reflections on Animal Families and Fatherhood‘:

[...] Quando os pingüins chegam na margem não existem empurrões; um deles pula e, uma vez que pingüins não resistem seguir o lider, o resto pula nas águas congelantes também[...]

Fraco argumento. Não satisfeito fui além e encontrei a resposta de Polly Penhale no site da NASA:

É difícil encontrar a resposta porque é difícil construir experimentos para verificar esse fato. A idéia de pingüins ‘testando a água’ empurrando outros foi baseada em observações. Normalmente, quando os pingüins se encontram na beira da água, eles estão em grupos de 100 a 1000 aves. Eles são muito ativos, estão sempre andando em círculos e os que estão atrás não conseguem ver o que está acontecendo na frente. Acredito que essa situação tumultuosa de empurra-empurra acaba ocasionando na queda de um deles.

O resto das discussões gira em torno disso e do vídeo engraçado de um pingüim dando um ‘tapinha’ nas costas do seu camarada. Que é falso.

Como não existe experimento que prove uma ou outra afirmação vou manter o argumento. Mas fica aqui o recado para não acreditar sempre em tudo que lemos. Investigar diverte, educa e é o melhor exercício para nossa intelectualidade.

1 Comentário

  • Ei Fábio herdou mesmo do seu pai essa esperteza e capacidade de ter senso crítico, ele comprava de domingo o Estadão, Folha de São Paulo, o Globo e mais alguns se fizessem necessário para tirar a opinião de todos e depois ter a sua própria. Ele era inteligente, mas pensava e agia com sentimento e muito senso crítico. Não adianta sermos inteligentes se não pensarmos e refletirmos. Saudades de voces!!!!

Escreva um comentário