Visualizando posts com a tag " varsóvia"

Mídias Sociais, relacionamento Homem-"Máquina" é mais eficiente

mar 23, 2009   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  1 Comentário

ipodvendingmachineNesse final de semana estive em Cracóvia lutando contra meu joelho. Sim, eu caí entre a plataforma e o trem quando estava embarcando e tive um final de semana mais desafiador. Felizmente não quebrei nada e passo bem. Só o meu relaciomento com o trem que não foi dos mais felizes.

Mas por “máquina” eu não quis dizer trem nem macchina. As aspas significam que o relacionamento ainda é entre seres humanos, mas com um intermediário não-síncrono como e-mail, blogs, redes sociais, etc. Coisas que não requerem a contraparte dar uma resposta imediata.

Pois bem. A minha história ocorre ainda em Cracóvia. Por causa de muitos hotéis em Varsóvia toda semana (estou em projeto na Polônia) estava sem limite no cartão de crédito. Liguei umas 3 vezes para o help desk para tentar pegar um aumento temporário de limite. Foi uma batalha mortal com a atendente e sem sucesso. Ela me dava mil razões para não aumentar um mísero centavo de Euro.

Aí entrei no website, olhei a página de FAQ, e vi que eles poderiam aumentar o limite por pedido via email. Enviei.

2 horas depois o meu limite tinha aumentado!

Ambos email e ligação foram encaminhados para a pessoa correta, mas porque quando você conversa com uma pessoa “ao vivo” a coisa muitas vezes não anda?

O primeiro motivo que me vem em mente é essa tendência humana de querer contradizer o próximo e a mania de criticar. Ou talvez é porque temos atendentes despreparados e/ou pressionados pela solução imediata que uma ligação telefonica requer.

O fato é que via um intermediário a coisa parece andar melhor. É uma mera constatação, mas que pode ajudar muito no campo do estudo das mídias sociais e seu uso pelas empresas para promover uma melhor experiência do cliente com a marca. Outro exemplo de “máquina” intermediária são as as vendas online. Um sucesso absoluto em crescimento pleno com a vantagem de não precisar aturar vendedores chatos.

A falta de imediatismo da maioria das mídias sociais certamente será um dos fatores de sucesso do seu uso por empresas.

Fonte da imagem

Carnaval: afastar a carne e o dia do sonho

fev 19, 2009   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  3 Comentários

Paczek @ http://www.siemionko.plHoje cheguei no escritório aqui em Varsóvia e a galera tava maluca atrás de uns sonhos que eu chamei de “berliner“. Comi um e perguntei qual era o recheio, me falaram que era tipo uma geléia de rosas e que pela tradição Polonesa, se come esse tipo de “doughnut” na quinta-feira antes do Carnaval. Bizarro. O nome então é pior ainda: Pączek.

Depois que inventaram a wikipédia não tem mais graça contar história. Está tudo lá. Mas vamos na minha versão.

Hoje é a “Quinta-feira gorda” aqui na Polônia, na Alemanha, na Itália e na Grécia também se comemora algo do gênero nesse dia. O lance é comer adoidado porque a quaresma e a abstinência está chegando. Outros gulosos como os franceses, americanos, canadenses e mais uma pancada de países comemoram a “Terça-feira gorda” ou Mardi Gras em francês, e eles comem o que podem para não passar fome na quaresma, as variedades de guloseimas vão de panquecas doces até os próprios sonhos.

Existe até a hipótese de que a comida preferida dos policiais americanos teve origem nos Estados Unidos graças aos imigrantes Poloneses… Mas no final ninguém sabe quem inventou esses bolinhos fritos e suas variações. Em Portugal algo similar é servido também no Natal e na Holanda faz as festividades de final de ano ficarem muito, mas muito mais gordas (e saborosas) com os Oliebollen (literalmente bola de óleo).

Uns na terça, uns na quinta, mas nenhum falou de CARNE aqui. Num antigo post meu de 2006, eu estava explicando esse excesso antes da abstinência. “Carnem-levare”: afastar a carne, e sua derivação: Carnaval, falava do tema de um banquete de abolição da carne antes da quaresma. No fim das contas, “terça-feira gorda” e “carnaval” são o mesmo dia e defendem a mesma gulodice – respectivamente de doces e carne.

Aqui eles comem doces, no Brasil comemos churrasco (e que falta me faz). Faz sentido dado que a carne da europa é de qualidade inferior à brasileira. Mas isso já é divergir demais.

Bom carnaval a todos (porque eu não tenho e vou estar trabalhando para o bem da humanidade)

A foto acima é exetamente o Paczek que eu comi. Roubei a imagem de uma confeitaria Polonesa, veja aqui outros quitutes locais.

Polônia

dez 13, 2008   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  Nenhum comentário

Warsaw - Palace Culture Science Estou alocado em um projeto na Polônia em Varsóvia pelos próximos 4 meses mas vou continuar voltando durante os finais de semana para Amsterdam. Interessante ver como me senti quando voltei para a Holanda na última quinta-feira a noite. Admito que estava homesick pela minha casa atual, mas a sensação de estar voltando para um país tremendamente mais evoluído economicamente foi muito marcante.

Mesmo com os quase 20 anos da queda do regime comunista, a cidade, alguns bairros que passei e alguns marcos importantes da cidade, como o Palácio da Cultura e Ciência (foto), ainda carregam as marcas do passado e é inevitável não sentir essa sombra ao andar pela cidade.

Alguns pontos marcantes (Polônia versus Holanda):

  • Na Polônia as pessoas costumam se cumprimentar com um amistoso aperto de mão todos os dias. Na Holanda é um distante, frio e calculista “bom dia”.
  • Na Polônia se almoça e janta pratos quentes, na Holanda o almoço pode ser entendido como um “segundo café da manhã” regado a leite, iogurte, pães com queijo e eventualmente uma fruta.
  • Como um nativo lusófono, o Neerlandês soa muito, mas muito mais feio do que o Polonês. A única excessão é escutar os Poloneses falando “sim” = “tak” no telefone… tak, tak, tak… (curiosidade: em Indonésio “tak” é “não”)