Visualizando posts com a tag " comportamento humano"

Social é centrado em pessoas e não em tecnologia

set 27, 2009   //   por Serendipidade   //   Marketing / Negócios  //  2 Comentários

Estou todo feliz e contente pesquisando o comportamento humano para entender melhor esse tal de ser humano nas relações interpessoais e vida em comunidade.

Quando estava bolando o conceito de CRM Social já dizia que clientes são, antes de mais nada, pessoas. Por isso fiz minha teoria estratégica em torno das pessoas e não em torno da tecnologia, web 2.0, mídias sociais, ou seja lá qual for o nome de qualquer website que promove conexão entre humanos.

Aí vem meu caro amigo Mauricio e me manda esse link perguntando se eu não gostaria de explorar essa idéia no meu novo livro. FUCK THAT! (foi minha reação). Se trata simplesmente de um novo livro americano no forno e que se centrará no Humano 1.0 ao invés de na Web 2.0. Um dos autores trabalha na mesma empresa que eu. E eles tem muito mais acesso a recursos como CMOs e cientistas. De qualquer forma eu recomendo e estarei esperando pela publicação com água na boca, só que eu quero publicar antes deles!

A metodologia de estratégia do meu livro é centrada na idéia de que só entendendo o comportamento e os perfis de usuários online e seus diferentes canais de comunicação que uma empresa consegue trilhar seus caminhos no mundo das mídias sociais.

Enfim. Em breve todos nós teremos muita gente falando nisso! Evviva!

Leituras que valem a pena #28

set 25, 2009   //   por Serendipidade   //   Serendipidade  //  Nenhum comentário

The way the brain buys | The Economist
Artigo de ciência do consumo na The Economist. Muito em torno do uso de scans de ressonância magnética para entender o comportamento dos consumidores

The Store of YOU | US News
Para que comprar das plateleiras se você pode personalizar? Consumidores projetam roupas, doces e até cartões de crédito

“I read Playboy for the articles”: Justifying and rationalizing questionable preferences | Harvard Business School Working Paper
Os conceitos de comportamento aplicados e as conclusões desse estudo são bastante interessantes, ainda quando o título do artigo é bastante “marqueteiro”

Leia as outras recomendações de leitura clicando aqui.

Custos enterrados

jul 29, 2009   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  Nenhum comentário

Outro dia trombei com um website de e-commerce chamado Swoopo (depois descobri que alguém no Brasil já imitou a idéia chamando-a de Olho no Lance). Swoopo é um leilão de produtos novos onde cada lance aumenta o preço do produto em 1 ou mais centavos, só que para ter direito a dar um lance você precisa comprá-los, e cada um deles custa muito mais que 1 centavo. No brasileiro Olho no Lance, o preço de cada lance começa em 1 real e você pode comprar por pacotes de lances (30 lances = 30 reais).

Os lances renovam a contagem regressiva que começa em poucos segundos. Quem consegue dar o último lance antes de acabar o tempo compra um produto por preços muito inferiores aos encontrados nas lojas.  Ontem alguém arrematou uma TV LCD 26 polegadas por R$42,33 quando o preço normal segundo apresentado pelo site é R$1079,00. Se você está se perguntando de onde vem a receita da empresa, oras, olhe o preço arrematado de novo e pense que cada centavo custou 1 real de algum candidato a comprador. Isso soma R$4233,00, quase 4 vezes mais o valor do produto em lojas e olha que eles nem dão o frete de graça… muquiranas.

Mas o post é pra falar que arrematar o produto pode ser como ganhar na loteria, a cada real apostado você não aumenta suas chances de ganhar, e quanto mais o site se tornar popular, pior ainda para o possível comprador.

Existe, no campo do comportamento humano em aspectos econômicos, um termo chamado “Custos Enterrados“. Esse termo diz que o dinheiro investido no passado acaba  influenciando decisões futuras porque somos avessos a perdas. Então, se eu gastei 50 reais em 50 lances, sou mais propenso a continuar gastando porque não quero perder o dinheiro já investido se eu não conseguir arrematar o produto.

O problema é que as pessoas se deixam levar na ilusão de que cada real gasto é como uma parte do investimento para comprar o produto e acabam gastando muito e às vezes nem acabam arrematando de fato o produto. Também podem existir os felizardos que conseguem comprar a mesma TV acima dando apenas 1, 2 ou 3 lances, mas a chance é muito pequena.

Estamos falando de três alternativas para ganhar: muito dinheiro, paciência ou sorte. Escolha a sua.

Outro site de e-commerce que também se diferencia é o Woot, a cada dia o site oferece uma única oferta, um único produto, a um preço diferenciado. Na Europa é imitado pelo Ibood. Ainda não encontrei nenhuma imitação desse aqui no Brasil… milagre.

Falimento humano?

mar 4, 2009   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  4 Comentários

Eu tenho uma página de contato aqui no blog para que as pessoas possam me enviar mensagens. É prático, funcional e todo mundo usa. Só que a prática do email está tão solidamente imortalizada no nosso cotidiano que é quase impossível não confundir a minha página de mensagem com o envio de um email.

Tenho os seguintes campos:

  • Seu nome
  • Seu email
  • Seu website
  • Sua mensagem

E não é que (quase) todo mundo coloca o assunto da mensagem no campo website?

O mundo é que não presta atenção ou o meu formulário que precisa ser adaptado aos costumes do mundo?

Teorema da economia viral

ago 14, 2008   //   por Serendipidade   //   Criatividade / Inovação  //  4 Comentários

Esse é o teorema de retalhos dos livros abaixo.

Quando lidos individualmente, estes livros trazem muitas idéias que provocam o leitor, faz com que nossa cabeça pense e raciocine sobre o ambiente que nos cerca. Mas quando lemos e refletimos sobre o grupo, temos a impressão que o círculo se fecha. Existem sobreposições e variações dos mesmos (parecidos ou relacionados) temas. Um livro puxa outro.

As conexões são as seguintes:

1O Gene Egoísta (1976) – Dawkins criou o conceito de meme. Unidades ou fragmentos de idéias e pensamentos que habitam nosso cérebro e que tem a capacidade de se autopropagar.

2The Tipping Point (2000) – Pegou um nome e conceito criado por Morton Grodzins nos anos 60 e elaborou um ótimo livro em torno dele. Ali foi definido que quem espalha o vírus das idéias são os conectores, especialistas e os vendedores. Ah, o livro também fala sobre o fator “stickiness” (pegajosidade) das idéias que espalham.

3Made to Stick (2007) – Pelo nome do livro dá até para imaginar que o texto faz referência ao The Tipping Point. Sim, o livro é, de certa forma, dedicado a ele. Os autores desenrolaram uma regra chamada “SUCCES” (Simples, Inesperada, Concreta, Crível, Emocionante e Histórica) para criar idéias e trouxeram o conceito da “maldição do conhecimento” – que a grosso modo diz que quando sabemos algo é difícil explicarmos. Aqui o SUCCES é a máquina processadora de memes e criadora de idéias.

4The Social Atom (2007) – Descreveu as pessoas como átomos os quais seguem padrões. Somos adaptadores, imitadores e cooperadores. A idéia de um tipping point é descrito na forma em que imitamos os outros e causamos uma avalanche de mudanças.

5Predictably Irrational (2008) – Um dos últimos que li e que fecha o cerco. Migrando para a área de economia baseada no comportamento humano, o livro nos traz vários exemplos que abordam diversos temas dentro do assunto. Aversão à perda (evitar riscos), endowment effect (o que possuo é mais valioso), enquadramento (dependendo da forma que contamos uma idéia ela será adotada), são alguns exemplos da economia comportamental.

Perceba como os conectores, especialistas e vendedores (grupo 1) se relacionam com os adaptadores, imitadores e cooperadores (grupo 2) e como o fator pegajosidade (informação) consiste em memes ordenados trocados entre essas partes. O fator irracional provoca a reação desejada.

Como no caso do ovo e da galinha, não sabemos ao certo se o grupo 1 veio antes do 2 ou vice versa. Além disso, o grupo 1 pode ter qualidades do grupo 2 e vice versa também. Mas deixamos separados para fazer a teoria funcionar.

Observe que coloquei o meu livro na transmissão da idéia, mas aqui vale qualquer veículo.

Curiosamente a ordem cronológica de publicação dos livros segue a ordem do ciclo implícito no teorema:

Criar – Transmitir – Receber – ReagirCriar

Tem material o bastante aqui para gerar um outro livro ;-)