Visualizando posts com a tag " inovação"

Consultoria de Marketing

fev 22, 2006   //   por Serendipidade   //   Marketing / Negócios  //  1 Comentário

(c) yotophoto.comEmpresas procuram cada vez mais profissionais de consultoria externos, não somente para ajudar a focalizar melhor os objetivos ou racionalizar a estratégia, mas sobretudo para participar dos projetos em primeira pessoa.

Tudo isso porque a inovação de marketing passa hoje por uma transformação benéfica dos processos operacionais, para permitir otimização de budget e um melhor monitoramento do retorno sobre investimento.

Nesse contexto algumas profissões estão surgindo nos departamentos de Marketing das grandes empresas.

O Trend Watcher
É o papel profissional de quem se ocupa da análise e monitoramento das macrotendências, coordenação de pesquisas, e acompanhamento dos estudos realizados por agências especializadas no assunto como: Iconoculture, The Intelligence Group ou Influxinsights. A análise de tendências é uma função sempre muito complexa e que necessita de competências multidiciplinares.

O Usability Manager
É o profissional que analisa a usabilidade dos projetos de comunicação das companhias e dos próprios produtos e serviços da empresa. Faz um papel de ombudsman que busca confrontar o que foi desenvolvido pela empresa com a demanda real dos clientes. Pode ser um funcionário interno ou um consultor externo. A Microsoft já adotou esse profissional.

O Marketing Content Manager
Realiza o desenho e projeto dos conteúdos de marketing e para o marketing. Também pode ser feito internamente ou através de consultoria.

O Innovation Manager
Profissional responsável pela gestão da equipe de inovação, uma área (departamento) cada vez mais presente nas empresas. Entre os principais processos geridos por esse profissional estão: captação de idéias no mercado e internamente com os funcionários, criar projetos com alternativas de uso ou aplicação de produtos e serviços e adaptar a companhia para uma cultura de inovação e criatividade.

Exemplos nacionais de analistas de tendências aqui, aqui e aqui.

Inovação no topo da onda

nov 25, 2005   //   por Serendipidade   //   Criatividade / Inovação  //  1 Comentário

(c) yotophoto.comEstamos vivendo uma nova onda (moda) na gestão de empresas. É a onda da inovação. Jamais se falou tanto em inovação dentro do ciclo de gestão de produtos, gestão econômico-financeira, gestão logística, etc.

Essa onda acaba de atingir o Brasil consolidada pela matéria na revista Exame desta semana. São apresentadas dicas, exemplos e a descrição do perfil da empresa que aposta na inovação e transformação de idéias.

Aqui já comentamos anteriormente alguns movimentos que também comprovam essa “economia do conhecimento”, vimos que algumas escolas de gestão alteraram seu curso de MBA para incluir matérias sobre inovação, e que os consumidores estão cada vez mais exigentes e interagindo melhor com as empresas.

Empresas nacionais estão amadurecendo os processos internos para incluir times ou equipes voltadas para inovação. É o caso de empresas como Natura e Nutrimental, citadas na reportagem da revista. Uma tendência no mercado de trabalho é o surgimento de vagas de consultores de inovação, gestor de times criativos e quem sabe de um novo tipo de CIO – Chief Innovation Officer como pude confirmar em algumas reportagens.

As empresas que mais influenciaram a estratégia de inovação estão colhendo reconhecimento mundial. A General Electric com o acrônimo CENCOR (calibrar, explorar, criar, organizar e realizar), Procter & Gamble, Starbucks e muitas outras se enquadram na lista.

A revista BusinessWeek até introduziu uma nova seção nas suas páginas.

O que mais está por vir? Para responder é preciso muita criatividade e inovação para saber. Podemos aposentar a velha bola de cristal.

Zona de mediocridade

out 24, 2005   //   por Serendipidade   //   Marketing / Negócios  //  1 Comentário

(c) serendipidade.comQuando tentamos ser bons em todos os âmbitos podemos nos sair mal. Quando eu falei de como não ser ignorante querendo saber de tudo um pouco, eu quis mostrar que devemos nos dedicar a uma pequena parcela de conhecimento. Fazemos isso meio que automático graças a nossos gostos diferentes para assuntos diversos.

E quando for uma empresa? Qual a estratégia a ser seguida?

Observe o triângulo acima. Pode ser um triângulo, um quadrado ou qualquer outro polígono de sua preferência. Cada vértice deve possuir um aspecto positivo que torne os demais contraditórios.

Quem é bom de preço perde em qualidade e tecnologia por ter uma estrutura enxuta e tecnologia modesta. Quem é líder em tecnologia não consegue baixar o preço e a qualidade do serviço pode ser afetado pela novidade. Já o melhor em atendimento ao cliente, não deve ter a última inovação tecnológica e nem preços baixos.

Evitando ficar na “zona de mediocridade”, cada empresa deve traçar sua estratégia e escolher o nicho de mercado no qual quer atuar com mais ênfase. Nada impede querer ser líder em dois aspectos, mas em três é ficar na mediocridade. Antes de decidir é interessante também encontrar a posição dos seus concorrentes.

"Geração C" e Pensamento Lateral

set 21, 2005   //   por Serendipidade   //   Criatividade / Inovação  //  Nenhum comentário

Dois exemplos rápidos de dois temas que já discutimos aqui anteriormente: a Geração C e o pensamento out-of-the-box

(c) inteligweb.com.brNa “Geração C” temos uma nova geração de consumidores que não somente compram passivamente, mas preferem participar das etapas de marketing das empresas e criar conteúdo.

Aqui temos o exemplo da Intelig que lançou (acho que na semana passada) a promoção crie seu comercial do 23. Um exemplo de que as empresas estão chamando os consumidores a participar e, assim, se sentirem “envolvidos”. É o estímulo que a “Geração C” precisa.

(c) mileskimball.comJá no caso do pensamento “fora-da-caixa” vimos que as empresas inovadoras costumam mudar aspectos do produto ou mesmo do que está em sua volta para gerar valor e provocar a “tentação” pelo consumo. É o uso de idéias fora do contexto do uso convencional do produto.

Nesse caso, cito o exemplo de uma imagem que estava rodando a rede na semana passada. A Miles Kimball, uma loja de departamentos online, possui um Garfo-cortador de pizza ou um “Garfaca de Pizza” se preferir. Perfeito para comer uma pizza com uma das mãos e tomar aquela cervejinha gelada com a outra durante os jogos do tricolor. Uma inovação de produtos utilizando dois elementos não relacionados anteriormente.

Vocês conhecem mais exemplos assim?

Quebrando os paradigmas do churrasco

set 15, 2005   //   por Serendipidade   //   Criatividade / Inovação  //  2 Comentários

(c) serendipidade.comQuem disse que carvão é coisa para homem, suja e complicada de abrir? E que você vai sujar a mão e ter dificuldades extremas para abrir?

Hoje durante o almoço passei em frente a uma dessas lojas de conveniência de posto de gasolina e esse produto me chamou a atenção. Veja as fotos.

Interessante o que a Carvão Veríssimo fez. Sem rodeios quebrou paradigmas e pensou out-of-the-box literalmente.

As imagens valem mais que as palavras.

Carvão em caixa de papelão incluindo acendedor e luva. Fora o detalhe da alça e a facilidade para abrir sem se sujar.

Inovação de produtos sem inovar o produto em si, mas as coisas que o circundam, na tentativa de criar valor.

(c) serendipidade.comÉ uma estratégia que muitas empresas deveriam utilizar, mesmo aquelas que possuem produtos “comoditizados” ou, sem neologismos, produtos onde a marca não dita o comportamento do consumidor, mas geralmente o preço. Tentativas de quebrar este estigma.

Incluir um brinde igual nas caixas de sucrilhos, incluir um cupom estampado com os dizeres “junte dez e troque por outro”, colar adesivos luminescentes na caixa, adicionar um “manual do churrasqueiro”, criar um mito em torno da marca (carvão místico para queimar incensos), etc.

O importante é exercitar as idéias.

Serendipidade em links

set 9, 2005   //   por Serendipidade   //   Serendipidade  //  1 Comentário

(c) yotophoto.comIncluí uma página com links diversos em torno inicialmente dos temas de marketing, criatividade, inovação, publicidade, comportamento e cotidiano. São todas páginas que estou lendo atualmente.

Quem sabe algumas delas possam trazer um pouco de serendipidade a vocês. Vou mantê-la atualizada conforme for encontrando as páginas e fazendo os posts daqui do blog.

Sugestões são muito bem vindas.

Também existem os links do meu bookmark público del.icio.us.

A Geração Criatividade e as Design Schools

ago 30, 2005   //   por Serendipidade   //   Criatividade / Inovação  //  1 Comentário

Alguns dos principais executivos e escritores de marketing do mundo forjaram uma expressão que retrata o consumidor atual e sua relação com as empresas. É a “Geração C”.

(c) trendwatching.comC de criatividade

Os consumidores de hoje possuem mais influência sobre as empresas através de interações em diversos meios de comunicação, principalmente a internet – nessa última, a possibilidade de interação com as empresas é exposta ao máximo. Através da colaboração em massa é possível realizar consultas publicas ou coletar opiniões sobre produtos e serviços. Somos todos criativos e estamos criando conteúdo a todo momento na Internet.

C de conteúdo

Além de estarmos criando conteúdo na Internet, estamos também adicionando conteúdo para outras pesquisas, bancos de dados ou mesmo propagandas de outras empresas. Algumas companhias criaram anúncios interativos on-line que possibilitam seus clientes interagirem e incluirem informações sobre seus produtos e serviços. Os pedidos das empresas agora são: Crie! Produza! Participe! Antigamente era: Escute! Assista! Brinque!

Dentro dessa nova onda de consumidores, as Business Schools estão se moldando e se adaptando para incluir em suas matérias, cursos de criatividade e inovação na empresa, workshops de desenvolvimento da capacidade criativa e outros cursos relacionados com o tema. De B-Schools estão se transformando em “D-Schools”.

(c) yotophoto.comD de Design

Mais do que formar administradores de empresas, as escolas de negócios querem formar pessoas com conteúdo criativo e inovativo. Que possam agregar valor nas empresas através da aplicação desses conceitos e desenvolver oportunidades de negócio desenhando criativamente os cenários de aplicação. Diversas escolas americanas estão se juntando com institutos de design para promover esse conhecimento. Assim está sendo em Stanford, Carnegie Mellon, INSEAD, Wharton e outras.

Para saber mais:
“Geração C”TrendWatching – Generation C
“D-Schools”Tomorrow’s B-School? It Might Be A D-School

Banco Itaú e as portas giratórias

Acabei de ver na TV uma propaganda do Banco Itaú que demonstra que a Geração C está presente a todo vapor no Brasil. São os clientes colaborando em massa através de sugestões deixadas seja através da Internet ou seja através de qualquer outro canal de atendimento.

A propaganda agradecia as sugestões enviadas na campanha do “Itaú quer ouvir você” e dizia que muitas estão sendo já implementadas, exceto por algumas como no exemplo da porta giratória, que está ali para a segurança dos clientes. Além da TV também vi um outdoor nas ruas com alguns desses balões de diálogos. Campanha forte pelo visto.

São as empresas começando a se preocupar com essa nova geração exigente e mostrando explicitamente que escuta o que o cliente tem para dizer. Ao menos é a impressão que fica. Se não for isso é o marketing enganando outra vez.

As 20 Companhias mais Inovadoras do Mundo

jul 26, 2005   //   por Serendipidade   //   Criatividade / Inovação  //  2 Comentários

Veja o ranking das 20 companhias mais inovadoras do mundo:
(Pesquisa com 940 executivos sêniores em 68 países – Pela Boston Consulting Group – 2005)

  1. Apple – Fabricante de micro-computadores, eletrônicos e softwares
    Proporciona produtos com design excepcional, cria idéias que redefinem velhas categorias de produtos como é o caso de tocadores de música. Evolução contínua da marca e modelo de negócios
     
  2. 3M – Fabricante de produtos em várias áreas de atuação
    Cultura interna voltada para criatividade com incentivos à inovação. Grande sucesso na geração de idéias no setor de Health Care e componentes industriais que aumentam a lucratividade da empresa.
     
  3. Microsoft – Desenvolvedora de Software
    Melhoramento contínuo dos produtos empurrados pela forte gestão, expansão em novos mercados e rápida mudança de estratégia quando necessário.
     
  4. GE – Fabricante de Eletro-Eletrônicos
    Práticas de gestão à frente dos competidores com um forte foco em treinamento estão permitindo a reinvenção no modelo de negócios e cultura para promover a inovação.
     
  5. Sony – Fabricante de Eletrônicos
    Entende a importancia da convergência da mídia, cria produtos altamente amigáveis ao uso, com design superior.
     
  6. Dell – Fabricante de micro-computadores
    Modelo de processos de negócios superior permitindo inovações e corte de custos na gestão da cadeia de suprimentos.
     
  7. IBM – Fabricante de micro-computadores e componentes, Consultoria informática
    Quer usar sua base de conhecimento em TI para resolver problemas de clientes e ajudar a executar seus negócios.
     
  8. Google – Portal de buscas e outros
    Novas ferramentas e serviços que entregam soluções simples para problemas complexos. Domina a busca on-line e está crescendo fortemente em publicidade. Forte conexão com seus clientes.
     
  9. P&G – Produtos para a saúde e casa
    Inovação de produto contínua baseado no entendimento das mudanças de estilos de vida dos seus clientes. Está procurando sócios e funcionários para novos conhecimentos, idéias e produtos..
     
  10. Nokia – Fabricante de telefones celulares
    Alto design, muda os modelos e adiciona novas funcionalidades rapidamente baseado na leitura dos desejos do cliente no estilo de vida móvel crescente.
     
  11. Virgin – Provedora de serviços de viagem, música e entretenimento
    Reformulou a viagem aérea como uma marca de estilo e expandiu a marca em lojas de varejo, serviços para telefones celulares e outros produtos. Assume riscos e ataca provedores de serviços tradicionais.
     
  12. Samsung – Fabricante de telefones celulares e eletrônicos
    Capta os impulsos do cliente, bom design, entende a emoção e se promoveu uma marca lider. Gera um fluxo de novos aparelhos celulares e ótimas TVs de tela plana.
     
  13. Wal-Mart – Hipermercado
    Usa a cadeia de suprimentos e logística com superioridade para promover migração a novos mecados e áreas de produto. Traça as preferências do cliente diariamente contribuindo para um rápido crescimento.
     
  14. Toyota – Fabricante de automóveis
    A qualidade e eficiência da manufatura evolui constantemente. Uso estratégico de novas tecnologias possibilita vantagens de mercado como no caso dos carros híbridos.
     
  15. e-Bay – Portal de leilões e e-business
    Criou um novo modelo de negócios de varejo baseado no poder do cliente, baixos preços e comunidade.
     
  16. Intel – Fabricante de processadores e componentes
    Modelo de negócios dinâmico com a abilidade de se tornar uma grande competidor em áreas como no caso da comunicação sem fio.
     
  17. Amazon – Portal de e-business
    Transformou a distribuição de varejo com a tecnologia da internet com foco na experiência d cliente.
     
  18. IDEO – Estúdio de design
    Consultoria de alto nível em processos de inovação. Usa os princípios do design para guiar empresas na mudança estratégica que foca na experiência do cliente.
     
  19. Starbucks – Cadeia de lojas de alimentação e café
    Mudou o modelo de negócio das lojas de café inserindo uma marca de estilo de vida através da observação dos clientes. Construiu uma afinidade da marca com os clientes que foca na expeiência dos mesmos.
     
  20. BMW – Fabricante de automóveis
    Combina o design inovativo com tecnologia avançada e marketing baseado na web para aumentar a liderança da marca e sua abrangência, como no caso do relançamento do MINI Cooper

Por quê o teclado é assim? Dos cliques mecânicos aos mais virtuais possíveis…

jul 7, 2005   //   por Serendipidade   //   Criatividade / Inovação  //  Nenhum comentário

A primeira máquina de escrever foi feita em 1714 por um engenheiro britânico chamado Henry Mill. Nessa época, as letras eram dispostas no teclado em ordem alfabética. Mas para quem se lembra da mecânica das máquinas de escrever, sabemos que as letras eram impressas através de tipos de impressão que ficavam nas pontas de hastes metálicas acionadas pela pressão dos dedos no teclado. O problema era que essas hastes emperravam com freqüência.

Christopher Sholes, criou um layout de teclado que reduzia este emperramento constante. Esse layout é o conhecido padrão QWERTY que é usado até hoje nos teclados da grande maioria dos microcomputadores. Essa disposição das letras reduzia a freqüência com que os tipos se emperravam. Portanto foi uma solução para um problema puramente mecânico, que acabou sendo usado hoje em dia por acomodação dos usuários e inércia do mercado.

Dvorak Keyboard - Public Domain

Depois vieram outras inovações nas disposições das letras, como o exemplo de 1932 feito por John Dvorak e Willian Dealey (figura). O teclado Dvorak trouxe algumas mudanças para aumentar a produtividade e diminuir o cansaço das mãos. É uma inovação que existe mas não é na prática adotada pela maioria das pessoas. Algumas variações do padrão Dvorak também surgiram depois de sua invenção.

Com a tecnologia de hoje, estamos perto de algo como digitação por voz, ou digitação por conversão da escrita em letras. Ambas são possíveis, mas ainda com muito por evoluir devido às diferenças físicas (voz e caligrafia) de pessoa para pessoa. Com certeza serão áreas que evoluirão muito nos próximos anos devido a presença avassaladora de novas aplicações para a telefonia celular, que esta deixando de ser telefonia para se transformar em todo um completo serviço de dados e multimídia.

E falando em celular, escrever no tecladinho do celular ainda não é uma tarefa fácil e agradável, apesar dos auxiliares de escrita em diversas línguas terem facilitado muito esse processo. A tecnologia Predictive Text Input ou T9, é um padrão feito por uma empresa chamada Tegic e que é usado pelas principais fabricantes de aparelhos celulares. Facilitou bastante a vida dos escritores compulsivos de SMS, ou torpedo como foi chamado aqui no Brasil.

Siemens SX1 (c) VKB Inc./Siemens

Enquanto isso, vão surgindo outras maneiras de facilitar a escrita nos cada vez menores celulares e PDAs. A VKB Inc. é detentora da patente do teclado virtual a laser que promete uma grande revolução no auxílio à escrita em pequenos aparelhos. Basicamente é um teclado laser projetado em uma superfície lisa, que com o “teclar dos dedos” detecta o movimento e funciona! Mesmo usando o padrão QWERTY, só de fugir do minúsculo padrão alfanumérico já basta. O aparelho para ser conectado em PDAs já é vendido e pode ser comprado por cerca de US$199,00. A Siemens anunciou recentemente o lançamento de um celular com essa tecnologia (figura). E a Sybian que produz sistemas operacionais para a maioria das grandes fabricantes também anunciou que vai utilizar a tecnologia.

Prefiro ainda o futuro da digitação por voz ou por conversão da caligrafia manual, escrever todo esse artigo teria sido muito mais fácil do que “catar milho” no teclado.

Vai um cafezinho aí?

jun 13, 2005   //   por Serendipidade   //   Criatividade / Inovação  //  3 Comentários

Lâmpada (c) FreeFoto.com
Criatividade é sempre uma palavra muito mencionada no mundo corporativo, as empresas sempre buscam soltar as “asas da imaginação” na cabeça dos funcionários para aumentar a produtividade, trazer inovações e principalmente cunhar idéias que podem ajudar a empresa no mercado onde atua.

Antes de trabalhar externamente a capacidade criativa dos seus funcionários através de treinamentos, é preciso entender os conceitos biológicos e fisiológicos da criatividade e da inovação.

A maneira que o cérebro trabalha faz de você uma pessoa criativa e inovadora. Mas você pode trabalhar de maneiras diferentes e experimentar diferentes ondas cerebrais dependendo do que você está fazendo. Algumas ondas cerebrais liberam melhor a criatividade que outras ondas, portanto, entendendo o estágio atual do seu estado cerebral pode ser crucial quando você precisa ser mais criativo no trabalho.

Hans Berger, um psiquiatra austríaco, descobriu que existem 4 tipos de ondas cerebrais: alfa, beta, teta e delta. Algumas delas podem ajudar na criatividade, como a alfa e a teta. A onda de oscilamento mais rápida é a beta, e a mais lenta é a delta.

ALFA – as ondas alfa são as mais proximas da criatividade e imaginação. Elas aparecem quando você está desperto, mas relaxado. Você pode alcançar as ondas alfa relaxando, cochilando mas não dormindo profundamente, através de posturas e processos de pensamento.

BETA – essa onda é mais associada a estados de ansiedade, extrema concentração e quando estamos sob pressão e stress. é a que apresentamos no dia-a-dia, quando estamos acordados e concentrados. No estado Beta não se está relaxado. Sua criatividade e imaginação estão suprimidas.

TETA – as ondas teta são aquelas quando estamos mais relaxados ainda, aquelas que experimentamos logo antes de começar a dormir. No momento da inspiração podemos experimentar ondas teta. Aumenta a criatividade, reduz o stress e melhora o aprendizado e a intuição.

DELTA – são as ondas que ocorrem enquanto estamos dormindo, na fase de inconsciência. Por isso não tem relevância no processo criativo a não ser pelos sonhos, que na verdade são processos inconscientes de criatividade.

Não é a toa que as grandes inspirações, o “Eureca!” surgem nos momentos em que nos desligamos um pouco do trabalho concentrado. Estimular a criatividade tem haver com fazer uma pausa na concentração e ir tomar uma ar. Um ar, e não um café, porque é comprovado que a cafeína estimula a produção de ondas beta, que são aquelas que inibem a criatividade.

Chegar atrasado no serviço, ficar o dia inteiro concentrado, estar sob pressão com deadlines estreitos e tomar um cafezinho cem vezes por dia vão inibir a sua criatividade.

Páginas:«1234