Visualizando posts em "Comportamento"

Tem espaço na Internet para as mesmas coisas?

jul 24, 2005   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  Nenhum comentário

Monitor Lots(c) KingstomComputers.comNão é para falar mal, mas não é possível que na Internet haverá espaço para tanta coisa igual… Aparentemente tudo que o Google faz e lança de novidades, a MSN da Microsoft vai atrás. Tudo o que está acompanhando uma tendência de crescimento (vendas on-line), vem seguido de uma enxurrada de novas lojas on-line. Lógico que vamos aonde podemos ganhar dinheiro… mas devíamos nos preocupar com novas maneiras e não copiar maneiras… isso satura demais, às vezes chega a incomodar.

Estamos vendo ultimamente um certo abandono de venda de serviços e conteúdos on-line nos portais de conteúdo lá fora, a nova onda de cooperação em massa está mudando pra valer o hábito das empresas da Internet. As pessoas querem acessar conteúdo grátis, e se as empresas não disponibilizam, elas acessam aquela página que abriu seu código de acesso ou montada pelos próprios usuários (os famosos wikis). A AOL está abrindo o seu conteúdo e acessos a serviços a qualquer um, e não mais somente a assinantes, e está focando em publicidade via web. O Yahoo! está abandonando as suas linhas de receita em conteúdo e serviços e está focando (pasmem) somente em publicidade. A cada ano, o número de pessoas on-line aumentam absurdamente, e quer mais publicidade do que anunciar produtos para essa massa e ainda por cima segmentados? O problema é que todo mundo vai pra publicidade agora… daqui uns dias vamos acessar uma página e ver só anúncios e nenhum conteúdo. Exagero dizer isso, mas é quase isso.

Por outro lado, a Google, após a compra da empresa de localização por mapas via satélite Keyhole, deslanchou o seu Google Maps e a sua ferramenta Google Earth teve até que ser tirada do ar de tantos downloads que foram feitos. E agora o que acontece? A MSN lança o seu serviço de “Google Maps”, o Virtual Earth. Saturação no último.

Legal a competitividade, mas na Internet é tudo “super”, super competitividade, super conteúdo, super sobrecarga de informação, super facilidades. Tem pro bem e tem pro mal.

Qual será a tendência? Tem espaço para tanto competidor? Eu diria que sim, focado em regiões e bem segmentado. Cada qual com seu valor. Tem muita gente na Internet e as oportunidades de negócio são infinitas, afinal de contas somos “super-consumidores”. A exemplo dos mapas, no Brasil temos a versão segmentada do mesmo serviço (com fotos aéreas porém), ele é dado pela Editora Abril em seu CD-ROM das Ruas de São Paulo.

Mas e aí? O que acontece conosco, clientes e consumidores? Cai a qualidade do produto… cai o uso desses serviços… no final uma empresa acaba comprando a outra… assim é o capitalismo selvagem – agora em versão super também.

Quais são as regras do seu jogo?

jul 23, 2005   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  1 Comentário

Chess(c) morguefile.comQual é o seu espírito de vingança? Um prato que se come frio… A misericórdia do perdão… O favor do esquecimento… A verdade que corrige… A sinceridade que ensina… muitas são as opções.

O primeiro padrão de comportamento que cruzou fronteiras no nosso planeta praticamente cristão é atribuído a Jesus e diz: “Faça com os outros o que você quer que seja feito com você”, a chamada “Regra de Ouro” na vida cotidiana.

Depois vieram algumas variantes, todas tentando mostrar alternativas e escolhas para aplicarmos em nosso dia-a-dia… como um jogo… um jogo com regras pré-escolhidas… qual a sua? Todas? Acho que todas é a resposta próxima de todos nós, vivemos diferentes situações e momentos ao longo da vida… e sempre levados a querer ganhar… veja meu post anterior.

A “Regra de Prata” diz: “Não faça com os outros o que você não quer que seja feito com você” – Ghandi e Martin Luther King Jr. pregavam as regras de ouro e bronze dizendo aos povos a não pagarem a violência com mais violência.

A terceira delas, é uma espécie de “olho por olho, dente por dente” misturado com “o bem com o bem se paga” – chamaremos esta regra de “Regra de Bronze”: “Faça aos outros o que te fazem”. O problema desta regra é que sabemos que violência gera violência, caminhando para algo meio que sem fim e destrutivo.

“Regra de Ferro” é mais linha dura: “Faça com os outros antes que façam com você” – Acredito ser a mais suja delas e com certeza a regra secreta de muitas pessoas.

Inserimos aqui mais duas regras menos importantes, mas que não deixam de ser interessantes. A “Regra de Lata”, que é uma mistura da Regra de Ouro e de Ferro: “Puxe o saco de seus superiores e maltrate os seus inferiores” – Uma regra que é bastante usada nas empresas por aí. E também a regra de muitos políticos brasileiros, a “Regra do Nepotismo” que diz: “Favoreça sempre os seus parentes próximos e faça com os outros o que quizer”.

Por último, deixamos aqui uma regra muito conhecida e que talvez seja uma das mais significativas na Teoria dos Jogos. A origem dela pode ser explicada quando estudamos o Dilema do Prisioneiro. É a “Regra Tit-for-Tat” (pagar com a mesma moeda): “Coopere primeiro, depois faça aos outros o que lhe fazem”. Essa regra pode ser a mais completa a ser usada, mas se usada sabiamente. Se duas pessoas usam essa regra ao mesmo tempo, ela pode ser fatal.

Resumindo:

  • Regra de Ouro – Faça com os outros o que você quer que seja feito com você
  • Regra de Prata – Não faça com os outros o que você não quer que seja feito com você
  • Regra de Bronze – Faça aos outros o que te fazem
  • Regra de Ferro – Faça com os outros antes que façam com você
  • Regra de Lata – Puxe o saco de seus superiores e maltrate os seus inferiores
  • Regra do Nepotismo – Favoreça sempre os seus parentes próximos e faça com os outros o que quizer
  • Regra Tit-for-Tat – Coopere primeiro, depois faça aos outros o que lhe fazem

E então, qual é a sua regra?

Baseado no artigo de Carl Sagan “As Regras do Jogo” – publicado em seu póstumo livro “Bilhões e Bilhões” – 1997

Competitividade vs. Cooperatividade

jul 18, 2005   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  2 Comentários

Shaking Hands (c) FreeFoto.comDesde pequenos estamos acostumados com jogos onde sempre alguém ganha e sempre alguém perde. Esse espírito de competitividade vem desde muito cedo em nossas vidas e é até difícil encontrar exemplos (se é que existem) de jogos ou brincadeiras onde um ou mais “competidores” cooperam entre si para gerar uma relação ganha-ganha.

Os jogos são sempre ganha-perde, alguém tem que perder e alguém deve ganhar, e nós queremos ganhar! Não consigo me lembrar sequer de um exemplo de jogos ou brincadeiras ganha-ganha. Talvez um RPG se aproxime disso quando um grupo de jogadores se reúnem CONTRA o mestre. Mas ainda sim alguém sai perdendo (o mestre – mas não se tem essa impressão) e o resultado é trabalho em equipe.

Parece que sempre algo/alguém tem que perder (ao menos segundo o princípio da conservação de massas de Lavoisier – extendido para a relação entre jogadores).

O importante é que o perdedor seja a parcela maléfica para a nossa vivência. Por exemplo, todos contra a poluição, todos contra o desmatamento ou todos contra o “mensalão” – vejam bem que somos uma equipe, uma união contra um mal maior. É um ganha-ganha entre nós humanos unidos integrado com um ganha-perde entre humanos e um mal-maior. Sabemos que principalmente as empresas de hoje falam muito em “espírito de equipe” ou “sinergia organizacional” – pontos que são opostos a competição (neste caso interna), que visam o crescimento da empresa no combate contra os concorrentes.

Sabemos que o combustível da economia em que vivemos é a competitividade, afinal de contas não são guerras e corridas armamentistas que trouxeram muitas das evoluções tecnológicas? A busca por poder e riqueza impressas em nosso caráter humano. E se a busca pelo bem estar fosse sinérgica entre todos nós? Seria possível alcançar igualdade? Ou estaríamos nos enganando?

Qual lado da balança é mais forte? O da competitividade ou da cooperatividade? Eu diria que o ideal é ser equilibrado. Não competir demais apelando para uma cooperação de seguidores do mesmo ideal quando o outro lado é prejudicado. Não cooperar demais se o lado perdedor é importante para nós mesmos.

Equilibrado para menos, e não para mais. Que nossa gana de vitória adquirida pelos jogos e brincadeiras sejam gana de vencer na vida honestamente e levando vários com você. Simples, sincero e livre de fachadas ou segundas intenções.

Ajuda oportunista na velocidade da luz (tanto pra começar quanto pra terminar)

jul 5, 2005   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  Nenhum comentário

Recentemente publiquei um post aqui que falava de como muitos de nós nos comportamos como oportunistas na hora de fazer solidariedade. Há alguns meses atrás, mais precisamente dia 26 de dezembro de 2004, ocorreu um tsunami no oceano índico como conseqüência de um terremoto. Foi uma catástrofe, um dia muito triste para a humanidade onde muitas vidas foram perdidas.

Tsunami (c) DigitalGlobe.com

A repercussão da tragédia foi enorme. Milhares de pessoas em todo o mundo ficaram comovidas com o tamanho da notícia que chegava rapidamente através da Internet, rádios e TVs. Tanto foi significativa essa notícia, que serviu para mostrar como a Internet já está praticamente em todo canto do globo terrestre, páginas e mais páginas de fotógrafos e repórteres anônimos traziam em primeira mão imagens e filmes que foram então utilizados pelas redes de TV. A Internet foi veloz para divulgar a notícia e também para motivar ações solidárias regionais e globais. Foi uma ferramenta poderosa.

Ontem, dia 7 de julho, o ataque terrorista em Londres repercutiu rapidamente em diversos sites e blogs na internet. As vítimas publicaram protestos com fotos e filmes feitos em celulares quase que imediatamente após os atentados.

Por outro lado, no plano físico, milhares de pessoas por todo o mundo começaram a se mexer e construir algum tipo de ação que pudesse ajudar todas aquelas famílias desabrigadas. Impressionante ver como podemos ser solidários quando realmente nos envolvemos. Aliás, envolvimento é tudo em todas as coisas que fazemos na vida.

No Brasil centenas de famílias montaram “Postos de Arrecadação para ajudar as vítimas do tsunami”, onde o objetivo era angariar alimentos e roupas para serem enviados para a Ásia. Ajuda oportunista no bom sentido, eram ações solidárias de valor e que precisavam ser feitas naquele momento. As redes nacionais de televisão mostravam esses brasileiros que estavam ajudando uma causa mundial – sempre de forma oportunista.

Porque eu digo oportunista?

Hoje já se passaram mais de 6 meses e seguramente muitas dessas pessoas que ajudaram de alguma maneira nem sequer sabem e nem querem saber como está a situação corrente. Se a situação por lá já está mais calma e mais assentada, onde estão os solidários brasileiros? Onde está a mídia cobrindo matérias de ajuda solidária?

Deixando o tsunami de lado, hoje vivemos no Brasil uma realidade social precária, onde milhares de pessoas morrem de fome ou não tem onde viver. Só porque não é uma coisa magnífica como um tsunami, um terremoto ou um vulcão, parece que o resto dos problemas nacionais passam desapercebido. A mídia brasileira só exporta desgraça, pobreza e tragédias para o exterior, e aqui dentro, o que vale são notícias de ibope. Mesmo assim nós brasileiros já estamos cansados de saber que existem pobres, famintos e sem terra no nosso país.

Se existe tanta gente morrendo no Brasil, onde estão os famosos “Postos de Arrecadação para ajudar as vítimas da(o) (escolha seu motivo)” ? Na época do tsunami eu via vários pelas ruas onde passava, hoje não vejo mais. Seriam aqueles postos um tipo de ajuda oportunista para aparecer? E sendo para aparecer, porque a mídia não mostra isso mais vezes e provoca uma motivação geral?

Pra mim o motivo é óbvio: Precisamos de uma catástrofe de gênero, número e grau elevadíssimo para despertar a boa alma.

Mas… espera um pouco. Existe maior catástrofe do que o que vivemos hoje no Brasil, com uma distribuição de renda desigual e fome generalizada?

Quanto mais sei, menos eu sei

jun 28, 2005   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  3 Comentários

Todos nós sabemos que ao longo de nosso crescimento como pessoas adquirimos a capacidade de raciocínio, memórias da experiência de vida, conhecimento, entre outros. O conhecimento pode ter várias bases e, de fato, possui milhares delas. Partindo de ciências humanas, ciências exatas e biológicas, e entrando em suas quebras nos vários sub-conjuntos de informação.

Ao adquirirmos conhecimento estamos ampliando nossa inteligência ou sabedoria e nos tornamos mais capazes de reconhecer ou interpretar informações. Concluimos então que conhecendo mais, sabemos mais. Mas um paradoxo interessante nessa afirmação pode ser encontrado se vemos o conhecimento sob outra ótica.

Conhecimento (c) SerendipidadeVamos imaginar que todo o conhecimento que você adquiriu desde sua infância pudesse ser representado por um círculo de área igual ao seu conhecimento, e fora desse círculo, está todo o conhecimento disponível que até então você não explorou. A borda deste círculo é a sua fronteira com o infinito desconhecido, e o crescimento da borda (raio) em um sentido, representa a ordem natural do aprendizado: primeiro devemos aprender o básico para poder avançar conforme aprendemos mais e mais.

Quando aumentamos nosso conhecimento a área do círculo aumenta e, por conseqüência, o perímetro que é nossa fronteira com o desconhecido aumenta também.

O resultado é que no final acabamos com mais fronteira a ser explorada. Ao aprendermos algo novo, sempre acabam surgindo uma gama de opções de novos assuntos a serem explorados. Isso é infinito e aumenta sempre.

“Em 1750, o conhecimento da humanidade, desde o tempo de Cristo, foi duplicado.
Em 1900, esse fenômeno se repetiu.
A seguinte duplicação aconteceu em 1950.
Atualmente, o conhecimento se duplica a cada 5 anos.
No ano de 2020 estima-se que esse conhecimento se duplicará a cada 73 dias.” – James Appleberry

É como já dizia nosso amigo filósofo Sócrates:
Quanto mais eu sei, menos eu sei… e isso em quatrocentos e bolinha aC. e continua valendo até hoje.

Simplificando, seremos sempre ignorantes em nosso pequeno espaço no universo do conhecimento.

Ignorantes e Incompetentes.

Mas voltarei nesse assunto para tranqüilizar os ânimos.

Atos Instintivos 2

jun 26, 2005   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  1 Comentário

BicicletaAs maneiras com que agimos na interação com o meio em que vivemos:

Adaptando – Nós alteramos o propósito e o contexto das coisas para atingir nossos objetivos

Reagindo – Nós interagimos automaticamente com espaços e objetos que encontramos

Respondendo – Algumas qualidades e características nos fazem se comportar de maneiras peculiares

Sinalizando – Nós transmitimos mensagens e lembretes a nós mesmos e a outras pessoas

Aceitando – Nós aprendemos padrões de comportamento de outras pessoas do nosso grupo social e cultural

Explorando – Nós tiramos vantagens de qualidades físicas e mecânicas que conhecemos

Usando – Nós fazemos uso das oportunidades presentes à nossa volta

Comecei com um site paralelo a este para publicações de fotos minhas (ou de quem quiser participar) sobre Atos Instintivos. A idéia é publicar fotos do cotidiano dos Atos Instintivos do Brasileiro, e é baseada no livro Thoughtless Acts, ao qual já fiz referencia aqui.

Este é o link para o site Atos Instintivos

Na barra vertical ao lado, também é possível acessar diretamente daqui deste site e ver uma introdução das fotos mais recentes do álbum.

A expressão através das placas

jun 23, 2005   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  Nenhum comentário

Copyright (c) Colors - Taschen BooksVarios tipos de sinais podem fazer parte de uma maneira de comunicação onde, cada indivíduo humano é bem capaz de traduzir as imagens em uma mensagem. Basicamente é assim:

Imagem + Interpretação Lógica Cognitiva = Mensagem

Essa interpretação parte do princípio que nós sendo vivos e vivendo o cotidiano, somos capazes de fazer associações daquela imagem com alguma experiência anterior na nossas vidas, ou seja, a imagem remete a uma experiência vivida antes.

Isso vale tanto para “imagens FIGURAS”, ou “imagens LETRAS”. Ainda nas letras temos algo mais, uma composição de imagens (palavras) transmitindo a mensagem.

Incrível é ver em alguns casos a incrível capacidade de criação do homem no momento da criação… Como uma placa de trânsito por exemplo, que por muitas vezes podem remeter a algo engraçado, de dupla interpretação ou passar a mensagem desejada. Esses podem ser sinais feitos meio que sem pensar ou por deficiência em algumas disciplinas vitais na comunicação como o alfabetismo ou cultura geral.

Dentro dessa linha, convido vocês a conhecerem um pouco mais do mundo dos sinais transmitidos via PLACAS:

Copyright (c) Colors - Taschen Books

- O Site Signs of Life possui um acervo interessante de placas curiosas pelo mundo.

- O livro 1000 Signs lançado pela Colors Magazine da Benetton, é um livro que tras placas do mundo inteiro reunidas por assunto, como por exemplo: Animais, Homem, Pare, Transporte, etc.

- Já no Brasil, temos o Brasil das Placas lançado pela Editora Abril que trata mais de erros de português ou placas que anunciam um estabelecimento de nome incomum.

Pulseiras da moda ou da distância?

jun 12, 2005   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  3 Comentários

Um dia, há varios meses atrás eu vi um sujeito usando uma dessas pulseiras amarelas e confesso que fiquei curioso por saber do que se tratava esse ornamento uma vez que comecei a perceber a sua presença em vários braços a partir de então.

Se tratava da pulseira lançada pela fundação de um famoso ciclista para angariar fundos em prol das jovens vítimas do Câncer, que juntamente com uma grande companhia de equipamentos esportivos, através do seu website passou a vendê-las aos milhões.

Não que não seja uma ótima campanha, muito séria e comprometida com seus objetivos financeiros e “marketeiros” (falo disso mais tarde). O mundo precisa disso, a solidariedade das pessoas comprando essas pequenas lembranças. Uma ótima oportunidade para mover as pessoas a colocar dinheiro na solidariedade. Muitos de nós não fazemos nada para construir ou tentar ajudar um próximo necessitado, assim, essas pulseiras são um escambo muito justo, faz com que o indivíduo dôe seu dinheiro indiretamente, recebendo um “recibo” por isso. Recibo esse que poderá ser mostrado aos seus amigos na sociedade capitalista de hoje que ele é uma pessoa “engajada” com a ajuda e as boas ações. Quem sabe até propagar a boa ação pelos amigos e parentes próximos.

Feliz a idéia do nosso ciclista que fomentou diversas ações do gênero pelo mundo surgindo assim todo uma nova linhagem de “pulseiras solidárias”. Repito, não é que não seja uma boa idéia, é ótimo e tem trazido bons resultados, mas quero mostrar que precisamos ser sensatos ao comprar uma delas, e perceber que podemos fazer ainda mais pelo mundo do que simplesmente “andar na moda”. Além das pulseiras ainda existem outras maneiras de ajudar, não basta ajudar na “onda da moda”, tem que ajudar sempre. Em uma outra oportunidade, outro dia, gostaria de falar sobre essa “ajuda oportunista”.

Aqui no Brasil eu percebo que somos muito Humanos com “H” maiúsculo, fomos tomados subitamente pela febre das pulseiras, todo mundo, todo mundo ajudando… ajudando? Sim, ajudando… ajudando também nossos amigos falsificadores a ganhar mais dinheiro por causa de MODA, sim, Humanos gostam de ficar na moda, estar sempre da maneira que estão os demais da sua tribo, se parecer bem e no alto da hierarquia do bem estar que nós buscamos em nós mesmos: ser aceito pelos outros Humanos.
Infelizes são os falsificadores que para não passarem fome, seja aqui ou seja em outro país, são muitas vezes astutos e acompanham uma onda que pode trazer o seu ganha pão. E no final o que temos? Que a pulseira da solidariedade acaba servindo também para os “pobres” falsificadores! Bom? Mal? Veremos…

Faço uma pequena interrupção na linha de raciocínio porque queria ainda completar um outro aspecto. A fraternidade, amizade e solidariedade são coisas que estão na moda também. Hoje em dia as empresas estão cada vez mais investindo em programas de responsabilidade social. Através de voluntários do próprio corpo de funcionários, a empresa entra com o patrocínio ou eventos que promovem o crescimento da sociedade necessitada utilizando a sociedade mais abastada.

Assim, ao comprarmos a pulseira temos que botar a mão na cabeça e pensar: Estamos ajudando? Ou estamos tentando ficar longe da pobre realidade social ajudando remotamente, indiretamente, à distância? Temos medo?

Algema com pulseira

Aos que compram as falsificadas, não temos como saber de onde vem e se o falsificador é realmente pobre. Se ele utiliza mão de obra infantil ou promove o tráfico com o dinheiro.

Por outro lado, aos que compram as originais, lembrando do marketing que as empresas estão fazendo com a Responsabilidade Social, sabemos que o dinheiro provavelmente vai promover o bem. Porém não sabemos se a empresa também não usa mão de obra infantil ou conta com empresários corruptos que desviarão uma parte da grana. A Responsabilidade Social pode ser uma mascara ou um elixir que apaga a memória de todos nós, pobres consumidores capitalistas.

E os que compram pela moda? Nem precisamos nos preocupar, pois eles nem devem ter entendido tudo isso… pecam pela inocência.

Como diria Luciano Ligabue de um grupo de rock italiano em uma de suas canções: Baby, é um mundo super.

Atos Instintivos

jun 8, 2005   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  1 Comentário

Foto publicação do site oficial.Thoughtless Acts é um livro muito interessante que fala sobre atos humanos instintivos ou impensados. Compilado pela Janet Fulton Suri que integra o time de profissionais da IDEO, o livro consiste em um conjunto de fotografias que mostram como nós adaptamos, usamos, interagimos, sinalizamos e adequamos a nossa existência com o ambiente e os objetos que nos circundam.

Trecho da introdução:
“Algumas ações, como por exemplo segurar em algo para balançar, são universais e instintivas. Outras, como aquecer as mãos em uma caneca quente ou acariciar veludo, se baseiam em experiências tão incorporadas que se tornam quase inconscientes. Pendurar um paletó para reservar uma cadeira se tornou espontâneo através de hábitos e aprendizagem social. A observação de cada uma dessas interações cotidianas revela detalhes sutis sobre como nós relacionamos com o mundo natural e projetado. Esta é a informação e a inspiração chave para o design, e um ótimo ponto de partida para qualquer iniciativa criativa.”

O livro publicado pela Chronicle Books não tem versão brasileira mas pode ser encontrado nas grandes lojas on-line internacionais. O site oficial é uma oportunidade de conhecer melhor o livro e também possui uma seção dedicada a fotos enviadas por leitores com suas próprias observações.

Um ensaio no final do livro nos ensina a perceber melhor essas ações inconscientes gerando a oportunidade de enchermos os olhos com fascinação.

Páginas:«1...1112131415161718