Visualizando posts com a tag " aquecimento global"

Aquecimento Global e a Inteligência das Multidões

nov 28, 2006   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  2 Comentários

An Inconvenient TruthInteligência das multidões. Este é um lindo tema (que ainda não é tão piegas como “Globalização”) que abre um leque de opções e oportunidades de negócio e crescimento… e já to cortando o papo aqui mesmo, vamos focar no bem da humanidade.

Recentemente o Google abriu o resultado de uma campanha em conjunto com a Global Schoolnet, essa campanha (capa da USA Today de hoje, 27 de Novembro) foi um grande brainstorming de crianças estudantes de todo o mundo em busca de uma solução para o Aquecimento Global.

Vejam as 50 idéias escolhidas e pensem no que uma ação conjunta é capaz.

Nota do Google Blogoscoped:
No último dia 21 foi lançado em DVD An Inconvenient Truth um documentário sobre uma campanha do Al Gore para que o problema do Aquecimento seja reconhecido mundialmente.
Como a própria nota disse, quantos dias teremos até a mudança deste título-mal-escolhido?

Mais umbigos…

jul 24, 2006   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  4 Comentários

Confirmando minha teoria de todo mundo escreve ninguém lê… quando eu disse “Blogueiros são egoístas? Talvez…

Antes elogiados como os pioneiros do jornalismo cidadão, os “bloggers” (autores de blogs) são atualmente cronistas auto-referentes interessados em um único tema: eles mesmos, segundo uma pesquisa feita pelo centro de pesquisas americano Pew Research Center.

Alias, o Pew Research Center é todo engajado em questões políticas americanas, de aquecimento global, e ligadas à presença de conflitos no oriente médio. Mais interessante ainda é ver os resultados baseados na opinião dos próprios americanos.

Leia o restante da matéria acima na Folha de S.Paulo

As 10 piores corporações de 2005

mar 22, 2006   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  2 Comentários

Multinational Monitor (c) multinationalmonitor.orgDemorou para publicar online, mas a Multinational Monitor colocou esta semana o seu ranking das 10 piores empresas de 2005.

Vale lembrar que o ranking é elaborado através da soma de pontos de empresas que enganam a opinião pública, contaminam o meio ambiente, abusam dos trabalhadores ou desvalorizam a cultura. Uma empresa do ano anterior não pode aparecer de novo na lista.

Os nomes estão em ordem alfabética.

  • BP – Companhia de Energia (Gás e Petróleo)
    Crimes dentro da companhia. Mortes e ferimentos de funcionários em explosão no Texas.
     
  • DELPHI – Fábrica de auto-peças
    Diminuição dos salários na beira da falência e favorecimento de executivos.
     
  • DUPONT – Indústria Química
    Embalagem tóxica para comida. Veneno no sague de 95% dos americanos.
     
  • EXXONMOBIL – Produtora e distribuidora de petróleo
    Estudos contra a teoria do aquecimento global por culpa dos gases de combustão.
     
  • FORD – Fábrica de automóveis
    Demagogia para encobrir poluição com resíduos de tintas.
     
  • HALLIBURTON – Provedora de serviços e produtos para a indústria do petróleo
    Vários problemas relacionados com poluição e corrupção, em conjunto com serviços prestados ao governo americano, iraniano e iraquiano, e ao exército.
     
  • KPMG – Auditoria e Consultoria
    Atividade ilícita gigantesca encoberta com multas e acordos
     
  • ROCHE – Fabricante de medicamentos
    Egoísmo monopolista do remédio contra gripe aviária
     
  • SUEZ – Provedora de serviços de utilidade pública (água, gás, eletricidade, etc.)
    Lucros a todo custo em cima do direito a água potável de todo ser humano.
     
  • W.R. GRACE – Indústria química e de materiais
    Problemas de mortes e intoxicações pelo amianto.

Vale a pena lembrar de algumas maracutaias das empresas brasileiras em 2005 também.

Sem falar de outros vários problemas da VARIG, VASP, BRASIL TELECOM, entre outras.

Veja também: As 10 piores corporações de 2004

Dois fatos da humanidade para se pensar

mar 7, 2006   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  1 Comentário

(c) tagspage.comFato 1

Seth Godin apresentou uma sugestão de marketing sobre o uso correto de denominações para produtos ou serviços, abordando o aquecimento global.

O nome “Aquecimento Global“, que representa o problema que a humanidade está enfrentando, está errado sob a óptica do impacto que queremos dar nos nossos ouvintes ou telespectadores.

Aquecimento é bom.
Global é bom.

Como Aquecimento Global pode ser mau?

E se usássemos “Câncer Atmosférico” ou “Poluição da Morte”? Será que conseguiríamos conscientizar mais pessoas?

Fato 2

Você já se deu conta do quanto dependemos da energia elétrica? Você já ficou um dia inteiro sem energia elétrica disponível?

Ela é indispensável quando temos, e dolorida quando falta.

Saiu ontem na Folha de São Paulo que 1/3 da população mundial não tem acesso à energia elétrica.

Esfregue os olhos e olhe de novo. Sim! Está escrito 1/3 da população, ou 2 bilhões de pessoas. Sendo 1 bilhão somente na áfrica segundo dados do Conselho Mundial de Energia.

Assustador

Real

Triste

Se você gosta de fatos e estatísticas sobre quaisquer assuntos (aleatórios e algumas vezes estúpidos), recomendo o Gullible Info. Lá você pode descobrir, por exemplo, que um curriculum vitae comum contém em média 2,54 erros gramaticais, e assim por diante…

Instintos (des)humanos

set 19, 2005   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  3 Comentários

(c) yotophoto.comAlguns dias atras eu estava falando sobre uma série da BBC sobre instintos. Ela aborda 4 instintos ditos básicos: Desejo, Sobrevivência, Competição e Proteção.

Incluo na lista mais dois instintos que não existem um sem o outro:

Ganância e Egoísmo

Nós temos o instinto do egoísmo porque queremos manter a nossa sobrevivência e satisfazer nossos desejos com proteção contra males externos. E temos ganância para que durante a competição possamos ser os melhores da espécie, ou melhor, sermos os mais poderosos e ricos.

“O ser humano nunca está satisfeito” – Não sei quem falou, mas eu falo aqui. NUNCA.

E na busca por esse bem estar maior ignoramos diversos aspectos que CONDIZEM TOTALMENTE com a nossa própria sobrevivência, ou no mínimo, nosso bem estar efêmero. Falta de visão.

Vamos aos exemplos:

O aquecimento global por conseqüência da exploração do homem. Sim, eu sei que é um assunto batido e piegas, mas há vários anos sabemos que o planeta está sofrendo e muito pouco foi feito para reverter o quadro geral. Somos mesquinhos e cegos na busca pelo poder capitalista e deixamos escapar o futuro da nossa própria espécie. Culpa da ganância e egoísmo!

Os políticos, salvo poucas excessões (ou nenhuma), são ladrões gananciosos e egoístas. Alí existe o aproveitamento de uma falha do Brasil: a Impunidade… Quando nós humanos podemos fazer atos que não são punidos, nós viramos bichos (roubamos o dinheiro público, saqueamos lojas no meio de um furacão e tiramos proveito da inocência). No fundo todos somos egoístas e gananciosos!

O trânsito está sempre cheio de gananciosos e egoístas. Vivo em São Paulo e convivemos com isso. Mais do que conviver, nós nos transformamos. Hoje pensei, em uma entrada à direita para sair da marginal naquelas pessoas que saem para a pista da esquerda porque está andando e lá na frente dão seta pra direita e formam confusão. Brasileiro adora fila alguem pode dizer, mas no trânsito adora chegar antes. Egoístas e gananciosos!

O reverso dessa moeda é benéfico para todo mundo. Sem agressão ao meio-ambiente a raça sobreviverá mais. Sem roubos na política os beneficiados serão a própria população (incluindo o político!). Sem apressados no trânsito o mesmo iria fluir muito melhor e beneficiar a todos.

Falta de visão. Cegueira. Ignorância.

Ahhh… Como eu gostaria que a ignorância fosse dolorosa

Declaração infeliz

set 6, 2005   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  Nenhum comentário

(c) worldprocessor.com“O meu país virou terceiro mundo”

Essa acima é uma frase infeliz de uma norte-americana. Está na revista Veja dessa semana, na capa da reportagem sobre o furacão Katrina que fez estragos em Nova Orleans. Ao lado da foto de pessoas tentando subir no teto de uma caminhonete.

Fiquei perplexo com a afirmação que associa 100% o desastre ecológico com as precárias condições de vida que vivem muitas pessoas dos países em desenvolvimento.

E vejam bem, eu disse “países em desenvolvimento” porque nem a expressão “terceiro mundo” é mais usada por ser antiga (blocos da guerra-fria) e também por ser politicamente incorreta e não mais adotada na geografia.

Concluimos: Ela foi ignorante duas vezes.

Ah! Como eu gostaria que a ignorância doesse.

Na primeira pelo termo terceiro mundo, e na segunda por associar um evento meteorológico com as nossas condições de vida. Evento esse que além de acontecer provavelmente por causa do aquecimento global do último século, tem como um dos maiores provocadores o próprio Estados Unidos que são de longe os maiores emissores de gases poluentes na atmosfera.

Ignorante duas vezes e culpada ao mesmo tempo… ou ingênua…

Ingênua.

Assim sendo, quero separar e deixar bem claro dois aspectos que podem contribuir para essa associação na mente conturbada da nossa amiga americana:

A ignorância que os estrangeiros têm sobre os nossos países.

E aqui nesse caso fica o exemplo do Brasil, que em matéria de desastre natural é inexperiente pois não temos nenhum único evento no gênero e grau. Somos um país sem terremoto, vulcão, maremotos e furacões gigantes. Nenhum evento devastador exceto a fome, a pobreza e miséria (que não são ambientais).

Geralmente os estrangeiros demonstram extremo desconhecimento da nossa cultura, maneira de vida, aspectos ambientais, inteligência, criatividade.

Lembro uma vez no exterior um rapaz me perguntando se aqui no Brasil existia baralho. Meu amigo brasileiro respondeu no ato: temos… só que no Brasil, ao invés da figura do Rei nas cartas nós temos a foto do Pelé… Rachei de rir.

Ou quando me perguntaram se aqui no Brasil era verdade que a polícia andava com leões nas ruas para combater os ladrões. Respondi que sim, e que além do ladrão, o leão costumava comer o policial também quando estava com fome.

(c) worldprocessor.comA aquisição dessa ignorância por nossa própria culpa.

É verdade. Basta olhar que tipo de notícias brasileiras passam no exterior. Não só brasileiras, mas dos outros países em desenvolvimento também.

No nosso caso são: Humilhação da mulher brasileira na analogia sexual de prostituição e submissão, Desgraça alheia e corrupção, mais desgraça e acidentes sócio-econômicos e, finalizando, o Carnaval.

Exportamos os nossos próprios problemas. Divulgamos o turismo sexual. Ficamos parecendo “coitadinhos” perante os olhos do mundo.

Não podemos negar a nossa realidade, mas olhem o lado dos pesquisadores científicos brasileiros de destaque, da qualidade de ensino das nossas universidades (menos na verba destinada à pesquisa), da inteligência de nossos executivos, da criatividade do povo na busca pela sobrevivência, nosso empreendedorismo, nossa hospitalidade, nosso bom humor, isso sem falar nos aspectos ambientais.

Pensem nisso.

Fonte das imagens: World Processor. Página com mais de 300 variações na maneira de ver o mundo. Na primeira foto “Condições Locais” e na segunda foto “Guia Compreensivo ao Mundo”.