Visualizando posts em "Comportamento"

Blogueiro brasileiro morre de infarto?

abr 8, 2008   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  Nenhum comentário

O IDG Now reporta: “New York Times destaca casos de blogueiros que sofreram infarto e relata os males do trabalho 24 horas por dia, sem interrupção. A atividade de blogueiro começa mostrar sinais que podem enquadrá-la na categoria de “profissões de risco”, confome mostra uma reportagem do New York Times.”

1 – Galera, pega leve na blogosfera. Tem gente parando de trabalhar durante o dia (como eu nesse momento) para postar alguma coisa. 1 vez ao dia não faz mal, mas tudo em exagero faz mal. Mas, no fundo, algo me diz que brasileiros, mesmo quando 100% dedicados como blogueiros, dificilmente vão se estressar tanto como os americanos.

2 – A morte é uma das únicas certezas nessa vida. Se blogar é algo que realmente o deixa feliz, morra blogando, mas morra feliz. Se você quer viver mais ou blog é seu meio de vida porém não traz felicidade, reveja seus conceitos e estabeleça margens entre trabalho (blog), vida social e entretenimento off-line.

3 – Blog é blog. Está em pauta, todo mundo fala nisso hoje em dia. Porém, se a reportagem mostrou só 2 blogueiros que falerecam de infarto em uma blogsfera de mais de 150 milhões de blogs, acho que estamos indo bem.

4 – Acho que não levo reportagens muito a sério porque na maioria delas sinto que existe muita generalização de conceitos e não fatos comprovados e empíricos atingindo larga escala de diferentes aspectos do assunto em questão. Talvez eu esteja redondamente enganado, mas ceticismo (ainda quando tenho uma religião) é uma palavra que me agrada muito. Mas já fugi completamente do assunto o qual comecei essa discussão. That’s what blogging is about!

CONVERSAS! – não meras fontes de notícias

mar 27, 2008   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  1 Comentário

Vi hoje na Folha de S.Paulo a matéria “Jornal domina noticiário na internet e ganha leitor” divulgando os resultados de um relatório americano chamado “The State of the News Media 2008“. Sempre afirmei aqui que temos que ver pesquisas ou notícias de forma neutra e com a vigilância epistêmica ativada. O exercício é contra-argumentar. Dois fatos chamaram minha atenção no resultado da pesquisa os quais eu discordo de ambos categoricamente:

Os dez principais sites de notícias, em sua maior parte de marcas tradicionais, estão mais para uma oligarquia do que para a democratização via internet prevista por obras como “A Cauda Longa”

Na lista de fontes importantes (confiáveis) de notícias, os blogs apareceram no final. 30% dos americanos consideram blogs fontes confiáveis de notícias. Outros são sites de notícias (81%), televisão (78%), rádio (73%), jornais (69%), amigos e vizinhos (39%) e revistas (38%)

Primeiramente não entendo porque o blog foi tratado como fonte de notícias quando seu propósito é ser uma ferramenta de conversação. Tenho clara em minha mente essa diferença. Depois, mesmo os websites tradicionais que fazem parte do “clubinho dos 10″ citados acima, se beneficiaram do aumento da audiência por conta da democratização da internet, tanto em número de leitores como em feedbacks com maior qualidade e quantidade do público leitor – os blogueiros linkam notícias também. Então por quê ser separatista no uso do termo oligarquia versus democratização? Não são os blogs ferramentas acessíveis a todos que querem se expressar, e não é a internet o melhor meio para ser ouvido, mesmo que sejam por poucos?

Pensar é fácil… difícil é demonstrar que sabe…

mar 11, 2008   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  2 Comentários

comunicacao.jpgSe você é o maior especialista do mundo em um determinado assunto, você pode ser requisitado em diversas partes por seu conhecimento. Supondo que você só falasse português e que não haveria nenhum intérprete disponível no local requisitor, o que resta de você?

Nada, é a resposta.

A gente pode passar a vida toda acumulando conhecimento, experiência, técnicas ou macetes, mas se não formos capazes de passar o recado pra frente, não conseguimos nos firmar perante empregos, desafios e indagações do cotidiano humano.

Daí a importância de uma segunda língua ou habilidades de comunicação interpessoal ligadas ou não à fala. Conhecimento e raciocínio são os combustíveis e a comunicação é a faísca para movimentar o motor da vida.

Tudo o que falei é óbvio, mas não custa manter esse pensamento funcionando no segundo plano da sua cabeça.

Pirataria no Brasil

fev 21, 2008   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  2 Comentários

Em tempos que o primeiro internauta Brasileiro foi condenado por pirataria de músicas, eu convido meus leitores a refletir sobre o assunto visitando um antigo post que publiquei há mais de dois anos atrás.

Vento na cabeça

fev 18, 2008   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  1 Comentário

Voltando ao post de Junho de 2005, “Quanto mais sei, menos sei“, resgato a frase abaixo:

“Em 1750, o conhecimento da humanidade, desde o tempo de Cristo, foi duplicado.
Em 1900, esse fenômeno se repetiu.
A seguinte duplicação aconteceu em 1950.
Atualmente, o conhecimento se duplica a cada 5 anos.
No ano de 2020 estima-se que esse conhecimento se duplicará a cada 73 dias.” – James Appleberry

… a quantidade de conhecimento nos leva mais próximo do desconhecido… mas, além disso…

O que estou percebendo é que quanto mais informação a ser absorvida em curtos espaços de tempo, mais bloqueada nossa cabeça fica. É como se tivéssemos vento dentro dela. Nenhum pensamento brota porque as sementes estão todas voando.

Se tivesse dons matemáticos poderia delirantemente equacionar a “quantidade de desconhecimento” em função do “peso da informação” na razão da “velocidade de aderência”. Mas prefiro curto e grosseiramente dizer que mente acelerada não leva a (quase) nada.

O mundo é uma cópia…

fev 11, 2008   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  1 Comentário

Imperdível…

Dê uma olhadela nos 13 produtos falsificados (que são comercializados abertamente em lojas comuns e supermercados pelo mundo) que foram campeões do Plagiarism Award 2008. Com destaque na reportagem da BusinessWeek para a frase: “nem todos os campeões são chineses“.

Onde estão os direitos autorais desse povo? Como controlar a incontrolável cópia? Questão de sobrevivência?

Dormir ajuda "resetar" o cérebro

jan 21, 2008   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  3 Comentários

homepagepic.jpgÉ possível dormir menos e manter o ritmo de trabalho diariamente?

Recentemente li em alguma revista uma reportagem com presidentes de diversas empresas. A grande maioria dormia pouquíssimas horas por noite, chegando em até 4 horas por noite, mantendo a disposição para o trabalho no dia seguinte. Seria essa situação condicionável ao nosso corpo? É uma questão de treino?

Popularmente os cientistas afirmam que o nosso cérebro passa o dia aprendendo e que a noite ele continua trabalhando para fixar melhor o que foi absorvido durante o dia. A habilidade do cérebro de mudar conforme estímulos externos (chamada plasticidade) está no centro do aprendizado e foi o tema para uma pesquisa divulgada ontem.

Nela, os cientistas da Universidade de Wisconsin-Madison anunciaram que o cérebro precisa, na verdade, de sono para descansar e ser capaz de continuar se transformando com as ligações sinápticas no dia seguinte. Em outras palavras, o cérebro cansa, e precisa descansar para trabalhar 100%, e isso pode se dar a qualquer momento durante o dia dependendo da carga de trabalho exigida.

Nosso corpo cansa, os músculos cansam, porque não a cabeça? Mas a pergunta que fica é: teria algumas pessoas a capacidade de descansar esses neurônios mais rápido que outras? Ou devem os executivos pensar seriamente em dormir um pouquinho mais pelo bem geral do seu corpo?

Preciso postar algo no meu blog

jan 17, 2008   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  2 Comentários

Essa frase acima não é meio besta? Se vc somar o “… é que ultimamente ando meio ocupado…” fica mais besta ainda…

Tenho visto vários blogs e blogueiros se incomodando com o fato de que não postaram nada nos últimos dias e estão lamuriando on-line essa ausência. Eu também sou bobo porque já devo ter escrito aqui alguma coisa desse gênero.

Se tanta gente não considera o blog uma ferramenta bacana de comunicação, o que dizer do sentimento compulsório de que TEMOS que postar alguma coisa? Soa estranho para quem não dá a mínima para blogs e até para quem dá a máxima. O blog, além de incutir diversas experiências novas nas nossas vidas, também nos torna escravos. Ficamos presos a essa necessidade “inata” de escrever algo.

Algumas vezes tenho a sensação de que não é necessário se justificar. Apenas faça seu trabalho bem e bem feito.

Natal social via blogs

nov 28, 2007   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  2 Comentários

bs_banner.jpg

O Yassuda me linkou e acabei vendo um post bacana sobre uma campanha de natal filantrópica que partiu de um blogueiro. A cidade de São Paulo já tem sua representante para sugerir e encaminhar benevolências, ela está começando com um BarCamp de solidariedade.

Há dois anos eu mantenho o link na barra ao lado para a ONG Filantropia.org liderada pelo Stephen Kanitz. É legal porque podemos doar dinheiro ou bens para uma lista de 50 entidades brasileiras. E o melhor: sem sair de casa (para os mais acomodados).

Parabéns galera pela iniciativa!

Voltando pra casa…

nov 17, 2007   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  Nenhum comentário

Estou no aeroporto no meio de um atraso de 4 horas no meu voo para SP. Vim aqui num cyber para dividir um sentimento que presenciei em todos os demais passageiros do vôo. Eu estou desencanado, estou de férias e voltando de lua de mel, não tenho com o que me preocupar.

Quando fomos comunicados do atraso ocorreu o seguinte por aqui (caiu como uma luva):

Fases de uma grande perda (ou luto):

1. Choque. A pessoa se sente atordoada ou adormecida

2. Negação ou procura. A pessoa:

  • Fica em estado de incredulidade
  • Faz perguntas do tipo “porque isto aconteceu?” ou “porque eu não evitei isto?”
  • Procura maneiras de manter a pessoa amada ou a perda consigo
  • Pensa ver ou ouvir a pessoa perdida
  • Apenas começa a sentir a realidade do ocorrido

3. Sofrimento e desorganização. A pessoa:

  • Tem sentimentos como culpa, depressão, ansiedade, solidão, medo, hostilidade.
  • Pode culpar qualquer um ou qualquer coisa pelo ocorrido, incluindo a si mesma
  • Pode apresentar sintomas físico como dor de cabeça, dor de estômago, cansaço constante e falta de ar
  • Afasta-se dos contatos sociais e da sua rotina

4. Recuperação e aceitação. A pessoa:

  • Começa a olhar para o futuro em vez de se concentrar no passado.
  • Ajusta-se à realidade da perda
  • Desenvolve novos relacionamentos
  • Desenvolve uma atitude positiva
Páginas:«12345678...18»