Visualizando posts em "Comportamento"

Quem não improvisa não realiza

set 27, 2007   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  1 Comentário

Resgatando o primeiro post desse blog e aquele que explicava os atos instintivos, queria colocar aqui uma foto que tirei no final de semana passado:

prendedor.jpg

Maneiras com as quais interagimos com o meio ambiente onde vivemos:

Adaptando – Nós alteramos o propósito e o contexto das coisas para atingir nossos objetivos

Reagindo – Nós interagimos automaticamente com espaços e objetos que encontramos

Respondendo – Algumas qualidades e características nos fazem se comportar de maneiras peculiares

Sinalizando – Nós transmitimos mensagens e lembretes a nós mesmos e a outras pessoas

Aceitando – Nós aprendemos padrões de comportamento de outras pessoas do nosso grupo social e cultural

Explorando – Nós tiramos vantagens de qualidades físicas e mecânicas que conhecemos

Usando – Nós fazemos uso das oportunidades presentes à nossa volta

Cirque du Soleil, quem aguenta?

set 27, 2007   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  4 Comentários

Será que o Bradesco não cansa de causar spam na TV, revistas, outdoors e mais onde nem sei sobre o Cirque du Soleil?

(De)informação

set 17, 2007   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  1 Comentário

A Internet é um ruído gigantesco e documentado. Antes não tínhamos fonte de pesquisa para contradizer a maior parte das coisas que escutamos todos os dias das mais diversas fontes de informação. Hoje, se quisermos, podemos contestar quase tudo que é noticiado ou discutido em blogs, jornais on-line, portais diversos e assim por diante.

No fundo parece que não existe verdade nem mentira. O caos da informação coloca o mundo em xeque e as pessoas em conflito. É um caos que grita ruídos incompreensíveis aos nossos olhos. Ai de quem não conseguir filtrar esse ruído antes de raciocinar ou filosofar.

Pequena amostra:

Pro bem:
- Celular é inofensivo à saúde
- Antena de celular não prejudica a saúde

Pro mal:
- Radiação do celular prejudica DNA
- Celular prejudica produção de esperma

Nem só de monetização vive o blogueiro

ago 28, 2007   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  1 Comentário

A frase acima é verdadeira e acredito que 100% dos demais blogueiros provavelmente concorda comigo. O problema é que parece que a mídia só percebe isso (ou é isso que ajuda a notícia se vender). Parece que o BlogCamp só discutiu monetização (não sei se isso é verdade porque eu não fui, mas a mídia só está falando disso e do Estadão). E o pior problema é que qualquer um que não conhece blogs acha que a finalidade é somente essa.

Essa semana me perguntaram se eu escrevo um blog para tentar ganhar dinheiro. No fundo eu diria que sim, mas por meio de relacionamentos e geração de oportunidades de negócio porque afinal de contas eu escrevi um livro por causa deles (os blogs). Não pelo uso de ferramentas X ou Y ou vendendo a minha capacidade de liderar, influenciar ou atrair leitores para terceiros.

Não sou contra a profissão blogueiro, mas acho que tem muita gente gerando informação desnecessária poluindo (e isso já se é sabido há bastante tempo) a internet.

O leque blog é amplo e dentro dele existem diversos nichos de atuação. Sei lá, só quis escrever isso para o caso de algum marinheiro de primeira viagem passe por aqui.

Trazendo o "eu" pra dentro de si mesmo

ago 14, 2007   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  1 Comentário

Em tempos que dizer que ser blogueiro é ter um egão (grande ego), e que afirmações milenares de um post perdido no tempo demostra a atemporalidade do conceito, venho transcrever a definição de EGOÍSTA segundo o Dicionário do Diabo (de Ambrose Bierce):

EGOÍSTA:

- (1), s. Pessoa de mau gosto, mais interessada em si própria do que em mim.
- (2), adj. Pessoa sem consideração pelo egoísmo dos outros.

Hype social

ago 13, 2007   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  3 Comentários

Hoje li em algum blog que o que está hype no momento (no Brasil) é o Twitter . Um website consumidor de tempo que está na “boca do povo” e que permite trocar gentilezas instantâneas afim de aumentar a popularidade do seu autor mais rápido que um blog. Imagina quando monetizar…

Por mais que a gíria hype signifique badalado, eu prefiro classificá-la como diminutivo de hipérbole, um exagero na expressão da idéia. Mas não vim pra falar mal do Twitter nem de quem o utiliza. Vamos deixar o hype-1 e o hype-2 na manga.

Na verdade quero justificar, usando a teoria do livro Átomo Social , porque o hype-1 existe e se espalha rapidamente.

Sem contar o livro todo. Nós podemos ser classificados como átomos e a grosso modo seguimos padrões. Como átomos imersos na sociedade nós somos:

- adaptáveis
- imitadores
- cooperativos

Este exemplo não tem no livro, mas eu acho bacana: a “ola” nos estádios. Como ela acontece? Por que ela se propaga? Resposta: olhe as três características do átomo. Para entender mais a fundo, leia o livro.

O hype-1 se torna hype-1 porque somos átomos sociais.

O hype-2 é parte da essência poética que nos habita. É dizer que a web 2.0 brasileira já copiou um milhão de sites da web 2.0 americana.

Brasileiro é criativo ou medroso (só copia o que deu certo)? No fundo estou sendo egoísta. Tem espaço pra muita imitação no Brasil pois tem muuuita gente online e crescendo. E imitação é coisa antiga. É tão antiga que é da época que as pessoas tinham 3 dedos. Alémdomais precisamos de localização para certas aplicações.

Se você acha o Twitter legal, porque não tenta o brasileiro Gozub? (eita nominho feio). Mais um serviço original em português.

Conseqüências inesperadas

ago 7, 2007   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  2 Comentários

vtgorillacar.jpgA lei das conseqüências inesperadas defende que as ações tomadas pelas pessoas ou governo sempre causam efeitos inesperados ou acidentais (pro bem ou pro mal). A wikipedia classifica três tipos de conseqüências inesperadas:

- a que gera benefício positivo inesperado, ou serendipidade;
- a que gera uma fonte de problemas (pode ser ligada à lei de Murphy);
- a que gera um efeito negativo ou oposto ao esperado.

A mão invisível do Adam Smith pode ser descrita como uma conseqüência inesperada positiva. Uma negativa poderia ser o caso do vídeo da Cicarelli. Ao tentar retirar e censurá-lo na internet o vídeo se espalhou de forma ainda mais rápida, ampla e viral. O termo para esse caso específico é denominado Streisand effect.

Para uma fonte de problemas eu fiz uma analogia entre um caso real antigo e um recente.

O caso antigo é o do estado de Vermont nos Estados Unidos. Em 1968 seus governantes proibiram outdoors nas estradas pois eles prejudicavam a vista dos passantes e impedia-os de ver as paisagens naturais. Conseqüentemente, os comerciantes começaram a construir esculturas bizarras gigantes para fazer a sua propaganda.

O caso recente é o da prefeitura de São Paulo, que ao sancionar a lei Cidade Limpa despoluiu o visual e a quantidade de informação, mas revelou fachadas imundas e feias.

A moda é rápida e confusa

jul 24, 2007   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  Nenhum comentário

CrocDopieA moda dos Crocs (esquerda) nem chegou aqui no Brasil direito (promete crescer porque algumas celebridades já usam e a sandália saiu na Veja dessa semana) e já tem um concorrente que parece ser muito melhor no mercado. O Dopie (esquerda) que deixa os pés ainda mais pelados que o concorrente anterior.

A tendência imitativa é criar uma nova fatia no mercado dos calçados extra-confortáveis (um novo oceano azul ). O problema é sempre nosso, consumidores, que somos inundados de opções e escolhas, o que torna nossa vida ainda mais confusa.

Matou a pau!

jul 23, 2007   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  1 Comentário

No momento da maiêutica atual, dentro da busca pelo problogger ideal, conceitos e discussões sobre monetização (para gerar mais monetização), que caminhos tomar? Como desempenhar? Existe sempre uma resposta: Falar de blogs no seu blog é quente, porque blogueiros são o que são.

Seth Godin postou (sobre se o seu blog é legal ou não):

“O erro que a maioria dos blogs cometem é: eles são sobre seus autores, não sobre os seus leitores.”

O Fabio e o Carlos estão discutindo o tema no momento. A blogosfera está lotada de gente oportunista que quer ganhar dinheirinho. Portanto atrair leitores é falar de blogar, de ganhar dinheiro. Assim estamos todos sendo “escritores para leitores” dentro da linha apresentada logo acima.

Pessoal, vamos falar sério: Dinheiro fácil não existe!

Dinheiro pode vir rápido. Isso é diferente e recompensa uma tacada de sucesso (a qual demanda neurônios criativos). Mas fácil… esse eu não conheço.

Se você espera ficar rico com blogs, saiba que serão poucos (os pioneiros?). Como tudo na vida, não existe vaga pra todos. Aplique (foque) seus hormônios capitalistas impulsivos em algo mais produtivo: Estude, empreenda, trabalhe duro e nunca pare de se desenvolver. Se os passos anteriores são voltados ao probloguerismo, boa sorte.

A arte imita a vida e a vida imita o resto

jul 11, 2007   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  1 Comentário

É irritante ver a mesmice nas coisas que nos circundam no dia-a-dia. Por exemplo: aqui em SP começou a circular, há algumas semanas, um jornal gratuito chamado Metro, uma marca que circula em outras cidades do mundo também. Pois hoje de manhã, quando estava vindo trabalhar vi um concorrente disputando espaço com o Metro, era o Destak, que é mais velho que o Metro, tendo já um ano de vida.

Jornais gratuitos em semáforos e cruzamentos não é novidade, mas em menos de 2 meses eu vi dois que operam de forma similar: o carrinho que leva os jornais, o uniforme dos distribuidores, entre outros detalhes.

A Apple anuncia seu iPhone no começo do ano e uma avalanche de empresas lançam aparelhos com conceitos semelhantes (e até design semelhantes). Nem quero falar do iPod.

O recorde de bullshitagens e de vendas “O Segredo” já ganhou faz tempo as suas variantes e “pseudópodos” – Além do segredo, O segredo revelado, filmes, etc. – Novamente nem quero falar da onda oportunística gerada pelo Harry Potter ou Código Da Vinci .

Ganhar dinheiro com produtos derivados dos seus originais é correto? “Como assim?” – alguém pode perguntar – “ganhar dinheiro (honestamente) é sempre válido”. Mas que mérito isso tem?

Refletindo de outra forma: Sua empresa quer ser lembrada pela INOVAÇÃO ou pela IMITAÇÃO? Os dois dão dinheiro, mas qual é mais nobre? Vou além… por acaso é possível, hoje, criar algo que não seja imitação ou variação de outro?

Segundo Louis Pauwels e Jacques Bergier, autores do “O Despertar dos Mágicos“, existe uma infinidade de conhecimento que jamais iremos acessar graças a acidentes (incendios por exemplo) e eliminação proposital de obras antigas.

Um exemplo de conhecimento “à frente do tempo” poderia ser o do Leonardo Da Vinci. Ele era apenas um visionário com idéias malucas ou foi um dos primeiros a pensar em um helicóptero?

Se imitar é inevitável, como se vender para seus clientes como uma empresa inovadora? Se é isso que você deseja, inove no tratamento e relacionamento com eles: Nem sempre a inovação está no produto.

Inove na maneira de administrar: Processos, metodologias, pessoas ou tecnologia são apenas algumas áreas com potencial de mudança.

Para o bem da humanidade, não vamos ser mais dos mesmos.

Páginas:«12345678910...18»