Visualizando posts com a tag " marca"

Hora de repensar a publicidade televisiva

out 2, 2007   //   por Serendipidade   //   Marketing / Negócios  //  3 Comentários

Firebrand vem aí. Tem quem ache que vai pro saco e quem ache ambicioso. Será um tipo de YouTube mantido por empresas, as quais divulgam seus comerciais no portal.

As empresas precisarão criar comerciais que valem a pena serem postados, tanto para a própria marca quanto pela sobrevivência do novo portal. Será que vai?

EGM – Mídia gerada pelos funcionários

set 23, 2007   //   por Serendipidade   //   Marketing / Negócios  //  Nenhum comentário

O John Moore indicou um artigo do Wall Street Journal que aponta uma nova tendência nas firmas de auditoria americanas: o conteúdo / mídia criado pelo funcionário. A verdadeira intenção é conseguir chamar a atenção de estudantes universitários para compor o corpo de profissionais de uma determinada firma.

Ainda que parando pra pensar, nem houve tempo hábil para que as empresas começasssem explorar melhor o UGC ou UGM (User Generated Content / Media), ou no linguajar da web 2.0: Crowdsourcing.

Depois ele continuou a discussão no seu blog apontando EGMs (Employee Generated Media) relacionados com o Starbucks e com a Deloitte.

Voltando na questão comentada no primeiro parágrafo e relacionada com a Deloitte. Foi lançado um concurso na firma americana convidando os funcionários a criarem vídeos que respondessem a pergunta: “Qual é a sua Deloitte?”. Os 14 melhores vídeos foram escolhidos e estão na página oficial do concurso no YouTube. E ficaram ótimos.

O que os funcionários da sua empresa falariam dela? De que forma uma iniciativa de EGM poderia ser beneficial para sua marca?

Testemunho de uma blogueira recém-contratada

ago 30, 2007   //   por Blog Corporativo   //   Blog Corporativo  //  1 Comentário

Ontem mencionei o mais recente blog corporativo da Natura. Entrei em contato com a sua blogueira, Luciana Soldi Bullara, e perguntei a ela como foi o processo de transformação de “blogueira entusiasta” para “blogueira oficial“. A julgar pelo tamanho da história que ela escreveu, eu a categorizo como “blogueira oficial entusiasta“.

É um ótimo exemplo de como encontrar um blogueiro para sua empresa. Ainda não descobri se rola um salário ou é “advocacia da marca” pura mesmo. Ela recebe um pagamento pelo trabalho.

Sempre gostei muito dos produtos Natura e sempre admirei muito a postura e filosofia da empresa. No ano passado, me deu vontade e resolvi ser Consultora. Com essa aproximação maior que tive com o universo da Natura, passei a admirar mais ainda produtos/empresa, me deu um estalo e achei que o conceito ‘bem estar bem’ poderia render a produção de um conteúdo variado, rico e importante para a nossa realidade de hoje, onde falta qualidade de vida e sobram atitudes que prejudicam nossa vida no planeta. E melhor ainda se eu pudesse usar o poder de um blog para disseminá-lo.

Desde o início (Fev/2007), bloguei com vontade, sem esperar nada, nem audiência, nem reconhecimento. Dizia a mim mesma, em finais de semana ensolarados em frente ao computador, que o tempo despendido em blogar fazia me sentir melhor por fazer algo que agregava, mesmo se o blog não passasse de um repositório de informações legais pra mim mesma, na tentativa fracassada de disseminá-las por aí.

Está certo que o meu conhecimento técnico sobre web e blogs ajudou muito e fez com que o meu blog tenha uma audiência considerável e um ótimo pagerank em ferramentas de busca. Isso de certa forma chamou a atenção da Natura, além do fato de que o meu blog se diferenciava de todos os blogs de outras consultoras Natura por não se focar na venda de produtos e na atividade de consultoria, e sim em conteúdo. Daí, até onde me foi dito pela própria Natura, bastou o meu blog ser citado por um consultor de web contratado por eles como exemplo de blog e eles resolveram entrar em contato comigo com a idéia de um blog para a Campanha Chronos 2007.

O mais legal de tudo é que eu apenas tenho uma limitação de assuntos, pois o tema central do blog da campanha é bem específico. Fora isso, tenho liberdade editorial total para criar os textos e inserir imagens (com cuidado para não infringir direitos autorais, claro) do meu jeito, com o meu toque pessoal, pois uma preocupação grande da Natura era manter o caráter genuíno de uma comunicação de consultora para consultora, sem interferências da empresa neste sentido. Eles queriam um blog feito por uma consultora, e não um canal de comunicação da Natura com suas consultoras. E é assim que a coisa está acontecendo na prática e fico muito feliz por mais uma atitude acertada da Natura.

Coorporativamente falando, a meu ver, temos um ponto muito importante nesta história toda, que só consigo enxergar agora: para a Natura, a Luciana, dona do blog movimento_natura é o que chamamos de uma ‘advogada da marca’, por pleno livre arbítrio e boa vontade e sabe disseminar isso de maneira efetiva pela web. O fato é que agora vejo um momento que pode ser um divisor de águas – o momento em que a marca entra em contato com este ‘advogado da marca’ por quaisquer motivos. Essa interação entre marca e advogado da marca pode ser uma experiência morna, que não altera a percepção da marca para esta pessoa. Pode, por outro lado, ser uma experiência excitante, que eleva a percepção da marca a outro patamar, ou também, pode ser até uma experiência frustrante, o que pode fazer com que qualquer advogado da marca passe do dia para a noite para o lado indesejado.

Com a natureza que a internet possui e as ferramentas facilitadoras aí disponíveis, as experiências frustrantes de advogados de uma marca podem ter um peso muito negativo. Por outro lado, quando a percepção se eleva positivamente, não existe budget corporativo que pague isso. É muito importante um esforço da marca no sentido de manter e sempre melhorar essa percepção.

Pontos positivos e de atenção dos Blogs Corporativos

ago 14, 2007   //   por Blog Corporativo   //   Blog Corporativo  //  3 Comentários

Segundo o ponto de vista de diversos blogueiros corporativos, Marcio Gonçalves e Carolina Terra listaram em seu artigo para a RP em Revista os pontos positivos e negativos de se usar o blog como estratégia de comunicação empresarial.

Eu chamaria a lista de pontos positivos e pontos de atenção dos blogs corporativos. Os batizados “pontos negativos” são perfeitamente contornáveis. O trecho abaixo foi inteiramente retirado do artigo citado acima:

Pontos positivos

  • Abrir um canal de relacionamento com seus stakeholders, principalmente formadores de opinião on-line.
  • Dar uma cara mais “humana” à empresa, se o blog for realmente um blog e não um site corporativo travestido de blog.
  • Ter um canal para feedback da comunidade sobre a empresa e suas ações.
  • Um canal de comunicação da empresa que pode ser facilmente atualizado. Uma fonte confiável de informações da empresa que podem auxiliar seus clientes e fornecedores a entender melhor como ela funciona.
  • Uma forma de conhecer os seus clientes e permitir interação. Receber feedback deles na forma de comentários e até mesmo estabelecer e melhorar o relacionamento a partir desses recursos.
  • É um canal viral. Dessa forma os textos podem ser indicados a outras pessoas e diversos meios podem consultar o blog como uma fonte de referências confiável de uma empresa.
  • Conquistar a confiança do consumidor é, com certeza, o primeiro ponto positivo. Ter um blog é ser transparente e aceitar o diálogo com o consumidor. A internet e a globalização possibilitam que o público acompanhe tudo o que as empresas fazem ou deixam de fazer. Não adianta mais tentar enrolar as pessoas. Qualquer um pode encontrar informações e opiniões no Orkut, YouTube e blogs. O fenômeno blog desafia as tendências tradicionais sobre o controle da comunicação das corporações, mídia, governo e mercado. É um novo campo em que todos podem recomendar ou criticar seu produto ou serviço. De acordo com o Estudo de Confiança da Edelman de 2007, os consumidores acreditam mais em “pessoas comuns” do que em autoridades. Ou seja, o recado está dado: chega de mensagens enlatadas! Os blogs emergiram rapidamente como uma nova tecnologia neste caminho.
  • Outro ponto positivo é que os blogs se tornaram uma fonte de informação com credibilidade, principalmente para jornalistas e formadores de opinião. Blogs de CEOs e funcionários são formas viáveis de comunicação para muitas propostas, como ferramenta de conhecimento interno para aumentar a credibilidade e dividir informação, e devem ser considerados como uma estratégia para comunicação corporativa.
  • Profissionais da área de comunicação devem entender a blogosfera como medidor em tempo real da eficiência da comunicação interna – mais um ponto positivo para os blogs – e engajamento dos funcionários. Embora não seja uma medição tão efetiva quanto uma pesquisa tradicional, serve como dados qualitativos sobre o sentimento do funcionário em relação à empresa – ótima ferramenta para recursos humanos. As empresas precisam considerar que a comunicação olho-no-olho ainda é mais efetiva e que ela refletirá na comunicação virtual, mostrando a felicidade do funcionário que a vê com uma ótima comunicação interna e um bom relacionamento com os executivos.

Pontos de atenção

  • Se a empresa não for realmente preocupada com que diz e faz, pode gerar ainda mais fragilidade e ela poderá ser ainda mais atacada
  • Exige trabalho dedicado e temas/discussões que não apenas interessem mas envolvam a comunidade na discussão.
  • Se o blog for em torno da marca e não de um tema pode gerar desgaste para a empresa. A Tecnisa, construtora de SP, por exemplo, tem um blog muito bom mas ela não fala de si mesma, fala da construção civil.
  • É um meio informal de se comunicar, que não dá a mesma credibilidade que teria, por exemplo, um press release ou até mesmo um jornal fechado com temas específicos.
  • O feedback não é espontâneo e está mais direcionado com o conteúdo dos textos publicados. Uma ferramenta que permite o feedback mais espontâneo é o fórum na internet, recurso que muitos portais adotam cada vez mais em conjunto com o blog corporativo.
  • Não permite resposta ao feedback de forma direcionada. O feedback pode ser feito a partir de textos que comentem o conteúdo dos comentários dos usuários, mas sempre de forma genérica e nunca personalizada.
  • A falta de cultura ainda atrapalha o amadurecimento desta nova ferramenta. Existe muita confusão e medo com relação a blogs e muitas empresas ainda não entenderam o objetivo deste fórum de discussão virtual.
  • Além disso, por trata-se de uma espaço aberto, é preciso tomar cuidado com o que será escrito, já que a informação vale ouro nos tempos atuais. Seus concorrentes podem “roubar” suas idéias ou conceitos.
  • E por último, a falta de compromisso e respeito com os comentários. Não acho que é uma desvantagem, mas sim um risco. Uma vez que você começa um blog, as pessoas esperam diálogo e troca de experiências. Então não vale escrever a cada mês ou 45 dias. É preciso ter empenho e saber receber sugestões e, talvez, até críticas.

Brasil Digital – o novo Blog da Intel Brasil

ago 7, 2007   //   por Blog Corporativo   //   Blog Corporativo  //  Nenhum comentário

blogintel.jpgConforme comentei em muitas das minhas entrevistas, aqui no blog e no capítulo de conclusão do meu livro, a adoção de blogs corporativos por grandes empresas (maioria multinacionais) no Brasil está acontecendo porque suas matrizes já possuem blogs corporativos. Sem dúvida eu acredito ser esta a ordem natural da evolução na comunicação empresarial no contexto da web 2.0.

Agora é a vez da Intel Brasil, que lançou no início de agosto o blog Brasil Digital. Escrito por 7 executivos da empresa, o blog propõe ser um canal aberto para debates e discussões estimulantes e construtivos. Além, é claro, de posicionar seus autores como formadores de opinião perante o mercado, um benefício dos blogs corporativos já comentado aqui no blog:

Este blog apresenta os artigos e opiniões de gerentes da Intel do Brasil reconhecidos como experts em suas respectivas áreas.

No “Sobre este blog” a empresa explica de forma clara as normas de como utilizará o blog. Recomendo a leitura dessas normas para conhecer um pouco mais sobre como a empresa está se posicionando por meio do blog e dos 7 diferentes rostos que agora representam a marca Intel no Brasil.

Confira o Blog Corporativo Wiki para conhecer outras empresas blogueiras.

A arte imita a vida e a vida imita o resto

jul 11, 2007   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  1 Comentário

É irritante ver a mesmice nas coisas que nos circundam no dia-a-dia. Por exemplo: aqui em SP começou a circular, há algumas semanas, um jornal gratuito chamado Metro, uma marca que circula em outras cidades do mundo também. Pois hoje de manhã, quando estava vindo trabalhar vi um concorrente disputando espaço com o Metro, era o Destak, que é mais velho que o Metro, tendo já um ano de vida.

Jornais gratuitos em semáforos e cruzamentos não é novidade, mas em menos de 2 meses eu vi dois que operam de forma similar: o carrinho que leva os jornais, o uniforme dos distribuidores, entre outros detalhes.

A Apple anuncia seu iPhone no começo do ano e uma avalanche de empresas lançam aparelhos com conceitos semelhantes (e até design semelhantes). Nem quero falar do iPod.

O recorde de bullshitagens e de vendas “O Segredo” já ganhou faz tempo as suas variantes e “pseudópodos” – Além do segredo, O segredo revelado, filmes, etc. – Novamente nem quero falar da onda oportunística gerada pelo Harry Potter ou Código Da Vinci .

Ganhar dinheiro com produtos derivados dos seus originais é correto? “Como assim?” – alguém pode perguntar – “ganhar dinheiro (honestamente) é sempre válido”. Mas que mérito isso tem?

Refletindo de outra forma: Sua empresa quer ser lembrada pela INOVAÇÃO ou pela IMITAÇÃO? Os dois dão dinheiro, mas qual é mais nobre? Vou além… por acaso é possível, hoje, criar algo que não seja imitação ou variação de outro?

Segundo Louis Pauwels e Jacques Bergier, autores do “O Despertar dos Mágicos“, existe uma infinidade de conhecimento que jamais iremos acessar graças a acidentes (incendios por exemplo) e eliminação proposital de obras antigas.

Um exemplo de conhecimento “à frente do tempo” poderia ser o do Leonardo Da Vinci. Ele era apenas um visionário com idéias malucas ou foi um dos primeiros a pensar em um helicóptero?

Se imitar é inevitável, como se vender para seus clientes como uma empresa inovadora? Se é isso que você deseja, inove no tratamento e relacionamento com eles: Nem sempre a inovação está no produto.

Inove na maneira de administrar: Processos, metodologias, pessoas ou tecnologia são apenas algumas áreas com potencial de mudança.

Para o bem da humanidade, não vamos ser mais dos mesmos.

Brand Management é outra coisa

jul 5, 2007   //   por Blog Corporativo   //   Blog Corporativo  //  5 Comentários

Muito linda toda essa movimentação migratória para dentro do Second Life, toda marca que se preza está botando um pé lá dentro. Como? Do jeito que sempre fez: Propaganda e exibição da marca e seus produtos. Um belo show-room e só.

Aí eu paro e penso. O que isso tem de diferente do que já é feito no mundo real?

Não vi nenhuma empresa falar que vai, pelo Second Life, estabelecer um canal de customer service inovador ou mesmo criar um ambiente inovador e que produza interação. Ninguém quer se expor demais ou dar algo realmente palpável para potenciais e atuais clientes.

A onda de blogs corporativos foi bem mais tímida que a do Second Life. Lógico. Second Life é muito mais revolucionário, porém o blog é muito mais desafiador. O blog demanda mais tempo, cuidado e transparência!

As empresas, menos aquelas que nem sabem o que é um blog corporativo, têm medo de blogar, têm pavor de se tornarem transparentes. Parece que existe uma premissa de que é proibido ou pecado tratar bem um cliente, dar-lhe atenção e bônus.

LUCRO! – A palavra de ordem das empresas é hoje alcançada por esforços cegos de CORTE NOS CUSTOS. E nós, clientes TOMAMOS. Esse paradigma deve mudar, ninguém trabalha hoje (por preguiça?) para aumentar a PRODUTIVIDADE, ou mesmo a EFICIÊNCIA, ou quem sabe até mesmo trabalhar para INOVAR. O está acontecendo?

Se entregar para comunidades virtuais, confiar o desenvolvimento de produtos aos clientes, ser viral. A BusinessWeek dessa semana estava falando disso quando contou a história da juventude que mudou de vez o way of life nos negócios.

Uma resistência ao 2.0 sem nexo e que fez com que a onda Second Life e esses eventos cheio de gringos tenham peso significativo, mas que podem desviar o caminho. Falando nisso, o John Batelle vai estar num desses eventos, parece coisa de primeiro mundo, mas gente, nós estamos atrasados!

(c) Business Week

Imagem da BusinessWeek.

Qual é o novo paradigma?

jun 29, 2007   //   por Serendipidade   //   Marketing / Negócios  //  3 Comentários

Todo ano é marcado por alguma coisa relevante. Para 2006 eu não saberia escolher o melhor exemplo de destaque, teve o “pequeno” dominando a eletrônica, teve “blogs“, teve “web 2.0“, teve “comunidade” e muitos outros.

O termo Crowdsourcing (não consigo produzir um neologismo em português) já é antigo, mas o conceito, que poderia facilmente ter sido um destaque de 2006, só deve se consolidar com força no Brasil este ano. O Estadão já possui desde o ano passado um serviço chamado FotoReporter, onde leitores enviam fotos via celular ou email para a redação do jornal. E hoje a concorrente Folha de S.Paulo anunciou um serviço parecido para envio de notícias + fotos.

Dentro do tema vídeos online, o YouTube lançou sua plataforma em português. YouTube é paradigma da década provavelmente, mas a onda de serviços web 2.0 também está começando a alavancar no Brasil. O WeShow é o exemplo mais recente.

SecondLife também é onda de 2006, mas as empresas (que saco!) não sossegam de querer abrir sua filial lá dentro. Iniciativas que provavelmente vão morrer em seguida, mas o que vale é o buzz.

Por último, e não menos importante, temos o “paradigma do toque“. Ainda quando o nome possa remeter a outros entendimentos, tem tudo haver com o novo (e já imitado) telefone da Apple.

Alguém arriscaria chutar o que vem por aí em 2007 no Brasil ou no mundo?

Brandpop de volta!

jun 18, 2007   //   por Serendipidade   //   Serendipidade  //  Nenhum comentário

Após alguns meses sem funcionar, finalmente tomei vergonha na cara e arrumei a página de comparações de marcas via technorati.

Caso você ainda não conheça, entre aqui e pesquise duas marcas de qualquer produto que você desejar.

Você é a sua marca

jun 13, 2007   //   por Serendipidade   //   Marketing / Negócios  //  1 Comentário

Sua marca é tudo. Não pense que só porque a sua empresa não é uma Nike ou uma Coca-Cola que você não tem uma marca. Você é a marca.

- Você transfere um cliente 4 vezes a 4 diferentes departamentos e ele nunca consegue resolver seus problemas. Esta é sua marca.
- Você cobra dos seus clientes algo que eles achavam que estava incluso no preço original. Esta é sua marca.
- Você repõe um produto defeituoso mas ninguém pede desculpas ao cliente pelos transtornos. Esta é sua marca.
- Você coloca um cliente esperando no telefone por mais de um minuto. Esta é sua marca.
- Seu website é confuso e difícil de navegar. Esta é sua marca.
- Um cliente fiel por muitos anos entra na sua loja e ninguém o recebe pelo nome. Esta é sua marca.

Páginas:«12345678»