Visualizando posts com a tag " Serendipidade"

Doce serendipidade…

abr 18, 2006   //   por Serendipidade   //   Serendipidade  //  2 Comentários

(c) yotophoto.comEstava lá no Terra Notícias agora pouco:

“O americano Lance Nesta encontrou esta semana um bolo no sótão da casa de sua mãe, em Waukasha, Estado de Wisconsin, que foi preparado há 44 anos. O doce permanecia ainda na mesma lata e coberto com um papel. “Estou impressionado que ainda não mudou nada”, contou.”

Então porque não comeu?

Serendipidade maior seria se ele tivesse comido e descoberto depois…

Navel gazer

abr 6, 2006   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  6 Comentários

Tirei essa foto abaixo em um final de semana aqui em São Paulo. Veja a foto e volte aqui. O que mais me intriga é pensar em duas questões relevantes:

1 – Ao ver um aviso desse tipo você se sente sensibilizado a ponto de não encostar naquela calçada?
Pela foto responderemos não a essa questão.

2 – De que adianta o autor do aviso transparecer tamanha agressividade na mensagem?
E aqui responderemos que não adiantou nada.

Se houvesse respeito mútuo na civilização, não haveria necessidade de ser agressivo de um lado ou ser desrespeitoso do outro.

O problema é que quando não estamos dançando numa balada, ou dando risadas com amigos numa mesa de bar, nós estamos fechados em nosso mundinho egoísta e nos preocupamos somente com nosso umbigo.

No trânsito viramos monstros, em filas parecemos bichos e quando existe a possibilidade de ganhar um pouco mais, somos oportunistas.

E é por muito disso que tudo o que é mau nesse mundo acontece…

(c) serendipidade.com

Cerveja nas torneiras de casa

mar 15, 2006   //   por Serendipidade   //   Serendipidade  //  2 Comentários

(c) yotophoto.comHaldis Gundersen, uma dona de casa da Noruega, estava feliz e contente em sua casa. Ao ligar uma das torneiras de sua casa, descobriu que a água tinha virado cerveja.

Para o desespero dos funcionários e clientes do Big Tower Bar, dois andares abaixo, a cerveja virou água.

“Por um erro de um funcionário desajeitado, as mangueiras de chopp do bar foram acidentalmente conectadas à tubulação de água do apartamento de Gundersen, na cidade de Kristiandsund, Noruega. “Havíamos nos preparado para uma noite tranqüila, fizemos uma boa janta e eu estava indo fazer uma pequena limpeza”, disse Gundersen, 50 anos. “Eu liguei a torneira da cozinha e cerveja começou a sair”, conta.”

Serendipibreja… capacidade de descobrir cerveja por acaso.

Fonte: Terra Notícias

Como ser um especialista

mar 8, 2006   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  Nenhum comentário

O blog Creating Passionate Users disse que a única coisa que separa você como amador de você como especialista é a dedicação. Qualquer um de nós pode ser (ou quase ser) um expert em qualquer assunto, se aplicarmos um tempo de aprendizado e foco.

Nós praticamos somente aquilo que somos bons, e evitamos a prática de assuntos que não dominamos. Assim, nos manteremos como amadores para sempre.

by serendipidade.com (c) headrush.typepad.com/creating_passionate_users

Posso pegar seu lugar?

fev 9, 2006   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  1 Comentário

(c) yotophoto.comIntrigante.

Quem chega primeiro leva.

A frase acima é tão básica e incorporada no nosso dia-a-dia, que nem pensamos nela como uma convenção estipulada e um padrão comportamental.

Na década de 80, o cientista social Stanley Milgram levou seus alunos de graduação para uma pesquisa em campo. No metrô de Nova Iorque, Milgram fez com que eles pedissem de maneira cortês aos passageiros sentados, que lhes dessem o lugar.

Surpreendentemente metade das pessoas deram seus lugares, mesmo sem uma razão justificável.

A pior parte não foi conseguir os lugares, mas sim obter a coragem necessária para pedir o lugar. Isso fazia com que os estudantes se sentissem embaraçados, angustiados e tensos.

A norma do “quem chegar primeiro leva” já está em nossas regras de relacionamento, é necessário um grande esforço para violá-la. Esse estudo mostrou o quanto essas regras nos salvam do caos.

Deu quadra!

fev 8, 2006   //   por Serendipidade   //   Serendipidade  //  2 Comentários

(c) caixa.org.brSerendipitosamente fui verificar o resultado da mega-sena que joguei no ultimo sábado. E estava lá, fiz a quadra e faturei 293 reais! 1 chance em 2332 vezes.

Engraçado foi o sentimento. Fiquei super contente por 30 segundos, depois já fiquei me lamentando que por UM número deixei de fazer a quina e ganhar 27 mil reais… Nunca estamos satisfeitos mesmo.

Maneiras de se dizer a mesma coisa

jan 24, 2006   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  1 Comentário

(c) Yotophoto.comCerta vez um sultão sonhou que havia perdido todos os dentes. Ele acordou assustado e mandou chamar um sábio para que interpretasse seu sonho.

“Que desgraça, senhor!” – exclamou o sábio. “Cada dente caído representa a perda de um parente de vossa majestade!”

“Mas que insolente!” – gritou o sultão. “Como se atreve a dizer tal coisa?”

O sultão chamou os guardas e mandou que lhe dessem cem chicotadas.

Ordenou, em seguida, que chamassem outro sábio, para interpretar o mesmo sonho.

O outro sábio disse: “Senhor, uma grande felicidade vos está reservada!! O sonho indica que irá viver mais que todos os vossos parentes!

A fisionomia do sultão iluminou-se e ele mandou dar cem moedas ao sábio.

Quando este saía do palácio, um cortesão perguntou: “Como é possível? A interpretação que você fez foi a mesma do seu colega e, no entanto, ele levou cem chicotadas e você moedas de ouro!”

“Lembre-se sempre, amigo,” – respondeu o sábio – “que tudo depende da maneira de dizer as coisas. E esse é um dos grandes desafios da humanidade! É daí que vem a felicidade ou a desgraça; a paz ou a guerra. A verdade sempre deve ser dita, não resta a menor dúvida, mas a forma como ela é dita é que faz toda a diferença. A verdade deve ser comparada a uma pedra preciosa: se a lançarmos no rosto de alguém, pode ferir, provocando revolta. Mas se a envolvermos numa delicada embalagem e a oferecermos com ternura, certamente será aceita com facilidade.”

Autor desconhecido

O Mapa do Pré-Conceito

jan 20, 2006   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  5 Comentários

(c) blog.outer-court.comO planeta terra é grande, molhado e cheio de gente diferente.

“Tempo difícil esse em que estamos, onde é mais fácil quebrar um átomo do que um preconceito” – Albert Einstein.

[Clique na imagem para ampliar]

Segunda-feira

dez 5, 2005   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  3 Comentários

(c) yotophoto.comSubindo no elevador, 3 mulheres conversavam e uma delas dizia que pediram uma série de coisas para ela hoje… ela já estava “por aqui” com gente pedindo tarefas… SEGUNDA-FEIRA… “eu ainda nem entrei no pique ainda” – dizia ela.

“Ahhh, eu solto a franga” – disse a outra – “quando está todo mundo quietinho no seu lugar, eu já chego dizendo que vai voar penas”…

A terceira apenas observava. Acredito que eu, daqui de cima do meu mais de um metro e noventa de altura, não fui percebido no elevador. Ou assim como no exemplo anterior, elas já fizeram da empresa a sua casa de tanto tempo que passam aqui.

Tive o ímpeto de dizer:

“Vocês são livres. Se vocês se sentem escravizadas, saiam fora, peçam demissão, ou não reclamem. Tem gente desempregada que gostaria de estar no seu lugar, e se não está sobrando tempo no seu trabalho é porque vocês não sabem gerenciar seu tempo, ou tomam café o tempo todo, ou fumam, ou… o que vocês estão fazendo passeando de elevador as três da tarde???”

Pulei do elevador rapidamente no meu andar porque a sabedoria popular nos fala… “os incomodados que se retirem”… e eu odeio ver gente pessimista que reclama do trabalho e não faz nada a respeito (com a própria vida). Me tira o bom humor e me faz rir ao mesmo tempo.

Gravidez oculta

out 25, 2005   //   por Serendipidade   //   Serendipidade  //  Nenhum comentário

Em 3 dias, atleta da seleção descobre gravidez e dá à luz

Em uma semana a vida da ala Sílvia, 23, mudou radicalmente.
Há dez dias, a jogadora disputava a final dos Jogos Abertos do Interior pelo São Caetano, quando seu time bateu o Catanduva e ficou com o ouro. Apesar de feliz, Sílvia não se sentia muito bem.

Dois dias depois, procurou os médicos do clube reclamando de prisão de ventre. Foi examinada e teve um “caroço” encontrado na barriga. Assustada, procurou um médico conhecido de Americana, onde já morou. Para o seu espanto, o “caroço” era um bebê.

“Nunca imaginei que estivesse grávida. Não tive enjôo nenhum e também não senti desejo. A única coisa é que estava um pouco acima do peso”, disse a atleta, que foi reserva da seleção brasileira na Olimpíada de Atenas, em 2004.
[...]
Segundo ela, três dias após descobrir que estava grávida, deu à luz Luis Fernando, que nasceu com sete meses, 31 cm e pouco mais de 1 kg e continua internado.
[...]“

Serendipidade esquisita ou uma jogadora muito engajada no esporte.

Fonte: Folha de São Paulo (link para assintantes)

Páginas:«1234»