Visualizando posts em "Serendipidade"

Leituras que valem a pena #27

dez 24, 2008   //   por Serendipidade   //   Serendipidade  //  3 Comentários

Sobre humanos e animais | Alexandre Inagaki
Belíssimo ensaio sobre o efeito espectador e sua relação com ser humano e ser animal. Inagaki menciona Kitty Genovese como caso notório desse efeito e que se relaciona com a próxima leitura, sendo um caso notório de conformidade social também.

Conformidade elevadorística | Kentaro Mori
O efeito espectador e a conformidade social estão fortemente ligados um ao outro. Vejo sutis diferenças entre os dois. É como se o efeito espectador fosse a causa da “não-reação” e a conformidade fosse o motivo dela durar tanto tempo. Somente especulação, mas pode existir também um link aqui entre a conformidade e os  neurônios espelho.

Brazil: Balancing on the Brink? | Knowledge@Wharton
Mudando completamente de assunto, essa é uma série de entrevistas com CEOs e outros especialistas brasileiros sobre como a crise poderá impactar a economia local. Entre os entrevistados temos representantes de vários setores da economia.

Leia as outras recomendações de leitura clicando aqui.

Jogos blogosféricos – o umbigo pop

dez 23, 2008   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  Nenhum comentário

Blogopoly @ http://littleoslo.com/eng/diary/index.htmBlogpoly @ http://littleoslo.com/eng/diary/index.htmBlogstar @ blogstargame.com
As pessoas e a sociedade desenvolvem a tecnologia para atender suas demandas. Ao mesmo tempo, a tecnologia, fruto do esforço do homem, molda a sociedade provocando novas atitudes, mudanças de comportamento e cultura. É a simbiose que constitui o nosso zeitgeist.

A introdução do post pode parecer séria, mas o conteúdo não é. O tema da vez é entretenimento. Mais especificamente jogos e passatempos baseados na blogosfera, uma modalidade de divertimento que é impulsionada pelos próprios blogueiros – principalmente entre os escolhidos para estrelar o seleto grupo de participantes. Um exercício pretencioso e saudável de navel-gazing que combina estrelato, reputação e polêmica.

Começo com alguns exemplos brasileiros. Em 2007, talvez estreando a modalidade no Brasil, o blog Treta divulgou suas cartas que constituíam parte do novíssimo SupeTrunfo Blogs de blogs brasileiros. Quase ao mesmo tempo o carioca Fabio Lopez lançava o War in Rio, parte de outra modalidade que chamaremos aqui de um ‘espelho da realidade‘, o choque da realidade com a sociedade nos moldes que apresentei logo no primeiro parágrafo, e que certamente foi referência para a criação do Blog War no início de 2008. Por último consegui encontrar referências a dois ou três diferentes tipos de Caça-Palavras da blogosfera como esse do blog Karynemlira.

Fora do Brasil temos exemplos na espanha representado pelo Juego de la Blogosfera de 2007, visivelmente baseado no “Quantas bandas você consegue encontrar?” divulgado pela Virgin Digital em 2005 e que virou febre gerando muitas outras versões criadas por outras marcas como M&M’s e Vodka Absolut. Uma variação do clássico “Onde está Wally?“, criado em 1987. Já o cosmopolita chinês littleoslo “plagiou” o Blogopoly, criado em 2004, ao criar o Blogpoly em 2005, o banco imobiliário dos blogs que explodiu quando foi linkado pelo BoingBoing ainda em 2005. Existe uma versão espanhola também.

Para completar a história, deixo o link para o mais recente e completo trabalho no universo do entretenimento blogosférico: o BlogStar Game. Mais um “banco imobiliário” dos blogs criado por dois italianos (via Catepol 3.0). O jogo é comercializado de verdade (acho que até a Hasbro descobrir) e pode ser obtido em PDF para impressão gratuitamente. Haja criatividade…

Um pequeno update: Você pode jogar Blogpoly online aqui.

Imitação e satisfação no universo do consumismo

dez 18, 2008   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  3 Comentários

iStockPhoto / Isabel MassTerminei de ler Buyology na semana passada. Uma bela introdução ao mundo do neuromarketing misturados com momentos desnecessários onde o autor se gaba o melhor especialista em marcas do mundo e um dos pioneiros no assunto.

De qualquer forma, o que persiste ainda na minha cabeça é a explicação sobre a relação dos neurônios espelho e a dopamina com o nosso comportamento no momento da compra, e a frase defendida por alguns especialistas em neurociência:  “São necessários apenas 2,5 segundos para decidir comprar um produto“.

Discorrendo rapidamente sobre os 3 temas:

- Neurônios espelho explicam porque quando alguem boceja na sua frente nós temos a tendência de abrir a boca ao mesmo tempo. Temos uma tendência natural de imitar o que vemos ou mesmo sentir sensações associadas com o que lemos ou imaginamos. Traduzindo para o momento da compra, isso conseguiria explicar porque queremos comprar um objeto que vemos em uma vitrine ou usado por uma celebridade que admiramos. No primeiro caso nós nos imaginamos possuidores daquele produto e literalmente experimentamos a sensação de tê-lo em nossas mãos. No caso da celebridade, a explicação é pura e simplesmente o fato de que queremos ser como ela, por isso compramos para conseguir “ser” como ela.

- A Dopamina liberada pelo cérebro no momento que decidimos comprar algo nos dá uma sensação de bem estar. Viciados nela, nossa tendência é sempre continuar comprando para obter mais desse prazer.

- Os 2,5 segundos estão entre os dois elementos acima. Se sentir como proprietário de um produto é rápido. Dentro desses 2,5 segundos a dopamina inunda nosso organismo. O lance é que se demoramos demais, o suficiente para pensar melhor, como descrevi em outro post, a dopamina é absorvida e a vontade passa porque o racionalismo impera. De compra instintiva passamos para a negação racional.

Polônia

dez 13, 2008   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  Nenhum comentário

Warsaw - Palace Culture Science Estou alocado em um projeto na Polônia em Varsóvia pelos próximos 4 meses mas vou continuar voltando durante os finais de semana para Amsterdam. Interessante ver como me senti quando voltei para a Holanda na última quinta-feira a noite. Admito que estava homesick pela minha casa atual, mas a sensação de estar voltando para um país tremendamente mais evoluído economicamente foi muito marcante.

Mesmo com os quase 20 anos da queda do regime comunista, a cidade, alguns bairros que passei e alguns marcos importantes da cidade, como o Palácio da Cultura e Ciência (foto), ainda carregam as marcas do passado e é inevitável não sentir essa sombra ao andar pela cidade.

Alguns pontos marcantes (Polônia versus Holanda):

  • Na Polônia as pessoas costumam se cumprimentar com um amistoso aperto de mão todos os dias. Na Holanda é um distante, frio e calculista “bom dia”.
  • Na Polônia se almoça e janta pratos quentes, na Holanda o almoço pode ser entendido como um “segundo café da manhã” regado a leite, iogurte, pães com queijo e eventualmente uma fruta.
  • Como um nativo lusófono, o Neerlandês soa muito, mas muito mais feio do que o Polonês. A única excessão é escutar os Poloneses falando “sim” = “tak” no telefone… tak, tak, tak… (curiosidade: em Indonésio “tak” é “não”)

Diálogo e a Economia de Rede

dez 2, 2008   //   por Serendipidade   //   Marketing / Negócios  //  2 Comentários

Economia de Rede no contexto da Internet A Internet hoje possui inúmeros termos que ajudam explicar nada mais nada menos que a Economia de Rede.

Economia de Rede é a criação de valor por redes sociais em escala global que conectam empresas, governos e principalmente as pessoas que movimentam os mesmos. O combustível que movimenta uma economia de rede são as conversações entre as pessoas, o diálogo. Esse tipo de economia acontece não só na Internet, mas também fora dela no mundo físico.

A figura ao lado demonstra o ambiente que temos hoje traduzido para o contexto da Internet. Entre a economia de rede e o diálogo temos alguns elementos importantes.

Economia da Internet é a economia de rede localizada na rede mundial de computadores.

Mídias Sociais são ferramentas que permitem a formação de discussões entre as pessoas e empresas conectadas na rede. Web 2.0 é a plataforma que sustenta as mídias sociais por meio de blogs, wikis, redes sociais, entre outras aplicações.

Redes Sociais são um dos tipos de ferramentas oferecidas pela plataforma web 2.0 e constitui um dos melhores exemplos de mídia social. Facebook, Orkut e MySpace são os exemplos mais populares de redes sociais.

Comunidades Virtuais são as pequenas tribos formadas dentro de uma rede social, onde pessoas se conectam para conversar sobre os assuntos de seu interesse e descobrir que no final das contas todos temos várias características em comum quando temos objetivos parecidos.

Diálogo é o que permitiu que nós seres humanos formássemos o mundo como ele é hoje, a sua sociedade, economia e essa complexa bola desenhada logo acima.

Faz sentido?

O gene é realmente egoísta?

nov 28, 2008   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  1 Comentário

Trabalhando no primeiro capítulo do meu novo livro me lembrei de uma história sobre pingüins que li no livro ‘The Social Atom‘ e que provavelmente foi originada no livro ‘O Gene Egoísta‘ do Richard Dawkins:

{…} Eles [os pingüins] são freqüentemente vistos na beira da água, hesitando mergulhar, por causa do perigo de serem comidos pelas focas. Se um deles mergulhar primeiro, o resto saberá se alí existe uma foca à espreita ou não. Lógico que ninguém quer ser o cobaia, então eles esperam e, às vezes, até empurram uns aos outros[...]

Já tinha até escrito o parágrafo quando então decidi pesquisar mais a fundo. Encontrei diversas fontes contrárias à afirmação de Dawkins na rede. Uma delas vem do livro ‘The Emperor’s Embrace: Reflections on Animal Families and Fatherhood‘:

[...] Quando os pingüins chegam na margem não existem empurrões; um deles pula e, uma vez que pingüins não resistem seguir o lider, o resto pula nas águas congelantes também[...]

Fraco argumento. Não satisfeito fui além e encontrei a resposta de Polly Penhale no site da NASA:

É difícil encontrar a resposta porque é difícil construir experimentos para verificar esse fato. A idéia de pingüins ‘testando a água’ empurrando outros foi baseada em observações. Normalmente, quando os pingüins se encontram na beira da água, eles estão em grupos de 100 a 1000 aves. Eles são muito ativos, estão sempre andando em círculos e os que estão atrás não conseguem ver o que está acontecendo na frente. Acredito que essa situação tumultuosa de empurra-empurra acaba ocasionando na queda de um deles.

O resto das discussões gira em torno disso e do vídeo engraçado de um pingüim dando um ‘tapinha’ nas costas do seu camarada. Que é falso.

Como não existe experimento que prove uma ou outra afirmação vou manter o argumento. Mas fica aqui o recado para não acreditar sempre em tudo que lemos. Investigar diverte, educa e é o melhor exercício para nossa intelectualidade.

Entrevista com Martin Lindstrom

nov 24, 2008   //   por Serendipidade   //   Marketing / Negócios  //  Nenhum comentário

Quando comentei aqui sobre o novo livro do Martin Lindstrom eu recebi o contato da Cybele que me apresentou seu portal/rede social ‘Aromas essenciais‘ – focado em marketing olfativo. Depois disso ela mandou ver e conseguiu uma entrevista com o autor do livro ‘Buyology: Truth and Lies About Why We Buy‘.

Após um passeio pelos 5 sentidos e suas influências na nossa decisão de compra, as perguntas se voltam para o tema do marketing olfativo. Vale a pena a leitura!

Mas o que eu disse para a Cybele eu digo aqui também: eu acho que um sexto sentido – nada sobrenatural -  ainda fala mais alto que os outros 5 conhecidos, é o sentido da parte mais sensível do corpo – o ‘bolso’ – se ele está vazio nenhum marketing funciona.

Veja a entrevista aqui.

Pontos de vista

nov 23, 2008   //   por Serendipidade   //   Criatividade / Inovação  //  1 Comentário

Fonte: FFFFOUND!

CrowdSpirit volta ainda melhor

nov 17, 2008   //   por Serendipidade   //   Criatividade / Inovação  //  2 Comentários

No ano passado eu tive a oportunidade de participar como beta tester de uma plataforma de colaboração chamada CrowdSpirit, a idéia do site era pegar sugestões de novos produtos eletrônicos com a comunidade de usuários e literalmente criar novos produtos eletrônicos. Na época eu estava formulando o plano de marketing do primeiro produto da velha CrowdSpirit, um calendário digital para ser usado em paredes.

O problema é que a fabricação do novo eletrônico se tornou insustentável dado às dificuldades em se obter uma cadeia de suprimento altamente coordenada ou mesmo encontrar um preço competitivo com a baixa escala da demanda. Só que o site não morreu, o teste serviu para reformular o conceito, e na semana passada recebi um email do CEO da empresa, Lionel, com a divulgação do novo CrowdSpirit.

O novo CrowdSpirit entra no ar hoje em escala global. (já cobrei a versão em português)

Segundo o CEO, a visão da empresa se mantem a mesma. As empresas sofrem diversas pressões, limitações e não possuem uma clara idéia das necessidades dos clientes. A CrowdSpirit acredita que o crowdsourcing pode ser usado de forma bem sucedida no design de serviços e produtos. A nova missão é construir relacionamentos entre a comunidade de usuários de internet criativos e empresas que querem criar novos produtos.

Agora as empresas podem mandar ‘desafios’ para a comunidade visando a geração de idéias para seus produtos e serviços, e usuários da comunidade fazem a sua parte colaborando e adquirindo reputação dentro da mesma. A empresa pode abraçar a(s) idéia(s) e a partir daí o relacionamento está aberto inclusive para oportunidades de trabalho e remuneração em troca de insights. A propósito, tem um desafio no ar que está prometendo 3 mil euros em prêmios!

Para quem quer se aventurar, eu acredito que essa rede de crowdsourcing vai pra frente porque apresenta uma plataforma consolidada de reconhecimento e recompensa dos esforços dos próprios usuários de forma  individual.

Vamos falar de estratégia e mídias sociais

nov 12, 2008   //   por Serendipidade   //   Marketing / Negócios  //  1 Comentário

Tenho observado no Brasil uma revolução que me agrada os olhos, mas me deixa preocupado.

Desde o lançamento do meu livro em 2006 nunca se falou tanto em mídias sociais como nova forma de agregar valor nas funções tradicionais de uma empresa – Marketing, P&D, Produção, Vendas, Serviço ao cliente, entre outras. Na verdade não só se fala muito sobre o assunto. Existem discussões, defesas, acusações e longas listas de melhores práticas e casos de sucesso.

Mas quase ninguém fala de estratégia da forma que considero adequada. Será que ninguém assistiu Tropa de Elite? ;-)

Muitos dizem que a adoção das mídias sociais é a estratégia. Está errado. A escolha da mídia social adequada é um fator crítico de sucesso, endereçar o público adequado também. As transformações necessárias internamente na cultura e nos processos das empresas para criar um ambiente favorável para operar mídias sociais também devem ocorrer simultaneamente e pedem um planejamento mais detalhado.

A estratégia que defendo engloba todos esses fatores e mais além, ela deve ir de encontro com a estratégia corrente da empresa e deve ter métricas claras que permitam mensurar o valor gerado. E lembrem-se, a estratégia, apesar de ser intimamente ligada aos conceitos militares de derrotar o oponente fazendo o que ele faz de forma melhor, também podem e devem incluir desbravar novos mares. Sendo assim, só imitar modelos bem sucedidos não basta. É preciso ter inovação nesse campo também.

Recentemente acompanhei o IAB forum em Milão na Itália. A apresentação de Marco Vernocchi da Accenture mostrou que a barreira para entrar no mundo das mídias sociais caiu, mas a barreira para o sucesso se ergueu (veja figura). Isso se dá, principalmente, porque o nível de informação aumentou, todo mundo está oferecendo soluções de mídias sociais (concorrência), e muitas empresas estão embarcando nessa para não ficar de fora, sem um real propósito, sem uma real estratégia.

Ah, e lembre-se também: “Um objetivo sem planejamento é só um desejo”* Mas planejamento já é outro assunto. É importante, mas estratégia vem primeiro.

* frase de Larry Elder

Páginas:«12345678...50»