Visualizando posts com a tag " internet"

Irritando seus clientes

out 18, 2005   //   por Serendipidade   //   Marketing / Negócios  //  2 Comentários

(c) yotophoto.comPare tudo! Antes de planejar como agradar o cliente, como atendê-lo melhor ou especular quanto vai custar aquela consultoria para fazer um diagnóstico do seu relacionamento com o cliente, que tal começar com o oposto básico?

Partindo de como NÃO agir com seu cliente é o primeiro passo para melhorar a satisfação do mesmo. Mantenha em mente que a engenharia reversa é válida no relacionamento com clientes. Exercite pensando primeiro naquilo que incomoda você, e não no que diz o guru, um livro ou seu amigo. Você também é cliente.

Simples assim. Esse é o ponto de partida.

Desde a conquista, passando pela compra e terminando na pós-venda, junte os maiores focos de insatisfação no mundo real e virtual e desenvolva…

Maneiras de irritar o cliente

  1. Faça propagandas mentirosas aumentando exageradamente os atributos do seu produto ou serviço, envie centenas de malas-diretas, fique na porta da loja chamando. Mande e-mails todo dia, crie uma página que mostra o ícone de um trabalhador cavando com os dizeres “Em construção”.
  2. Atenda mal e com má vontade sempre. Quando for atender bem, pergunte o tempo todo: “posso ajudar?”, “pois não?”. Se for na internet, forneça poucos dados e provoque erros nas páginas no momento da compra.
  3. Forneça poucas opções de pagamento. Nada pior que aceitar somente dinheiro, os clientes odeiam andar com dinheiro. Não aceite nenhum vale refeição ou alimentação. Online, aceite somente pagamentos via boleto bancário.
  4. Se o produto for entregue no ato da compra, não se preocupe em embrulhar, os clientes vão abrir depois mesmo e você vai gastar papel a toa. Para produtos a serem entregues posteriormente, é fácil, simplesmente atrase a entrega e alegue endereço errado, problemas logísticos ou culpa do trânsito.
  5. Passe o endereço, e-mail e o telefone errado da sua loja. Assim você evita clientes querendo trocar o produto ou reclamar do serviço. Principalmente quando eles descobrirem que a garantia que você deu não se aplica.
  6. Quando eles conseguirem entrar em contato, transfira a responsabilidade para o número máximo de pessoas antes de receber um atendimento decente. E quando isso acontecer, cobre caro pelo serviço ou diga que a garantia já acabou.
  7. [A sua idéia aqui]…

Saiu o resultado da pesquisa Datafolha Top of Mind 2005 (não sei porque insistimos em usar termos importados).

Ela mostrou um pouco mais daquilo que já sabíamos (e não é a toa que as marcas vencedoras são as mais lembradas).

Quero ter uma idéia nova…

out 14, 2005   //   por Serendipidade   //   Criatividade / Inovação  //  2 Comentários

(c) morguefile.comNão sei extatamente o que estou procurando, mas quero criar algo diferente. Tenho pensado muito na concepção dessa nova idéia. Idéias para qualquer coisa. Qualquer negócio. Quero uma nova idéia porque mesmo se ela não for me trazer dinheiro, eu estou exercitando a criatividade.

Assim, fico quase o tempo todo articulando possibilidades…

Difícil aparecer…

Se aparece…

Difícil implementar… (tem um quê de comodismo aqui)

Talvez eu não esteja pensando “lateralmente”, ou talvez eu apenas estou preso demais no trabalho e preocupado bastante com ele.

Para encher minha cabeça de possibilidades, tenho lido muito, navegado bastante, mudado algumas rotinas. Seguindo os passos catalisadores de idéias.

No entanto, enquanto o estalo não vem, estou me confrontando com idéias interessantes e notáveis. Que fazem realmente a historinha se espalhar por onde passa. Aquela coisa de 1 escuta e conta para 3 e assim por diante. A cadeia exponencial da idéia espalhada boca-a-boca.

Poderia aplicar o conceito observado por um amigo meu em alguma dessas idéias que encontro la fora. Ele disse que a Coca-Cola tem como um dos lemas “pensar globalmente e agir regionalmente”, ou seja, pegar idéias de outros países e aplicar a realidade nacional.

Vamos então a dois exemplos criativos que encontrei na internet.

O primeiro deles é o website de um milhão de dólares. Já coloquei um artigo sobre ele aqui no website. Idéia brilhante. Mas vamos quebrar o conceito da Coca-Cola introduzido acima. Dois brasileiros fizeram o mesmo e deixaram comentários aqui no blog. O ummilhao.com.br e o muraldeummilhao.com.br. Não virou. A empolgação é somente do site original, porque ele chegou primeiro. Quem chega primeiro é quem é notável, não o segundo, terceiro, etc.

O segundo é um website de vendas online chamado Woot!. Qual é o diferencial do Woot? Ele trás a cada dia um ÚNICO produto para venda. Somente um produto por dia, começando meia noite até 23:59hs do dia seguinte, ou até terminar o estoque. E mais, por um preço muito mais que promocional, preços baixíssimos comparados a outras lojas online americanas. O produto de hoje não pode ser comprado amanhã, então chovem visitas todos os dias. Idéia impressionante que gera comentários. Eu mesmo caí na história e estou falando deles aqui.

É a idéia que eu quero. Simples, notável e grande.

Um tiro pra cima…

out 10, 2005   //   por Serendipidade   //   Comportamento  //  1 Comentário

(c) yotophoto.com…ou um tiro no pé.

Não ia colocar minha manifestação aqui no website mas, a pedido de amigos e dos emails enviados, aí vai. E não será imparcial ou para iluminar os confusos. Será tão somente meu ponto de vista, minha opinião e meu voto.

Vários amigos e desconhecidos me enviaram emails contrários ao desarmamento. NENHUM email a favor. Por quê? O que levaria várias pessoas que possuem acesso à internet e, provavelmente, possuem condições melhores de vida, a votarem NÃO ao desarmamento na totalidade?

Fato 1 – Muitos deles, com certeza, leram somente o(s) email(s) para formar sua opinião.

Fato 2 – Aposto que quase 100% deles NÃO possuem uma arma e NUNCA usariam uma para se defender. Mas acham importante estarem por dentro dos assuntos em pauta, mesmo sem possuir domínio sobre o assunto.

Fato 3 – A maioria deles estão fazendo o que qualquer um faria para chamar atenção para si mesmo, espalhando uma historinha legal, que parece ser contagiante, para se posicionarem melhor perante os amigos e sociedade. Todos nós fazemos isso o tempo todo.

Rebati todos emails, inclusive um que tinha uma série de slides com o holocausto de fundo.

Lendo os motivos de vários partidarios do NÃO, identifiquei uma máxima dos “armados”: As justificativas apresentadas a favor do NÃO, não passam de meras constatações de fatos que não mudarão, seja qual for o resultado do referendo. Trocando em miúdos, o referendo é inócuo. Ninguém apresentou dados concretos, imparciais e verdadeiros de que a violência aumentará, que o número de ladrões aumentará, que a mortalidade aumentará. Exceto pelo contrabando que não possui correlação nenhuma e nem será o efeito da proibição das armas no aumento da violência.

Sendo assim, entre o inócuo e a proteção de crianças e contra potenciais suicidas e homicidas, meu voto será SIM. Voto pela paz, pelo fato de que niguém tem o direito de tirar a vida de ninguem. Voto porque os Brasileiros honestos que possuem armas são covardes e jamais usariam a arma contra ninguém em uma situação de perigo ou de risco para a família.

Zero para a revista Veja com sua reportagem léxica e totalmente contra aos princípios do jornalismo imparcial.

Zero para o ser humano que, apesar de parecer tão inteligente, na verdade não consegue conviver em paz com a própria espécie.

Zero para o governo por gastar tanto dinheiro em uma questão que não condiz com as verdadeiras necessidades públicas.

O referendo é zero, mas eu votarei 2!

Leituras que valem a pena #1

out 6, 2005   //   por Serendipidade   //   Serendipidade  //  Nenhum comentário

Vou tentar trazer semanalmente (ou esporadicamente) alguns links para artigos interessantes do mundo dos negócios, marketing, criatividade e etc. Sempre dentro dos temas abordamos aqui e que são dignos de nota.

The Power of Dumb Ideas | Strategy+Business
A solução para os problemas atuais de marketing é o uso de menos criatividade na execução.

The SAP School of Design | BusinessWeek
Co-fundador da SAP investe pesado em Stanford – ponto positivo para as D-Schools.

Minipreneurs | Trendwatching
Estamos nos transformando em Mini-empresários com a internet.

Tudo por dinheiro e um pouquinho de atenção

out 4, 2005   //   por Serendipidade   //   Marketing / Negócios  //  Nenhum comentário

(c) yotophoto.comHoje fiz duas descobertas através do meu leitor RSS. Mas confesso que não foram descobertas, na verdade uma delas só vem confirmar aquilo que as empresas mais fazem – manipular a imprensa. E a outra mostra a falta de assunto da imprensa.

O que está por trás disso tudo? Respondo: O Marketing, a luta por conquistar espaço no mercado e a busca por aumento na receita, isto é, dinheiro.

1) Na primeira, acho que o termo “manipular a imprensa” poderia ser colocado de outra maneira. Seria talvez melhor dizer que a imprensa é que se vende.

Sabemos que lugar para propaganda custa dinheiro, principalmente se você possui um veículo de mídia como internet, TV ou mesmo uma Revista de circulação relativamente ampla.

Nos filmes e na TV, além de trailers e reclames, temos o merchandising incorporado durante a programação normal, na novela, no jornal, nas transmissões de esportes e etc. Estamos habituados com isso e às vezes nem percebemos.

Na Internet estamos vendo um crescimento absurdo de empresas como Google, Yahoo e outras de grande audiência por conta do comércio de propaganda e publicidade nos próprios websites ou através de janelas e programas de recompensas.

Além das propagandas, reclames e merchandising, temos um outro componente de peso que é parente do merchandising: A compra de notícias para veicular os nossos interesses. Aqui chegamos na primeira conclusão: A imprensa vende espaço para noticiar propagandas.

Como exemplo pego aquele que encontrei hoje no leitor RSS. A Blockbuster provavelmente comprou a divulgação da sua nova loja online em pelo menos (até onde vi) três grandes websites de notícias.

Blockbuster inaugura loja virtual – na IDG Now!

Blockbuster passa a vender pela internet no Brasil – na Folha de São Paulo

Blockbuster inicia operação de vendas online – na INFO Online

Sensacional! E me pergunto… e eu queria lá saber dessa notícia? Alguém aqui é acionista da locadora na bolsa de New York? E olha que mesmo com a notícia a ação dela caiu 0,09%. Super.

2) Na segunda, a falta de assunto da imprensa. Com o RSS posso acompanhar quase que paralelamente as diferentes fontes de notícias e posso dizer que ou está faltando agências de notícias no Brasil (todos usam a mesma fonte), ou é um copiando do outro.

A situação piora quando comparamos as notícias do Brasil com aquelas de outros websites internacionais como Wired, Business Week, New Scientist, NewsFactor e por aí vai… A notícia de hoje lá fora é a de amanhã aqui.

A regra é quantidade.

Os dois ítems mostram um descaso com a entrega das notícias e de propaganda, um desinteresse por filtrar melhor as histórias despejadas na gente. Acabamos virando um depósito de textos e imagens supérfluas, manipuladas e irreais.

Pequena atualização:

A revista Época também tinha a Blockbuster em destaque

Soprannaturale

set 16, 2005   //   por Serendipidade   //   Serendipidade  //  Nenhum comentário

(c) yotophoto.comVoltando a falar de serendipidade.

Foi uma intuição muito forte ou realmente existe uma médium italiana chamada Maria Rosa Busi que escuta com os próprios ouvidos as vozes dos mortos?

“[...]Ma non c’è dubbio che ieri mattina, molto presto, una donna di 55 anni abbia guidato un corteo di subacquei sulla riva del lago di Como e abbia detto: “E’ qui”. E là c’era davvero l’auto, inabissata, di una trentenne scomparsa da tempo.[...]“

“Mas não há dúvidas que ontem de manhã, bem cedo, uma mulher de 55 anos guiou uma equipe de mergulhadores na margem do lago de Como e disse: ‘É aqui!’. E ali havia realmente um automóvel, submerso, de uma mulher de 30 anos desaparecida há muito tempo”.

Ela diz ter ouvido a voz de Chiara Bariffi que foi engolida pelas águas há 3 anos. A garota estava desaparecida e ninguém sabia do paradeiro da mesma. Os pais de Chiara já tinham ouvido falar que ela estava morando na espanha e, confusos, acabaram contratando a médium para ajudar a resolver esse mistério.

Sou extremamente cético quanto a esses tipos de “visões”, “audições” ou como queiram denominar o fenômeno. A médium mora próximo ao lago e poderia saber alguma coisa sobre aspectos climáticos da época. Outros dizem que ela pesquisou na Internet. Ou mesmo que tem culpa do ocorrido.

Para mim não deixa de ser uma simples, clara e mera serendipidade.

Fonte: La Repubblica

Leia O mundo assombrado pelos demônios – A ciência vista como uma vela no escuro de Carl Sagan. É uma bela defesa do ceticismo.

Conteúdo viral é aumento na audiência (e nas vendas também)

set 12, 2005   //   por Serendipidade   //   Criatividade / Inovação  //  Nenhum comentário

(c) yotophoto.comTem certas coisas na internet que são demasiadamente viróticas. Quando conseguimos provocar um estalo nos leitores de nossas páginas virtuais a propagação se torna incrivelmente gigantesca. Unindo isso com os blogs servindo de profetas, temos literalmente uma propaganda “Boca-a-Mouse”.

Outro fato intrigante é tentar saber que tipos de assuntos provocam esse tipo de reação mais fortemente. Ou melhor, qual é a idéia perfeita para passar para nossos leitores e que desperte a vontade de fazê-lo contar para alguém?

Atualmente, o perfil do usuário de internet é de busca por informação em quantidade, e não qualidade. Portanto, quanto mais curta, criativa e influenciadora for a sua idéia, melhor! O Marketing é uma arma poderosa nesse caso.

Mas somente criatividade não basta. A nova geração de “clientes” de websites, blogs ou lojas virtuais, a chamada “Geração C”, busca mais do que uma idéia original ou interessante, ela busca interação, participação e reconhecimento. Veja o exemplo da colaboração em massa na internet.

Junte os dois: simplicidade criativa e capacidade interativa e voilà. Sua idéia ou seu recado está contaminado pelo vírus da divulgação.

Dentro do contexto, vai uma propaganda boca-a-mouse do site do meu irmão. Ele teve uma idéia simples e aparentemente ingênua, mas ele tem hoje mais de 20 mil visitas por dia no seu website. É criativo, simples, desperta a curiosidade e possui interatividade.

“Terra: Cave, mas cave certo.”

Se eu cavar um buraco muito fundo, aonde eu vou parar?

Fidelidade boca-a-boca

set 1, 2005   //   por Serendipidade   //   Marketing / Negócios  //  Nenhum comentário

(c) yotophoto.comNão é difícil entender como a publicidade passada boca-a-boca é várias vezes mais eficiente que um anúncio ou propaganda. Por quê é mais eficiente? É eficiente porque as pessoas dizem a outras pessoas coisas que elas pensam que essas outras pessoas não sabem. Complicado? Nem tanto. Para um bom anúncio boca-a-boca funcionar, você deve dar uma história incrível para as pessoas contarem de modo que se sintam introdutoras de algo novo, diferente, interessante ou fascinante.

“As coisas se propagam de uma maneira viral quando são boas”

Passando sua idéia de uma maneira genial pode trazer muitos benefícios para o seu bolso economizar bastante em campanhas de marketing. Principalmente na Internet, onde o boca-a-boca pode acabar virando um “boca-ao-mouse” através dos e-mails e sites.

(c) womma.orgExiste uma associação que defende e prestigia a publicidade feita por propagação boca-a-boca, é a WOMMA (Word of Mouth Marketing Association). Eles publicaram um interessante blog que busca confrontar exemplos da vida real de publicidades boca-a-boca que desbancam os anúncios televisivos ou de revistas. Um espaço de destaque para anúncios boca-a-boca que fizeram a diferença.

(c) womma.org

RSS versus e-mail: Uma aplicação matando a outra

ago 31, 2005   //   por Serendipidade   //   Criatividade / Inovação  //  1 Comentário

As estatísticas comprovam:

De todas pessoas que lêem blogs no mundo todo, somente 2% delas já descobriram o uso do RSS para “agregar” notícias e novidades. Realmente acho que nem todo mundo é obrigado a saber o que é RSS e como funciona. Mas aí vai a explicação rápida e uma outra alternativa muito interessante que utiliza a distribuição de notícias via e-mail.

RSS (Real Simple Syndication) é um formato de distribuição de informações pela Internet. Com o RSS, você utiliza um software que se conecta com os seus websites preferidos e junta tudo num lugar só, todas as notícias, posts de blogs e etc. Assim, você fica sabendo imediatamente quando uma informação do seu interesse é publicada, sem que você tenha de navegar até o site de notícias.

Podemos chamar então o RSS como um Killer Application no mundo da internet. Uma aplicação que conquistou ou tem capacidade de conquistar uma massa enorme de pessoas.

O e-mail JÁ é um Killer Application. TODO MUNDO USA!

(c) feedblitz.comAssim sendo, a FeedBlitz reuniu a funcionalidade do RSS e a aplicou no sentido oposto, ela coleta os seus posts via RSS e os envia por e-mail aos seus assinantes. Podemos chamar isso de um tipo de Newsletter do seu blog que pode ser configurado de maneira extremamente simples. Basta se inscrever e copiar o código no seu blog. Preferindo, você pode utilizar a FeedBlitz de outra maneira: como um agregador de notícias. Colocando vários links para fontes de RSS ou mesmo diretamente para os endereços dos blogs, ela manda os seus blogs preferidos a você.

É literalmente uma killer application “matando” a outra. E aumentando por conseqüência a audiência e assiduidade dos seus leitores.

Na barra lateral esquerda do meu site, você vai encontrar uma caixinha e poderá assinar os meus artigos e recebê-los via e-mail com todo o conforto.

A Geração Criatividade e as Design Schools

ago 30, 2005   //   por Serendipidade   //   Criatividade / Inovação  //  1 Comentário

Alguns dos principais executivos e escritores de marketing do mundo forjaram uma expressão que retrata o consumidor atual e sua relação com as empresas. É a “Geração C”.

(c) trendwatching.comC de criatividade

Os consumidores de hoje possuem mais influência sobre as empresas através de interações em diversos meios de comunicação, principalmente a internet – nessa última, a possibilidade de interação com as empresas é exposta ao máximo. Através da colaboração em massa é possível realizar consultas publicas ou coletar opiniões sobre produtos e serviços. Somos todos criativos e estamos criando conteúdo a todo momento na Internet.

C de conteúdo

Além de estarmos criando conteúdo na Internet, estamos também adicionando conteúdo para outras pesquisas, bancos de dados ou mesmo propagandas de outras empresas. Algumas companhias criaram anúncios interativos on-line que possibilitam seus clientes interagirem e incluirem informações sobre seus produtos e serviços. Os pedidos das empresas agora são: Crie! Produza! Participe! Antigamente era: Escute! Assista! Brinque!

Dentro dessa nova onda de consumidores, as Business Schools estão se moldando e se adaptando para incluir em suas matérias, cursos de criatividade e inovação na empresa, workshops de desenvolvimento da capacidade criativa e outros cursos relacionados com o tema. De B-Schools estão se transformando em “D-Schools”.

(c) yotophoto.comD de Design

Mais do que formar administradores de empresas, as escolas de negócios querem formar pessoas com conteúdo criativo e inovativo. Que possam agregar valor nas empresas através da aplicação desses conceitos e desenvolver oportunidades de negócio desenhando criativamente os cenários de aplicação. Diversas escolas americanas estão se juntando com institutos de design para promover esse conhecimento. Assim está sendo em Stanford, Carnegie Mellon, INSEAD, Wharton e outras.

Para saber mais:
“Geração C”TrendWatching – Generation C
“D-Schools”Tomorrow’s B-School? It Might Be A D-School

Banco Itaú e as portas giratórias

Acabei de ver na TV uma propaganda do Banco Itaú que demonstra que a Geração C está presente a todo vapor no Brasil. São os clientes colaborando em massa através de sugestões deixadas seja através da Internet ou seja através de qualquer outro canal de atendimento.

A propaganda agradecia as sugestões enviadas na campanha do “Itaú quer ouvir você” e dizia que muitas estão sendo já implementadas, exceto por algumas como no exemplo da porta giratória, que está ali para a segurança dos clientes. Além da TV também vi um outdoor nas ruas com alguns desses balões de diálogos. Campanha forte pelo visto.

São as empresas começando a se preocupar com essa nova geração exigente e mostrando explicitamente que escuta o que o cliente tem para dizer. Ao menos é a impressão que fica. Se não for isso é o marketing enganando outra vez.

Páginas:«1...56789101112»